segunda-feira, 1 de junho de 2020

“JUNTOS” E “SOMOS 70%”: DUAS FACETAS DA “FRENTE AMPLÍSSIMA” DE COLABORAÇÃO DE CLASSES PARA SABOTAR A LUTA DIRETA DOS TRABALHADORES


Dois movimentos políticos burgueses que unem um espectro político de direita, centro e esquerda, surgiram neste final de semana se proclamando “em defesa da democracia”. O movimento ‘Somos 70 porcento’ surgiu após debate na internet entre o economista Eduardo Moreira, ex-apoiador do golpe parlamentar contra Dilma Rossef (PT) com o ex-senador Roberto Requião (MDB-PR). No Twitter, o camaleão Moreira anotou que “70% rejeitam aproximação ao Centrão (Datafolha); 70% acham Bolsonaro Péssimo/Ruim/Regular; 70% apoiam medidas de isolamento e mais de 70% sabem que a terra é redonda. Por sua vez o “Estamos Justos” foi lançado com publicação nos principais jornais do país de um manifesto político. O documento reúne mais de 2000 signatários “em defesa da vida, da liberdade e da democracia no Brasil”. O manifesto inclui artistas, políticos, músicos, jornalistas, esportistas, juristas e outros, abarca um amplo espectro político e ideológico, desde a direita até representantes da esquerda e centro burguês. Entre os signatários estão nomes como Luciano Huck , Flávio Dino, Fernando Haddad, Fernando Henrique Cardoso, Marcelo Freixo (PSOL), Tábata Amaral entre outros. O manifesto diz que ““Como aconteceu no movimento Diretas Já, é hora de deixar de lado velhas disputas em busca do bem comum”, diz o texto. “Esquerda, centro e direita unidos para defender a lei, a ordem, a política, a ética, as famílias, o voto, a ciência, a verdade, o respeito e a valorização da diversidade, a liberdade de imprensa, a importância da arte, a preservação do meio ambiente e a responsabilidade na economia”. O manifesto não fala da saída do Bolsonaro, não ataca o programa neoliberal do governo, não faz uma citação crítica que seja à operação Lava Jato, que é a mãe do neofascismo, não condena a tutela militar. A questão é os principais políticos signatários desses manifestos defendem as liberdades democráticas para os trabalhadores? A resposta é simples: absolutamente não! Ao contrário, são adversários de que os trabalhadores se organizem de forma independente contra o fechamento do regime burguês ontem e hoje, como podemos citar em vários exemplos e momentos históricos: na greve petroleira de 1995 atacada pelo Exército por ordem de FHC. Esses dois movimentos são consequência da política de colaboração de classes do PT que desde a posse de Bolsonaro procurou “sangrar” o governo até 2022, apoiando indiretamente a pauta das reformas neoliberais. A justificativa da pandemia do coronavírus caiu como uma luva na estratégia de ampliação máxima do espectro político da Frente Popular, que agora já pode ser batizada sem modéstia alguma de Frente Amplíssima. O mais grave, no entanto é que toda a “plataforma sanitária” da esquerda reformista para enfrentar a pandemia é a mesma dos tucanos e do setor técnico/militar do próprio governo federal, um “Fique em casa” confiando que somente a quarentena é o antídoto necessário. A LBI, no sentido inverso do cretinismo parlamentar, vem convocando o movimento operário e popular a romper com o calendário institucional da democracia dos ricos, construindo uma alternativa revolucionária de poder para derrotar cabalmente a brutal ofensiva neofascista em curso na América Latina e no planeta inteiro! Nós Marxistas Leninistas compreendemos a gravidade do momento político, e em oposição ao caminho de derrotas da Frente Amplíssima, lançamos um chamado para a formação de uma Frente Operária e Popular, que assuma como norte político a ação direta das massas, no combate frontal e vitorioso contra ofensiva neoliberal que ameaça suprimir as conquistas históricas dos trabalhadores!
O QUE A ESQUERDA REFORMISTA DIZ PARA UM MILHÃO DE MANIFESTANTES EM TODO OS EUA? “VOLTEM PARA CASA! FIQUE EM CASA E RESPEITE A POLÍTICA DO ISOLAMENTO SOCIAL!”


As mobilizações de massas irromperam a cena política dos Estados Unidos, em todas as grandes cidades dezenas de milhares protestam contra o assassinato covarde do negro George Floyd, pelas mãos da polícia racista de Minneapolis. Desde os multitudinários protestos contra a guerra do Vietnã, no final dos anos 60, não se via no coração do monstro imperialista, marchas, atos e mobilizações em geral tão gigantescas. Este “Maio Americano”, ainda em pleno curso adentrando junho, ficará marcado na história política dos EUA, como algo ainda mais significativo do que a própria pandemia do coronavírus, que esvaziou as cidades gerando mais de cem mil pessoas mortas, principalmente e não por coincidência negros, pobres e moradores de rua do país mais rico do mundo. Esta avalanche de manifestantes, que estão enfrentando corajosamente a repressão das polícias locais, a Guarda Nacional (Exército) e o governo reacionário de Trump, que os acusa de “terroristas”, não contaram com o chamado para a ação de nenhuma corrente da esquerda reformista. Os atos de protestos foram sendo convocados espontaneamente por redes sociais, ou emergiram mesmo da revolta latente das massas com toda a situação de crise capitalista dos EUA, combinam a fúria nacional com uma polícia racista e a crise econômica, agravada com a pandemia, onde o governo central só “resgatou” grandes corporações, deixando a população mais vulnerável sem saúde, emprego e o mínimo de proteção social por parte do Estado Burguês. O repugnante assassinato de Floyd foi apenas a centelha que provocou o enorme “incêndio nacional”, trazendo a superfície política a enorme crise na base do regime imperialista.Entretanto neste grave momento que atravessamos, unindo a maior crise sanitária e econômica que o planeta já passou, aferir qual é a plataforma política da esquerda reformista, absolutamente hegemônica no campo do movimento de massas. A pergunta bem direta que todo militante classista deve fazer não pode ser outra.Como se postou o conjunto da esquerda reformista (Social Democratas, nacionalistas, revisionistas do Trotskismo, stalinistas, etc..) diante da irrupção das massas nos EUA? A resposta é quase tão chocante quanto o brutal assassinato de Floyd, a esquerda reformista simplesmente não moveu uma “única palha” no sentido de engrossar o chamado para as mobilizações antirracistas, aferrou-se vergonhosamente a política da burguesia imperialista “progressista” (OMS), com o mote do “Fique em casa” e “Respeite o isolamento (controle) social. Esta conduta de introjetar covardia política e histeria do medo no proletariado, resultou no desgraçado comunicado político da esquerda reformista para o povo negro, juventude e proletariado em luta na ação direta das ruas: “Voltem para casa, estamos em quarentena por conta da pandemia!”. E para fechar com “chave de ouro” o cretino programa da inação e desmobilização das massas, obviamente os reformistas enviaram seus “Youtubers” para filmarem e divulgarem os protestos em suas páginas na internet...

domingo, 31 de maio de 2020


CONTRA O FASCISMO: MANIFESTANTES TOMAM A AVENIDA PAULISTA... É HORA DE RETOMAR AS LUTAS PARA DERROTAR NAS RUAS BOLSONARO E SUAS HORDAS REACIONÁRIAS! 


Manifestantes e membros de torcidas organizadas estão na Avenida Paulista em protesto contra o racismo, o fascismo e o governo Bolsonaro. Convocado por coletivos antifascistas o ato deste domingo reuniu integrantes de diversos movimentos, inclusive criticando a política de paralisia do PT, PCdoB e PSOL “Se os partidos não vem pra rua, o Corinthians, o povo, virá”, disse um dos manifestantes no vão do Masp. Até havia a expectativa que bolsonaristas se reunissem no local novamente, mas as centenas de antifascistas presentes impediu que os apoiadores do presidente aparecessem. No início do mês, corintianos acabaram com um ato de apoiadores de Bolsonaro na avenida Paulista, inclusive com confronto físico.“Hoje é o primeiro e vai se espalhar pelo Brasil” declarou um maniestante. Desde a LBI nos somamos a esse chamado e defendemos a organização de comitês de autodefesa dos trabalhadores que tenha como eixo político combater pela via direta a ofensiva reacionária em curso. Nesse sentido, temos que superar politicamente a defesa de dóceis palavras de ordem como “Renúncia”, “Constituinte”, “Democracia” ou mesmo “Eleições gerais”, ou seja, a “luta” por encontrar uma saída pacífica e ordeira para a crise do regime político nos marcos da institucionalidade burguesa. Tanto que em geral não há na esquerda brasileira, que encontra-se completamente acovardada e inativa, inclusive entre os grupos que se reivindicam trotskistas, uma linha sequer em defesa do Armamento Popular, Comitês de Autodefesa, Milícias Operárias!!! Essa tarefa, segundo esses senhores, não estaria colocada para agora, nesse momento devemos ser “realistas” defendendo fórmulas concretas para resgatar a democracia burguesa totalmente desacreditada aos olhos dos trabalhadores! Convocar a formação desses instrumentos de auto-defesa armada, como propõe a LBI, seria para esses senhores uma “provocação” em tempos de Pandemia. Este é o caminho, a mobilização direta nas ruas para derrotar Bolsonaro, o fascismo, o racismo!
MULTIDÕES DE MANIFESTANTES LUTAM NAS RUAS DOS EUA CONTRA O RACISMO IMPERIALISTA: ISOLAMENTO SOCIAL E QUARENTENA “FORAM PARA O ESPAÇO” DIANTE DA FÚRIA DAS MASSAS!


A Frente política de contenção das massas, que une desde a OMS até o conjunto da esquerda reformista no mundo inteiro, sofreram na tarde/noite deste sábado (30/05) uma duríssima derrota! Multidões de muitos milhares de manifestantes tomaram as ruas das principais cidades norte-americanas para protestar contra a polícia racista e assassina do imperialismo ianque. Cidades como Nova York, Los Angeles, San Francisco, Washington, Atlanta, Michigan, Chicago , etc..que até uma semana atrás estavam praticamente vazias por conta do receio da pandemia do coronavírus, fervilharam de gente em protestos “ativos e passivos”, para exigir justiça diante do enforcamento do negro George Floyd, em pleno século XXI. Como nas antigas fazendas de algodão, pertencentes aos senhores de terra da oligarquia branca, onde escravos eram enforcados caso não cumprissem as metas de colheita, Floyd foi enforcado pelos “senhores brancos fardados” do moderno Estado Burguês. Trump colheu uma derrota social acachapante nesta noite, levando-o ao desespero de convocar o Exército para intervir em “cidades autônomas”, como “reza”
a secular constituição norte-americana. Ainda é muito cedo para tecer prognósticos sobre toda a dinâmica desta imensa crise que abala os alicerces do regime político imperialista, porém já podemos afirmar que neste “primeiro round” da retomada da radicalização da luta de classes, não só a extrema direita ianque saiu derrotada. Os reformistas de todos os matizes, incluindo os Democratas como o prefeito de N.York, Bill de Blasio, que convocou sua polícia municipal para reprimir manifestantes com o lema de “fiquem em casa”, também saíram desmoralizados no mundo todo, com sua plataforma de covardia espalhando a histeria do medo entre as massas. Mobilizações multitudinárias de negros, jovens e trabalhadores de todas as etnias e regiões do país, simplesmente “mandaram para o espaço” a política do isolamento social e “quarentena do pânico”, imposta desde a OMS de Gates e dos “cientistas da Bigpharma”. Os EUA que já contabilizam oficialmente mais de 100mil mortes pela Covid e diariamente tem um índice médio de 10mil contaminados até o dia de hoje, será um laboratório vivo e real, e não simplesmente uma projeção de estatística a partir de uma suposição aleatória, sobre o “comportamento” do coronavírus em ambientes de multidões, onde a maioria dos manifestantes utilizou as máscaras, mas que obviamente não se estabeleceu a distância de dois metros de espaçamento nos atos e marchas de protesto. No Brasil a extrema direita encontra total liberdade de ação para suas concentrações, inflando o neofascista Bolsonaro para seus “arrotos golpistas”, enquanto que a esquerda reformista (PT, PSOL e PCdoB) está se “cagando” de medo deitada na cama e assinando “notas em defesa das instituições”. Bolsonaro nunca sonhou que seus adversários da Frente Popular seriam tão “cagões”, porém no Brasil a puteza das massas é latente, e como nos EUA só precisam de um canal para sua expressão de revolta ganhar as ruas. Ainda bem que nos EUA não existe um PT e um Lula para conterem a ação direta do proletariado. Convocamos toda o ativismo classista e a vanguarda combativa da esquerda revolucionária a realizarmos um grande ato nacional de solidariedade ao povo oprimido norte-americano, em frente à embaixada dos EUA em Brasília e também nos consulados do Rio e São Paulo. Vitória para o proletariado norte-americano!

sábado, 30 de maio de 2020

“AS FORÇAS ARMADAS DOS EUA ESTÃO PRONTAS”: TRUMP AMEAÇA COM UM GOLPE MILITAR, ENQUANTO AUMENTAM OS PROTESTOS PELO COVARDE ASSASSINATO DE GEORGE FLOYD


O ultra reacionário presidente Donald Trump, neste sábado (30/05) declarou à mídia dos EUA que o “Exército poderia se deslocar a Minneapolis e muitas outras cidades do país, muito rapidamente” para reprimir aos violentos protestos e manifestações civis que irromperam como resultado do covarde assassinato do cidadão afro-americano George Floyd nas mãos da polícia do estado de Minnessota. O neofascista vociferou sua ódio de classe: "Há muitas pessoas más na esquerda radical, e você precisa ensiná-las que elas não podem fazer isso", referindo-se aos manifestantes que tomam conta do país. Trump que no início da pandemia já tinha colocado em alertas tropas federais em Washington, temendo uma rebelião provocada pela crise econômica, agora se viu acossado por gigantescas mobilizações políticas contra o “DNA” racista do imperialismo ianque. Ameaçado pelo próprio establishment financeiro norte-americano, que flerta abertamente com a candidatura do Democrata Joe Biden, Trump insinuou que poderá ir além da selvagem repressão policial dos estados, convocando os militares para uma jornada golpista contra a esquerda: "Podemos levar nossos militares para lá muito rapidamente. Eles precisam ser fortes. Eles precisam ser fortes. Eles devem ser respeitados. Porque essas pessoas, essa Antifa (abreviação do movimento político antifascista), existem muitas pessoas de esquerda radical”, afirmou o tresloucado direitista. As ameaças de Trump visam granjear o apoio político da polícia e das forças armadas, com base em apelos fascistas e anticomunistas, a caracterização dos manifestantes como "bandidos" contrasta abertamente com os elogios as turbas de extrema-direita que realizaram marchas fortemente armados nas capitais, nas últimas semanas, exigindo o fim das medidas sanitárias no marco da pandemia. Os fascistas foram encorajados pelos apelos de Trump para "libertar Minnesota", entre outros estados, em um claro sinal para a convocação da ruptura da ordem institucional norte-americana. Para quem conhece os arroubos reacionários do neofascista Bolsonaro no Brasil, irá compreender que não se trata de mera coincidência...A erupção de manifestações em massa de trabalhadores e jovens de todas as raças e em todo o país desencadeada pelo assassinato brutal de Floyd, deu expressão política a uma revolta social latente do proletariado e que agora teve seu “canal de explosão”. As lideranças do Partido Democrata, condenaram a morte de Floyd ao mesmo tempo em que rechaçam a “violência dos protestos”, chamando os trabalhadores a descarregarem sua raiva somente nas eleições presidenciais de novembro, votando em Joe Biden. Os Marxistas Leninistas devem estar preparados programaticamente para apresentar uma alternativa operária e revolucionária no curso da rebelião das massas oprimidas, no coração do monstro imperialista.
COLETES NEGROS NA FRANÇA: UM CHAMADO A MOBILIZAÇÃO MUNDIAL DE TODOS OS IMIGRANTES “SEM PAPEL”


De Saint-Denis, La Chapelle, Aubervilliers, das profundezas do movimento operário francês, veio um grito de raiva dos migrantes sem documentos: “Não temos mais medo da polícia e da morte, o que temos medo é da  humilhação".  É por isso que aqueles que trabalham na França há pouco tempo com ou sem documentos, sem direitos, sem a possibilidade de ter uma vida decente, se organizaram. Ganharam as ruas de Paris em plena quarentena sanitária para os que podem “ficar em casa”. São os “Coletes Negros”, uma manifestação legítima dos setores mais oprimidos e explorados pelo imperialismo francês. Eles, que vêm do Afeganistão, Oriente Médio, continente africano e viajaram quilômetros, deixando a família para trás, em busca de um emprego que lhes permita alimentar os filhos. Sua luta não é apenas pelos papéis, mas "... contra o sistema que fabrica os sem papéis.  Lutamos por uma vida com dignidade ”. A luta desses Coletes Negros, que representam um contra ponto político de classe aos reacionários “Coletes Amarelos”, sintetiza toda a raiva, como eles costumam dizer, contra o regime da democracia dos ricos, sendo a mesma de todos os migrantes do mundo que lutam dia a dia para sobreviver.  Muitos estão trancados em campos de refugiados como em Moria, na Grécia, muitos outros em campos como no Líbano e Turquia, outras centenas de milhares mais tentando atravessar o México para chegar aos EUA ou em barcos tentando atravessar o Mar Mediterrâneo. Sua luta deve ser tomada pelas mãos da classe trabalhadora mundial, que está ganhando as ruas no Chile , que está lutando contra a General Motors em Matamoros, pedindo uma greve geral, que está saindo dos campos de refugiados para exigir condições de vida decentes. Estão na contra mão dos capitalistas franceses que pretendem fazer funcionar as fábricas sem nenhuma medida de segurança diante da pandemia do coronavírus. É a mesma luta pela liberdade dos presos políticos bascos que organizam uma luta internacional pela liberdade no Estado espanhol, onde os migrantes conseguiram fechar vários CIEs (Centro de Internamento para Estrangeiros). Qualquer trabalhador migrante no mundo inteiro se sentirá identificado com o chamado dos Coletes Negros a desencadear mobilizações por direitos, pois sabem que, como resultado da colonização e saques dos países imperialistas, eles tiveram que deixar seu país de origem, devastado pela fome ou pela guerra.  Os Coletes Negros diante disso tudo afirmam: "Denunciamos o colonialismo, guerras e saques econômicos realizados pela França e outras potências invasoras regionais ou mundiais em todas as ocasiões”. Seu programa é um chamado para unificar e mobilizar todos os migrantes no mundo em plena crise econômica capitalista e a pandemia sanitária do coronavírus que pretende impor um controle social ainda mais draconiano aos povos oprimidos.

sexta-feira, 29 de maio de 2020

MAIS UM FIASCO DO PENTÁGONO: IMPERIALISMO IANQUE A UM PASSO DE SOFRER UMA DERROTA HUMILHANTE NO AFEGANISTÃO


O “conceituado” jornal conservador New York Times publicou um artigo sobre a Guerra do Afeganistão para tentar explicar por que o Taliban está vencendo a guerra de ocupação imperialista dos EUA. É uma tentativa notável e inútil de ignorar os fatos. Após os ataques da Al Qaeda às Torres Gêmeas em 2001, segundo o periódico, o Taliban criou uma rede descentralizada de combatentes e comandos no terreno onde operava, com poderes para recrutar e encontrar recursos em nível local, enquanto líderes seguiam refugiados no Paquistão. Não aconteceu exatamente assim! Entre o final de 2001 e 2007, não houve talibãs. O movimento se dissolveu após a invasão ianque do país, porque eles nem podiam sonhar que um dia poderiam empurrar o exército imperialista para trás, derrotando a maior máquina de guerra do planeta.
OS REVOLUCIONÁRIOS NÃO DEFENDEM A “LIVRE EXPRESSÃO” DO FASCISMO: LUTEMOS PARA QUE BOLSONARO E SEU HORDA REACIONÁRIA SEJA ESMAGADA PELO MOVIMENTO OPERÁRIO! NENHUMA ILUSÃO NO STF E NA JUSTIÇA BURGUESA!


A fala do verme fascista Bolsonaro na reunião ministerial do dia 22 de abril e as manifestações reacionários de seus apoiadores em Brasília a partir do acampamento da milícia protofascista dos “300” e dos blogueiros alinhados com essas hordas vem provocando ampla indignação entre a vanguarda e setores democráticos pelo seu caráter reacionário. O canalha expressa posições dos setores mais direitistas da classe dominante e por vários vezes ataca a esquerda e as liberdades democráticas dos trabalhadores, porém reclamou da operação ordenada pelo STF que ordenou, via a operação da PF, a busca e apreensão de documentos, celulares e computadores de seus apoiadores nas mídias sociais. Os Marxistas Revolucionários rechaçam o crime de “delito de opinião” no marco do Estado burguês, ou seja, somos totalmente contrários a censura a qualquer pessoa por expressar suas opiniões ou pensamento no âmbito de um regime político burguês. Portanto não defendemos que blogs sejam censurados pela Justiça porque essa perseguição arbitrária que se volta hoje pontualmente contra eles tem como alvo principal a esquerda revolucionária e os lutadores sociais. É importante ressaltar que na sentença judicial do STF emanada por Alexandre de Moraes, os apoiadores de Bolsonaro não foram censurados, “silenciados” ou muito menos presos, tanto que os canalhas continuam falando suas diatribes reacionárias livremente nas redes sociais e blogs. Ao mesmo tempo, de forma alguma, defendemos esses reacionários frente à decisão da justiça burguesa. Os Marxistas não defenderão nenhum bolsonarista diante da Justiça burguesa e, tampouco, o Bonapartismo Judiciário, alertamos que as manobras de espetáculos jurídico-policiais são uma expressão do regime bonapartista de exceção que vigora no país, após o golpe parlamentar que derrubou o governo do PT. É mais que correto denunciar o judiciário como um órgão da classe dominante voltado a cassar as liberdades democráticas dos trabalhadores (que não é o caso dos bolsonaristas), porém em alto e bom som é fundamental também deixar claro que os revolucionários não defendem esses vermes reacionários diante da decisão judicial do STF. A vanguarda combativa do proletariado não pode depositar nenhuma ilusão na justiça burguesa que traficam sentenças seguindo as ordens da Casa Branca em Washington, tampouco podem defender reacionários fascistas. Os genuínos Trotskistas não defendem a “livre expressão” do fascismo! Ao contrário, intervém nos protestos e manifestações para apresentar uma plataforma revolucionária que una a luta pelas liberdades democráticas do povo trabalhador no sistema capitalista ao combate para derrotar a burguesia e seu regime senil de conjunto, demonstrando que as posições reacionárias e preconceituosas dos partidos burgueses são as expressões mais cruentas de seu desejo de “eliminar” os trabalhadores por meio da fome, miséria, do desemprego e da exploração capitalista! Para os Marxistas Revolucionários é necessário ir muito além do rechaço democrático a Bolsonaro, que é um símbolo político de todo o campo da extrema-direita em nosso país. Bolsonaro representa um segmento fascista “bem vivo”, não só Planalto mas também no interior do aparelho repressivo (FFAA e PM's) do Estado Burguês. Muitos na esquerda, como o PT e o PSOL, apoiaram acriticamente as ações do STF e a operação desencadeada pela PF a pedido da Suprema Corte para supostamente combater as “Fake News” disseminadas pelo chamado “Gabinete do ódio” bolsonarista. Seria inócuo se não fosse profundamente equivocado politicamente semear ilusões no Judiciário burguês para que ele leva a cabo uma tarefa que é do movimento operário. A tradição programática da Esquerda Revolucionária passa bem longe desta panaceia inútil, considerando que fascistas devem receber outro “tratamento” por parte do movimento operário organizado. Como nos ensinou o grande mestre Trotsky: “Com fascistas não poderá haver relação alguma democrática, devemos enfrentá-los com metralhadoras e porretes”. Os Leninistas nunca foram defensores da democracia como um valor universal e muito menos reféns da legalidade burguesa, ainda mais quando se trata do combate de classe contra os bandos fascistas em plena atividade. Calemos Bolsonaro e sua horda fascista pela força da ação organizada da classe trabalhadora sem depositar nenhuma ilusão na justiça burguesa, na PF e em seu Estado repressor!
COMBATE A ESCALADA RACISTA E AO FASCISMO: MANIFESTANTES TOCAM FOGO EM DELEGACIA E SEGUEM PROTESTOS NOS EUA PARA VINGAR A MORTE DE GEORGE FLOYD!


A cidade norte-americana de Minneapolis enfrentou na quinta-feira (28) a terceira noite consecutiva de protestos pela morte do segurança negro George Floyd, que foi asfixiado por um policial branco durante uma abordagem. A luta segue em curso hoje em todos os EUA, com protestos também contra a prisão de jornalistas e ativistas. Os manifestantes ocuparam uma delegacia e incendiaram o prédio e viaturas. Um jornalista negro foi preso enquanto cobria as manifestações para a rede norte-americana CNN. A revolta começou na segunda-feira (25) após a divulgação de um vídeo que mostra a abordagem policial ocorrida do lado de fora de um supermercado da cidade, que fica no estado de Minnesota. O policial se ajoelhou no pescoço de Floyd por quase oito minutos, enquanto ele se queixava de que não conseguia respirar. Na noite desta quinta, policiais rascistas e fascistas tentaram conter os manifestantes com balas de borracha. Os bombeiros informaram que foram chamados para apagar incêndios em 16 locais diferentes entre quarta e quinta-feira (28). O governador Minnesota, Tim Walz, pediu a intervenção da Guarda Nacional. O fascistoide Trump declarou em rede social que enviará as tropas para o estado e que assumirá o controle caso haja "qualquer dificuldade". Na quinta-feira, a morte de George Floyd motivou protestos em outras cidade como Nova York apesar das medidas de distanciamento social colocadas em prática por causa da pandemia de Covid-19. Os manifestantes se reuniram na Union Square, em Manhattan, repetiram a frase "não consigo respirar", dita por Floyd e repetida em 2014 por Eric Garner, morto em operação policial semelhante. A morte de George Floyd, que trabalhava como segurança de um restaurante, é a mais recente de uma longa série de assassinatos de negros pela polícia nos Estados Unidos. Os três dias de protesto em Minneapolis e a nível nacional protagonizados por trabalhadores e jovens de todas as origens deve está voltado a unir os explorados para derrotar o terrível terror policial que resultou na morte de Floyd. A vereda política para galvanizar todos os explorados e oprimidos pelo capitalismo imperialista nos EUA, é o da revolução socialista! Desde a LBI deixamos claro que toda nossa solidariedade está incondicionalmente com o movimento que resiste a repressão estatal e ao genocídio dos trabalhadores e jovens plebeus negros. Consideramos a melhor forma de combater a ofensiva assassina da nova KKK e dos bandos fascistas apoiados pela polícia ou a violência desferida diretamente pelo aparato estatal comandado por Trump é a formação de milícias de auto-defesa unindo trabalhadores negros e brancos contra a exploração e o racismo. Nesse sentido, para derrotar a ofensiva assassina do Estado capitalista e a bárbara ação policial deve-se construir milícias de autodefesa do povo pobre e dos trabalhadores, convocando uma paralisação geral nas principais cidades dos EUA! Os lutadores que estão nas ruas nos EUA não podem ter nenhuma ilusão na justiça capitalista e em seu Estado, são instrumentos de classe da burguesia contra os trabalhadores, como mostra a decisão de inocentar os policiais assassinos! Devem combater pela liquidação do imperialismo ianque unindo o povo pobre, negro com o conjunto da classe trabalhadora explorada contra o regime de opressão e espoliação capitalista mais forte do planeta!

quinta-feira, 28 de maio de 2020

“ACABOU PORRA”: BOLSONARO CLAMA PELA RUPTURA ENQUANTO LULA E A ESQUERDA REFORMISTA CHAMAM OS “SUPER HERÓIS” CELSO DE MELLO , ALEXANDRE DE MORAES E RODRIGO MAIA PARA DEFENDEREM ESTA DEMOCRACIA GOLPISTA


O presidente Jair Bolsonaro dobrou o nível de suas bravatas, ameaçando uma desobediência de seu governo as últimas deliberações que vem partindo do STF contra sua anturragem política. Na parte desta manhã (28/05) no cercadinho do Palácio do Alvorada, Bolsonaro afirmou em tom ameaçador que “ordens absurdas não se cumprem”, referindo-se à operação da PF na véspera que cumpriu medidas de busca e apreensão em endereços de membros das turbas fascistas que atacaram Ministros da Corte Suprema. Bastou mais este “blefe” do neofascista, quase que uma prática diária no cercadinho do Planalto, para que o mundo ficcional dos “democratas” voltasse a alardear um novo “golpe iminente”, desta vez voltado contra os dois Ministros do STF, Celso de Mello e Alexandre de Moraes, ou no máximo contra a Corte em sua totalidade. A história da luta de classes nacional é prenhe em tentativas de golpes no Brasil, uns bem sucedidos outros fracassaram completamente. O mais recente golpe vivido no país foi contra um governo de Frente Popular em seu quarto mandato consecutivo, desgastado ao limite após implementar uma agressiva agenda neoliberal. Este último que teve características de um golpe institucional, evocando dispositivos da própria constituição como o impeachment, ainda está em pleno curso com a vigência deste governo golpista. Neste largo histórico de golpes tupiniquins, também não faltaram tentativas de “golpes dentro de golpes”, como se delineia a possibilidade colocada na conjuntura nacional. Poderíamos citar o “AI-5” em 68, um golpe institucional bem sucedido no recrudescimento do próprio regime militar.
DIA INTERNACIONAL DE LUTA PELA SAÚDE DA MULHER TRABALHADORA: COMBATER O CORONAVÍRUS E O CAPITALISMO! PELA ESTATIZAÇÃO DE TODA REDE MÉDICO-HOSPITALAR PARA ATENDIMENTO CLÍNICO UNIVERSAL!


Hoje celebramos o dia internacional de luta pela saúde da mulher trabalhadora em meio a Pandemia do Coronavírus. Muitas mulheres trabalhadoras adoecem e o sistema de saúde pública não tem a menor capacidade de tratar todos os pacientes simultaneamente, seja aqui no Brasil semincolonial onde não há sequer saneamento básico e água potável para a população ou nas “metrópoles” capitalistas que tem a maioria dos serviços sociais restritos. Até agora a OMS só promete uma futura vacina em alguns anos e o “isolamento social” é o único tratamento clínico receitado para milhões de infectados no mundo inteiro. Nenhuma cobrança por hospitais de qualidade, nenhuma cobrança por diagnósticos precisos com equipamentos adequados para o diagnóstico (tomografias), nenhuma cobrança por atendimento clínico universal, e por fim nenhuma pesquisa científica para a utilização de medicamentos para o tratamento de milhões de pessoas que já estão acometidas com o vírus. Por sua vez, entre os trabalhadores do SUS, cuja maioria são mulheres o clima também é de inquietação, insalubridade e precarização. O aumento do numero de casos de Covid-19 tem levando ao colapso do sistema de saúde brasileiro e expondo as condições precárias de atendimento e de trabalho que os trabalhadores da saúde. O SUS somado aos hospitais privados não tem condições físicas e de recursos humanos para atender todas as pessoas infectadas. Estamos vivendo um surto sanitário e epidemiológico o qual nenhum Estado capitalista (central ou periférico) está à altura da resolução minimamente digna para a humanidade devido ao colapso do sistema público de saúde. Somente a luta direta dos trabalhadores pode impor que se destine recursos estatais somente para a rede pública de saúde, estatizando os “shoppings” hospitais e fechando imediatamente as empresas de “planos e seguros” de saúde privada. Esse padrão de medicina é diametralmente oposto ao praticado nos países capitalistas fundado no modelo que visa não evitar, mas “curar” (ou mesmo prolongar) doenças a partir de utilização medicamentos, beneficiando assim a poderosíssima transnacional indústria dos laboratórios farmacêuticos. Somente com o fim da saúde privada, dos planos de saúde pagos e com a completa estatização de todo o setor (clínicas, laboratórios, hospitais e indústria farmacêutica) sob o controle dos organismos de poder dos trabalhadores, associada a uma nova concepção de medicina preventiva e humanizada pode atender as demandas da população explorada, contribuindo por uma vida com bem-estar físico e mental, condições impossíveis de serem alcançados pelo capitalismo doente e senil que arrasta a humanidade para a barbárie! Os Marxistas Leninistas levantam diante da grave crise mundial uma plataforma concreta de ação política para a mobilização do proletariado internacional, este programa não poderia ser outro a não ser o genuíno Programa de Transição Trotskista, única ferramenta revolucionária das massas para derrotar a sinistra pandemia do Coronavírus, o que passa pela  estatização de todo o setor de saúde e alocamento massivo de verbas públicas para os hospitais sem qualquer restrição orçamentária e de tetos. Construção imediata e emergencial de mil novas unidades médicas de atendimento em cada país. Fabricação de ventiladores pulmonares sob um regime de expropriação de indústrias do setor ou similares. Em resumo, faz-se necessário a planificação da economia a fim de colocar toda a produção industrial do país sob o controle da classe operária no curso da luta pelo  poder estatal para o proletariado através da Revolução Socialista!
“03” ATACA MINISTROS DO STF E PREGA “RUPTURA”: MAIS UM ARROUBO DEFENSIVO DO BOLSONARISMO APROVEITANDO-SE DA IMPOTÊNCIA DAS INSTITUIÇÕES BURGUESAS E DA PARALISIA DO MOVIMENTO DE MASSAS


O neofascista “03” Eduardo Bolsonaro, filho mais novo do presidente, cogitou nesta quarta-feira (27.05) a necessidade de adoção de “medida enérgica” pelo pai. O deputado falou ainda em “momento de ruptura” e disse que a questão não é de “se”, mas, sim, de “quando” isto vai ocorrer. O “fascistinha” se referia à operação da Polícia Federal desta quarta-feira, autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que executou mandados de busca e apreensão em endereços de aliados do presidente e à divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, autorizada pelo ministro Celso de Mello. “Essa postura, eu até entendo quem tem uma postura mais moderada, vamos dizer, para não tentar chegar ao momento de ruptura, um momento de cisão ainda maior, um conflito ainda maior. Eu entendo essas pessoas que querem evitar esse momento de caos. Mas falando bem abertamente, opinião do Eduardo Bolsonaro, não é mais uma opinião de 'se', mas de 'quando' isso vai ocorrer", afirmou. O arroubo defensivo do Bolsonarismo ocorre justamente diante da impotência das instituições burguesas e porque há uma completa paralisia do movimento de massas imposto pela CUT e o PT, tanto que “03” acende o sinal de alerta para as hordas neonzistas: “Quem que é o ditador nessa história? Vale lembrar que, antes do Bolsonaro assumir, falavam que ocorreriam tempos sombrios, perseguição a negros, a pobres, a gays, às mulheres, etc. Pergunta que eu faço: quantas imprensas fecharam no Brasil devido a ordem do presidente? Zero. Quantos presos políticos existem no Brasil? Zero. E a gente está vendo aqui uma iniciativa atrás da outra para esgarçar essa relação. E, depois, não se enganem: quando chegar ao ponto em que o presidente não tiver mais saída e for necessária uma medida enérgica, ele é que será taxado como ditador”. Na entrevista, o deputado disse que os dois ministros do STF conseguiram a “proeza” de fazer com que apoiadores de Bolsonaro passem a se manifestar aos domingos não mais diante do Palácio do Planalto, em apoio ao presidente, mas na frente do tribunal, em protesto. “Os ministros Alexandre de Moraes e o Celso de Mello conseguiram a proeza de fazer com que a manifestação, que até então ocorreu em seis fins de semana consecutivos em Brasília, e o pessoal vai lá na frente do Palácio do Planalto saudar o presidente da República, agora o pessoal vai se voltar para o outro lado da praça dos Três Poderes para voltar as suas críticas ao STF”, declarou o playboy direitista. A esquerda reformista burguesa, que carrega o DNA político da covardia e inação frente ao fascismo, está se “borrando” de medo diante dos arroubos de “03” e do clã bolsonaris de inspiração golpista. Diante da “ousadia” da anturragem bolsonarista, a Frente Popular (PT, PSOL e PCdoB) lança apelos desesperados para que o “trio” Rodrigo Maia, Davi Alcolumbre e Dias Toffoli (Câmara, Senado e STF) venham a “salvar as instituições e a democracia” ameaçadas pela “livre” escalada da extrema direita. A outra trincheira do neofascismo também não deixa dúvidas acerca do seu caráter de uma horda de “arregões”, que “amarelam” a cada chamado a “responsabilidade” por parte do mercado e da própria mídia corporativa que apoia a agressiva agenda neoliberal do governo Bolsonaro-Guedes. O saldo são as “idas e vindas” de Bolsonaro e os conchavos com a própria cúpula do Congresso Nacional... apenas o general “gagá” Heleno e os filhos mimados parecem ser os maiores entusiastas das ameaças de “ruptura” e golpe. Fica evidente que se trata de um balão de ensaio da direita para medir forças e acumular pretensões de um drástico recrudescimento do regime bonapartista.

quarta-feira, 27 de maio de 2020

POLÍCIA IANQUE ASSASSINA: VINGAR A MORTE DE GEORGE FLOYD COM A REVOLUÇÃO SOCIALISTA!


A polícia de Minneapolis, nos EUA, com equipamento anti-motim e métodos de selvageria, disparou gás lacrimogêneo, balas de borracha e sacos de areia contra milhares de manifestantes na última terça-feira (26/05), depois de marcharem do cruzamento da 38th Street com a Chicago Avenue South, exatamente perto do local onde a polícia matou brutalmente o negro George Floyd, na frente de vários espectadores na noite anterior, a sede da “Terceira Delegacia” a vários quarteirões de distância. Milhares de pessoas se reuniram no final da tarde e no início da noite e gritaram "Não consigo respirar!"  exigindo a punição dos quatro policiais que assassinaram Floyd, sufocando-o até a morte em plena luz do dia enquanto ele implorava por sua vida. A manifestação começou com ativistas bloqueando o cruzamento com carros estacionados e outros militantes montando cadeiras na passarela com cartazes de denúncias. Um vídeo aéreo da TV local mostra cenas de pessoas reunidas com placas e faixas caseiras exigindo justiça por Floyd, um trabalhador afro-americano com cerca de 40 anos. Em comunicado oficial sobre o assassinato, cinicamente o Departamento de Polícia de Minneapolis (MPD) escreveu que os policiais foram chamados ao local "em um relatório de uma falsificação em andamento". O comunicado afirmava que o suspeito "parecia estar sob influência" e que "resistia fisicamente aos policiais". O relatório-farsa também disse que o suspeito "parecia estar sofrendo de problemas médicos" e foi transportado de ambulância para o hospital, "onde morreu pouco tempo depois". A rede ABC News confirmou com o proprietário do “Conga Latin Bistro”, Jovanni Thunstrom, que Floyd trabalhou no estabelecimento de Minneapolis como guarda de segurança por mais de cinco anos. "Eu o amava como um irmão", disse Thunstrom, descrevendo Floyd como amado por clientes e funcionários, dizendo que muitas vezes trabalhava horas extras e nunca reclamava. Ele só não estava trabalhando lá no momento de sua morte devido à pandemia do COVID-19. Com as tensões aumentadas pela crise econômica capitalista no coração do imperialismo, acrescida da crise sanitária causada pela gestão desastrosa da pandemia de coronavírus, o assassinato brutal de George Floyd pela polícia ianque, junto com outros incidentes recentes, como o assassinato de Ahmaud Arbery e o subsequente encobrimento de policiais em Brunswick, ameaça provocar grandes revoltas sociais da classe trabalhadora e da juventude negra e oprimida nos EUA. A violência policial do Estado Burguês, onde quer que ocorra, é invariavelmente dirigida contra a classe trabalhadora e os pobres, independentemente de sua etnia. Como foi claramente demonstrado no protesto em Minneapolis na noite de terça-feira, trabalhadores e jovens de todas as origens estão igualmente indignados, unidos e determinados a derrotar o terrível terror policial que resultou na morte de Floyd. A vereda política para galvanizar todos os explorados e oprimidos pelo capitalismo imperialista nos EUA, é o da revolução socialista!
A QUEM INTERESSA DEMONIZAR A CLOROQUINA E QUALQUER OUTRO MEDICAMENTO CONTRA O COVID? 


O Blog da LBI vem travando um árduo e isolado combate para resgatar as melhores “tradições marxistas” do movimento político da esquerda revolucionária no que diz respeito à correta caracterização dos organismos multilaterais do imperialismo, como por exemplo a ONU e suas “Secretarias”. Porém a pandemia do Coronavírus teve um efeito avassalador na conduta programática da esquerda reformista, que rapidamente “esqueceu” o papel jogado pela ONU nos principais eventos da luta de classes, a pandemia do Coronavírus atingiu o “cérebro” dos reformistas que passaram a repetir e seguir cegamente as orientações políticas e sanitárias dos organismos imperialistas, os mesmos que levaram a milhões (senão milhares!) de mortes na África, Ásia e Oriente Médio! Somente uma dessas “orientações científicas” da OMS provocou a esterilização forçada de mais de um milhão de mulheres na África, outro destes “conselhos científicos” causou a morte de 500 mil crianças na Índia. Mas agora com o advento do Covid-19 tudo está “zerado” e a OMS aparece como a “salvadora da humanidade”, com seu receituário vazio do “Fique em casa!” e a aplicação de kit’s de testes duvidosos para fins de estatísticas da pandemia. Até agora a OMS só promete uma futura vacina em alguns anos e o “isolamento social” é o único tratamento clínico receitado para milhões de infectados no mundo inteiro. Nenhuma cobrança por hospitais de qualidade, nenhuma cobrança por diagnósticos precisos com equipamentos adequados para o diagnóstico (tomografias), nenhuma cobrança por atendimento clínico universal, e por fim nenhuma pesquisa científica para a utilização de medicamentos para o tratamento de milhões de pessoas que já estão acometidas com o vírus. Até agora a OMS só tem interesse em financiar fartamente plataformas de projeções estatísticas sobre a pandemia, que partem muitas vezes de abstrações numéricas e virtuais de computadores e nunca de laboratórios aferindo dados científicos concretos da medicina, química ou biologia em seres humanos de carne e osso. O resultado não poderia ser outro, a OMS criou o seu mundo ficcional de modelos estatísticos do “Fique em Casa!”, passando a desconhecer o mundo real da medicina e do que acontece nos hospitais do mundo inteiro! Parece ter um interesse mórbido do prolongamento ao extremo do confinamento social, para impor novos padrões de controle social sobre os povos. Nesta posição negacionista de qualquer tratamento clínico para amenizar os níveis da pandemia, para além da “roleta russa” da sorte (que só fornece a opção de torcer para sua Covid ser fraca), a OMS entrou no combate sem tréguas ao primeiro medicamento utilizado contra o vírus, uma adaptação de um fármaco originalmente receitado contra a malária e artrose, a cloroquina. Bastou que governos da extrema direita anunciarem que iriam tratar seus cidadãos com cloroquina para a OMS “deitar e rolar” no “exorcismo” ao medicamento. O curioso é que no mundo inteiro, sob governos de esquerda, centro e direita, foi a cloroquina o primeiro “soldado” contra o Coronavírus, obtendo vitórias na faixa de 70 % de recuperação de doentes. Mas bastou a OMS marcar o “sinal do diabo” na cloroquina, um medicamento com mais de 50 anos de uso com índices muito baixos de danos colaterais, para que toda a esquerda reformista embarcasse na canoa da Bigpharm que não tem interesse comercial no produto e que “geraria milhões de mortos por falência cardíaca”... A vida real nos hospitais e postos de saúde do planeta apontam em direção oposta à ficção da OMS, são os medicamentos “alternativos” (cloroquina, azitromicina, etc..) que estão sendo aplicados aos milhões de pacientes infectados e com um resultado clínico acima de 50% de eficácia. Mas qual seria mesmo o interesse da ONU/OMS em estender a histeria do medo nas populações, que ficaram sem “nenhum remédio e remediados estão à espera passiva pela cura natural”? Não seria a fusão da bigpharma com o capital financeiro os reais beneficiados desta “quarentena global”? O testemunho vivo deste cientista marroquino comprova nossas afirmações sobre o papel jogado pela OMS nesta pandemia.
---------------------------------------------------------------------------

Prof. Jaâfar Heikel, 
Epidemiologista e infectiologista marroquino
O infectologista marroquino, professor Heikel, revelou cinco limites do ponto de vista metodológico e epistemológico do estudo publicado por The Lancet quanto à eficácia da cloroquina, pondo em xeque suas conclusões contra o medicamento. Ele apresentou os resultados obtidos por ele próprio com este protocolo.

O Prof. Jaâfar Heikel, é diretor-geral de uma clínica que no quadro de um trabalho voluntário cuida dos doentes atingidos pelo Covid-19 em Casablanca, Marrocos, ele reagiu ao estudo publicado por The Lancet quanto à eficácia do protocolo baseado na hidroxicloroquina e na azitromicina. O estudo de The Lancet que integrou os dados de registos informatizados de 96 mil doentes no mundo concluiu pela ineficácia deste protocolo além de efeitos indesejáveis, nomeadamente arritmia cardíaca. Em uma declaração ao sítio Médias 24, o Prof. Heikel mostrou os limites deste estudo e, em consequência, pôs em questão o seu valor científico.
STF MIRA ALIADOS DE BOLSONARO EM OPERAÇÃO SOBRE FAKE NEWS: PT E PSOL APLAUDEM... TRABALHADORES ASSISTEM PASSIVOS CADA LANÇE DA DISPUTA ENTRE OS BANDOS BURGUESES 


O mafioso togado, ministro tucano do STF Alexandre de Moraes, autorizou buscas em 5 estados e no DF e determinou que ao menos 6 deputados federais e 2 estaduais sejam ouvidos nos próximos dias. A Polícia Federal cumpriu na manhã desta quarta-feira (27), mandados de busca e apreensão no inquérito sobre fake news. Trata-se de uma ação preventiva de Moraes, aliado de Dória e do PSDB, contra o clã Bolsonaro, após a ofensiva desatada ontem contra Witzel e que tendia a chegar a outros governadores. Agentes cumprem 29 mandados de busca e apreensão no âmbito do procedimento, presidido por ministro Alexandre de Moraes. As ordens judiciais estão sendo cumpridas no Distrito Federal, em São Paulo, no Rio de Janeiro, no Paraná, em Santa Catarina e no Mato Grosso. O presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, abriu o inquérito em março de 2019, com o objetivo de apurar ofensas e ameaças que "atingem a honorabilidade e a segurança do Supremo Tribunal Federal, de seus membros e familiares". Um dos alvos é o ex-deputado federal Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB e novo aliado do presidente Jair Bolsonaro. Jefferson, que nas últimas semanas tem defendido um golpe armado contra as instituições burguesas. Outro atingido foi o empresário neofascista Luciano Hang, da rede de lojas Havan e grande entusiasta de Bolsonaro. Outros alvos da operação são os bolsonaristas Allan dos Santos (do site Terça Livre), Sara Winter (coordenadora da mílicas dos 300) e o deputado bolsonarista Douglas Garcia (PSL-SP).  Vale lembrar que nesse caso não houve o tradicional sorteio do relator. Toffoli escolheu Moraes para a relatoria, atitude que foi criticada pelo Ministério Público Federal. O inquérito deveria ter sido finalizado em janeiro deste ano, mas foi prorrogado por seis meses. PT e PSOL aplaudem ação do STF. O deputado Paulo Pimenta comemorou a operação jurídico-policial. Por sua vez, Boulos declarou “Roberto Jefferson, Luciano Hang (Véio da Havan), Douglas Garcia e Allan dos Santos foram alvos de operação policial contra Fake News esta manhã. Será que finalmente a milícia digital bolsonarista vai começar a ser desbaratada?” e concluiu saudando... “A operação policial de hoje contra a milícia das Fake News é importante. Mas faltou bater na porta do chefe da quadrilha: Carlos Bolsonaro”. O aplauso do esquerda reformista às “instituições” apresentado-as aliadas para a defesa das liberdades democráticas é absolutamente impotente sem a mobilização das massas para derrotar a ofensiva neofascista. Sem mobilização das massas e com a camisa de força do medo imposta ao proletariado em meio a pandemia por sua política de colaboração de classes, só resta a Frente Popular, encabeçada pelo PT, PCdoB e PSOL, apelar para as “instituições” com toda a impotência histórica que caracteriza estes “poderes da república”. Desgraçadamente, os trabalhadores assistem passivos cada lançe do jogo de poder no seio da classe dominante, onde "ganhe que ganhe"... são os explorados que vão perder!
XI JINPING ELEVA PRONTIDÃO DE COMBATE DO EXÉRCITO CHINÊS: “PREPARAR PARA O PIOR CENÁRIO CONTRA AGRESSORES”


O líder máximo do gigante asiático, antigo Estado Operário chinês em lenta fase de transição ao capitalismo, discursou a uma plenária com seus altos militares , pedindo para implantar novas formas de treinamento e lidar pronta e efetivamente com todo tipo de situações complexas. “Elevar a preparação de combate e pensar nos piores cenários”são as ordens dadas pelo presidente do governo do Partido Comunista, Xi Jinping, ao comando militar do país, pedindo para que eles defendam os interesses nacionais, segundo a agência oficial de notícias “Xinhua”. O dirigente comunista(stalinista) formulou estas exigências durante a reunião plenária de delegações do Exército de Libertação Popular e da Polícia Armada do Povo, que decorreu em Pequim. Xi Jinping afirmou que o Exército deveria buscar novas formas de treinamento e abordar de maneira mais rápida e efetiva todo tipo de situações complexas e agressivas para salvaguardar os interesses da soberania nacional, segurança e desenvolvimento. Entretanto, com a diplomacia que caracteriza o regime chinês, não mencionou um país específico que representasse uma ameaça a sua nação. Anteriormente, Pequim revelou detalhes de seu orçamento nacional. Neste ano, os gastos militares aumentaram em aproximadamente 6,6% com relação ao mesmo período de 2019, segundo a agência Reuters. A declaração do presidente Xi Jinping ocorreu enquanto a China enfrenta crescentes ameaças por parte do imperialismo ianque e europeu sobre a pandemia de coronavírus, que começou na cidade de Wuhan, província de Hubei continental. As acusações de foi o governo chinês responsável pela manipulação e posterior “fuga” do vírus têm partido principalmente da Casa Branca e seus aliados próximos, como o do governo neofascista de Bolsonaro. O presidente Trump já ameaçou inclusive confiscar as enormes reservas cambiais da China, depositadas nos EUA, a título de uma “multa trilionária” por suposta culpa da pandemia. O aumento das tensões políticas e militares entre o imperialismo ianque a Rússia e a China, são produto da disputa da hegemonia global no cenário aberto da “nova normalidade mundial”. Os Marxistas Leninistas não são apoiadores dos regimes chinês e russo, que estão muito longe de representarem legitimamente o socialismo revolucionário de Lenin e Trotsky, entretanto não somos neutros neste conflito de larga envergadura para os destinos da humanidade. Os Bolcheviques devem se colocar na linha de frente no combate desta nova conjuntura do “controle social do medo”, uma imposição das grandes corporações financeiras contando com a “cobertura científica” da OMS. O neofascismo avança no mundo inteiro, sem medo algum de destroçar as conquistas sociais e liberdades democráticas do proletariado. A classe operária deve sim estabelecer uma frente única(mantendo sua independência política)com todas as forças que estejam dispostas a enfrentar concretamente a ofensiva reacionária do imperialismo.

terça-feira, 26 de maio de 2020

APÓS 30 ANOS UM NOVO TESTE NUCLEAR DOS EUA: TENSÃO COM CHINA E RÚSSIA PODERÁ DESEMBOCAR EM UMA GUERRA NÃO SOMENTE “HÍBRIDA”


O governo Trump, apoiado por orientação do Pentágono, levantou a possibilidade de realizar o primeiro teste nuclear desde 1992, quase trinta anos após a demonstração de força com o fim da antiga URSS. Foi um aviso para a Rússia e a China, relata o insuspeito jornal Washington Post, pontuando que o novo teste representa uma ruptura com a estratégia militar que os Estados Unidos vinha seguido nas últimas décadas. A discussão ocorreu em uma reunião na Casa Branca no último 15 de maio e o jornal ianque cita um alto funcionário do governo Trump e dois ex-funcionários como fontes, todos sob condição de anonimato. A mudança na estratégica militar está sob o pretexto de que a Rússia e a China estão conduzindo a crise da pandemia do coronavírus em seu favor, principalmente no campo da tecnologia bélica e também econômica. Até o momento, Washington não forneceu nenhuma evidência ou prova de que a manipulação genética do coronavírus teria partido de laboratórios de segurança militar da China, muito pelo contrário todos os “rastros” da pandemia indicam para o Pentágono e seus locais de “ciência química e bacteriológica”. Segundo o alto funcionário do governo citado pelo Washington Post, demonstrar que os Estados Unidos são capazes de realizar um teste "rapidamente" é uma tática de presão para “negociação favorável”, pois Washington busca um acordo tripartite com a Rússia e a China sobre armas nucleares para manter sua hegemonia no arsenal mundial. Beatrice Fihn, membro da Campanha Internacional para a Abolição de Armas Nucleares (ICAN), o grupo que ganhou o Prêmio Nobel da Paz de 2017, alertou que um teste nuclear dos EUA poderia "mergulhar-nos em uma nova Guerra Fria", mas é exatamente neste sentido que o mundo caminha, em uma conjuntura de extrema crise sanitária e econômica. O imperialismo ianque está tomando decisões para alterar  a política estratégica e militar seguida até agora em relação a Rússia e China, assumindo ameaças que vão desde uma nova guerra mundial, até o confisco das reservas cambiais dos países “adversários”, depositadas no Tesouro norte-americano. A reunião que debateu a retomada dos testes nucleares foi realizada depois que Trump anunciou a retirada dos Estados Unidos do “Tratado de Céus Abertos”, que entrou em vigor em 2002, acusando a Rússia de violá-lo.  O tratado permitia  que os países signatários realizem vôos de observação sobre os territórios de outros estados para verificar movimentos militares, sem que esta ação fosse considerada de “invasão”. Já é o terceiro acordo internacional que Trump decidiu retirar os EUA, após o pacto com o programa nuclear do Irã, que foi revogado em 2018, e o Tratado INF sobre mísseis terrestres de médio alcance, que foi abandonado no ano passado. A nova etapa histórica aberta com a quarentena mundial, como consequência da crise de superprodução capitalista, tendo a pandemia como uma justificativa sanitária, revelará a decadência do imperialismo ianque e suas tentativas guerreiristas de manter a “qualquer preço” sua antiga hegemonia planetária.
NEOFASCISTA BOLSONARO ACIONA PF CONTRA EX-ALIADO “ESTRUME” WITZEL: CLÃ MILICIANO USA DEMAGÓGICO “COMBATE A CORRUPÇÃO” PARA AMEDRONTAR SEUS ADVERSÁRIOS BURGUESES


O neofascista Bolsoraro acionou sua polícia política, a PF, que nesta manhã de terça-feira (26) desatou a “Operação Placebo”, sobre o pretexto de combater desvios em recuros na saúde do Rio de Janeiro para ações na pandemia de Coronavírus. Foram 12 mandados de busca e apreensão, um deles no Palácio Laranjeiras, residência oficial do governador mafioso, o "estrume" Wilson Witzel (PSC). Equipes da PF também foram mobilizadas para a casa onde Witzel morava antes de ser eleito, no Grajaú, e no escritório de advocacia do governador, que é ex-juiz federal. A deputada Carla Zambelli (PSL), aliada de Jair Bolsonaro, disse nesta segunda em uma entrevista à Rádio Gaúcha que a PF “ia investigar irregularidades cometidas por governadores durante a pandemia”. Lembremos que Bolsonaro criticou Witzel, a quem chamou de “estrume” em uma reunião ministerial em 22 de abril. Perguntado sobre a operação nesta terça, cinicamente Bolsonaro respondeu: “Parabéns à Polícia Federal. Fiquei sabendo agora pela mídia. Parabéns à Polícia Federal, tá ok?”. Questionado sobre se Zambelli sabia, emendou: “Pergunta para ela”. Foi uma clara resposta do clã Bolsoanro a anterior ofensiva de Witzel e Dória contra a famiglia miliciana pelos depoimentos do empresário Paulo Marinho (PSDB). Outros alvos da ação desta terça são Gabriell Neves, ex-subsecretário de Saúde de Witzel preso na Operação Mercadores do Caos, e o Iabas (Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde), organização social (OS) contratada pelo governo do RJ para a construção de sete hospitais de campanha no estado. Registre-se que no Caerá houve também a Operação Dispneia desatada pela PF contra a Prefeitura de Fortaleza controlada pela Oligarquia Gomes também sobre desvios de recuros na sáúde. Nestes casos concretos devemos aproveitar as fissuras do confronto inter-burguês para denunciar os bandos burgueses em choque e mobilizar os trabalhadores para reforçar a luta pelas parcas garantias constitucionais existentes e nunca o inverso, ou seja, dar suporte a cavalgada institucional fascista em nome do pseudo “combate a corrupção”. A corrupção não é um fenômeno moral de personagens da política burguesa, é um mecanismo indissociável da lei de acumulação do capital, já descrito por Marx há mais de um século atrás. Qualquer movimentação política no tecido da sociedade capitalista que tenha como eixo central o "combate a corrupção" levará invariavelmente a um caminho de golpes fascistas, assim já demonstrou a história da luta de classes dos últimos cem anos! Não há absolutamente nenhum aspecto progressista nas campanhas contra a corrupção, são o "ovo da serpente" do nazismo e seus correlatos regionais, como vimos agora nas operações da PF no Rio, São Paulo e Ceará. Os genuínos Trotskistas estão na trincheira de classe oposta pelo vértice aos vestais da burguesia, sejam juízes, promotores ou políticos “salvadores da pátria”. Nossa Guerra Revolucionária é para demolir “pedra sobre pedra” o edifício de todas as instituições do Estado burguês, não pretendemos reformar esta podre edificação chamada capitalismo!

segunda-feira, 25 de maio de 2020

TARCÍSIO FREITAS ANUNCIA “PASSAR A BOIADA” NA VENDA DOS AEROPORTOS: MINISTÉRIO DA INFRAESTRUTURA VAI FACILITAR A ENTREGA AO CAPITAL FINANCEIRO


O Ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, anunciou nesta segunda-feira (25/05) otimismo com os próximos leilões de aeroportos, mesmo diante da pandemia do coronavírus, que afeta bruscamente a aviação civil. "Nós vamos arrebentar na venda de aeroportos", afirmou o Ministro de Bolsonaro durante live para investidores promovida pelo banco Santander. Segundo o estafeta Tarcísio o governo conseguirá transferir à iniciativa privada todos os aeroportos que estão na pauta do ministério. A Pasta da Infraestrutura pretende leiloar todos os terminais que ainda estão sob responsabilidade da Infraero. Nesta segunda, o ministro citou 43 aeroportos. Freitas também confirmou que o governo não vai mais exigir do operador aeroportuário a participação no capital social da concessionária para as próximas transferências. Isso, para o serviçal de Bolsonaro é outro fator “atrativo” dos próximos leilões. Como afirmou o colega de Tarcísio, o Ministro Ricardo Salles, a intenção dos neoliberais do Planalto é “passar a boiada” em plena pandemia do coronavírus, que já vitimou no Brasil mais de 23 mil cidadãos. Os neofascistas do governo Bolsonaro se aproveitam não só da pandemia para avançar na entrega das empresas estatais e ataques as conquistas operárias, mas também da paralisia política das direções sindicais da esquerda reformista, que se recusam a estabelecer a resistência das massas. É necessário romper a camisa de força imposta ao movimento operário, reorganizando a vanguarda classista com um verdadeiro programa socialista de combate e ação direta!
MEMORIAL DAY NOS EUA: 100.000 MORTES POR COVID-19 SUPERAM
AS OCORRIDAS NAS GUERRAS DA COREIA e VIETNÃ


O dia de hoje (25/05) nos EUA é marcado pelo “Memorial Day”, um feriado oficial para homenagear os soldados mortos nas guerras ianques no exterior. Neste Memorial Day da pandemia, as consequências da indiferença do reacionário governo Trump com a morte de milhares de trabalhadores, pobres e negros com a subordinação da vida humana aos lucros corporativos são resumidas no marco trágico de mais de 100.000 mortes do COVID-19. É um fato extraordinário que as 100.000 vidas  oficialmente perdidas para o vírus em apenas dois meses já superem o número total de mortos em combates nos três anos de guerra da Coréia (33.686) e nos 11 anos de guerra dos EUA no Vietnã (58.220). Também é quase o dobro do número de soldados americanos mortos na Primeira Guerra Mundial (53.402). Essa perda impressionante da vida humana, no entanto, é apenas o começo. O governo Trump está marcando o feriado promovendo atividades que desafiam todas as regras de proteção social, o que causará um aumento acentuado de infecções e mortes.
“BANG-BANG” FATAL ENTRE CASAL BOLSONARISTA: DELEGADO E MODELO “TROCAM TIROS”, ELA MORRE... MAIS UM CASO QUE A CLASSE MÉDIA DE EXTREMA-DIREITA É ALVO!


Um assunto aparentemente “secundário” vem se mantendo no topo da mídia nos últimos dias (como no Fantástico/Globo e no Domingo Espetacular/Record de ontem), mesmo em plena pandemia de Coronavírus e merece a atenção dos Marxistas Revolucionários apesar de todos os temas políticos centrais que polarizam a conjuntura nacional: a morte da modelo Priscila Barrios dentro do apartamento do delegado bolsonarista Paulo Bilynskyj no último dia 20. Informações preliminares obtidas pela investigação são de que o delegado e a modelo eram namorados e teriam discutido. Segundo ele, Priscila teria atirado nele e se matado em seguida. A versão de que a modelo atirou no delegado foi feita pelo próprio policial no hospital, mas está sendo contestada pela família que aponta para o crime de feminicídio. O policial não fez exame de pólvora na mão em um claro acobertamento de seus parceiros de profissão. O delegado “alvejado” afirmou, em vídeo que circula nas redes sociais de policiais, que a namorada viu uma mensagem de uma ex-namorada em seu celular e depois que ele saiu do banho, ela deu 6 tiros nele (todos em regiões menos fatais do corpo). “Ontem [terça-feira, dia 20], Priscila, minha namorada, viu uma mensagem de antes de ela ir para minha casa. Hoje [quarta-feira], antes de eu sair do banho, ela deu seis tiros em mim. Depois deu um tiro nela mesma”. O delegado é conhecido por postar vídeos com armas e fotos com o amigo... Eduardo Bolsonaro, além de ser alvo de vários processos na corregedoria da polícia civil de São Paulo por cometer inúmeros delitos. O pano de fundo desse crime está diretamente ligado à realidade que atravessa nosso país tendo como principal base social um amplo setor da classe média imbecilizada, entorpecida e reacionária, um fenômeno que vem ganhando grande impulso mundial. Ampla parcela da pequena-burguesia patrocina abertamente as tendências neofascistas como parte de seu ódio de classe contra a “esquerda” e o “comunismo”, ao mesmo tempo em que deseja holofotes para seu “glamour deslumbrado” diante da miséria do povo pobre duramente atacado pela crise econômica e a pandemia, que desgraçadamente acaba também sendo arrastado para a direita diante da desmoralização provocada pela política de conciliação de classes do PT que pertimiu o ascensão de neofascista Bolsonaro ao Planato. A morte da modelo tem como pano de fundo esse panorama universal que vem ganhando força avassaladora no Brasil pandêmico e reacionário.
FORTE DISPUTA NO SEIO DO ENCLAVE DE ISRAEL: NAZISIONISTA NETANYAHU DENUNCIA TENTATIVA DE “GOLPE” NO INÍCIO DE SEU JULGAMENTO POR CORRUPÇÃO


Neste domingo (25), teve início o julgamento do primeiro-ministro de Israel, o nazisionista Benjamin Netanyahu, acusado de suborno, fraude e quebra de confiança em três casos distintos. O facínora compareceu à corte e declarou que as acusações foram “fabricadas” para prejudicá-lo. O processo teve início uma semana após o primeiro-ministro assumir o seu quinto mandato, um recorde na história do país, liderando um governo de unidade da extrema-direita. O sionista conduziu uma carreata ao tribunal depois de participar da primeira sessão de trabalho de seu novo gabinete, que tomou posse há uma semana. Netanyahu declarou inocência no começo de seu julgamento por corrupção, dizendo que está sendo vítima de um golpe no primeiro processo criminal de um primeiro-ministro israelense. Acompanhado por um grupo de ministros do seu partido de direita, o Likud, e falando de forma contundente, dirigiu-se às câmeras de televisão no corredor do tribunal antes de sentar-se no banco dos réus. “Essas investigações foram contaminadas e costuradas desde o primeiro momento”. Ele foi indiciado em novembro em casos envolvendo presentes de amigos milionários e por buscar favores regulatórios para magnatas da mídia em troca de uma cobertura favorável. A posse do gabinete encerrou mais de um ano de impasse político em meio a três eleições inconclusivas. Lembramos que em março, a terceira rodada de eleições para o parlamento em Israel concedeu uma suficiente vantagem política ao atual premiê nazisionista Netanyahu para ele continuar ocupando o cargo indefinidamente. Mesmo reeleito o canalha sentou no banco dos réus, sob acusações com base em provas detidamente examinadas pela Procuradoria-Geral do enclave sionista, que pediu seu indiciamento por fraude, suborno e quebra de confiança em três processos e com mais um em andamento. Além da corrupção, pela qual corre risco de ao invés de continuar na casa do primeiro-ministro ir parar na cadeia, Netanyahu exibe da forma mais abjeta e escancarada seu nazisionismo anti-árabe, com as mãos assassinas manchadas pelo sangue do povo palestino. A chamada oposição, liderada pelo general Gantz, comunga da mesma plataforma direitista do Likud. A sinistra disputa do interior do enclave sionista, com todas as opções políticas no campo da extrema direita nazisionista, é o reflexo direto da ofensiva mundial da reação imperialista, que já nesta etapa da correlação da luta de classes flerta abertamente com o neofascismo em todo o planeta em meio a Pandemia do Coronavírus.
MORO “APERTADO” NO FANTÁSTICO: FAMIGLIA MARINHO QUER O EX-JUIZ NA LIDERANÇA DA OPOSIÇÃO BURGUESA


O programa “Fantástico” da Globo colocou no ar neste domingo (24/05) uma entrevista exclusiva com o ex-ministro Sérgio Moro, mudando um pouco o “tom” com que vinha tratando o ex-ministro até agora. Na primeira parte da entrevista a jornalista Poliana Abritta seguiu um roteiro “previsível” dando espaço para Moro justificar a defesa de sua “tese” em relação a tentativa do presidente Jair Bolsonaro interferir no comando da PF para proteger seus familiares no Rio de Janeiro. Neste bloco Moro repete a narrativa, sem muito “brilhantismo”, de que não caberia a ele “sentenciar” se Bolsonaro cometeu crime ou não. Em um segundo momento, Moro aumentou seus ataques a Bolsonaro quando o acusou indiretamente de estar fazendo “corpo mole” no suposto combate a corrupção, utilizando a imagem do ex-juiz símbolo da Lava Jato, como um disfarce para acobertar acordos com políticos corruptos do Centrão.“Me desculpe aqui os seguidores do presidente, se essa é uma verdade inconveniente, mas essa agenda da área de corrupção não teve um impulso por parte do presidente da República para que nós implementássemos”, afirmou Moro. Entretanto a entrevista começa a mudar o rumo, quando Poliana começa a “apertar” Moro, a jornalista insistiu sobre o silêncio dele durante a reunião ministerial de 22 de abril, que teve a gravação divulgada. No encontro de cerca de duas horas, o então ministro falou apenas alguns minutos. “Eu não sou o presidente da reunião. Eu não tava confortável. Eu me sentia incomodado em vários momentos. Eu estava no governo e tinha limitações do que podia externar publicamente”, respondeu, depois de alguma insistência de Poliana. Porém o salto de qualidade da entrevista ocorreu no final quando Abritta destacou que Moro ficou 16 meses no governo, insinuando sua cumplicidade com as atrocidades de Bolsonaro. Diante de um Moro incomodado, como se a Globo estivesse quebrando o protocolo de um roteiro “morno”, o ex-juiz disse que aceitou ser ministro por entender que “tinha uma missão e que não se arrepende”. A leitura política tanto da entrevista com Moro em seu conjunto, como do planejado “aperto” dado pela Globo, caminha na direção de cobrar uma posição de oposição mais firme, como de uma ruptura definitiva e sem vacilações com o bolsonarismo. Na pergunta final sobre seu futuro político, Moro pela primeira vez não negou uma possível candidatura, embora tenha deixado todas as variantes ainda abertas... A famiglia Marinho busca uma liderança para a oposição burguesa, de sua mais absoluta confiança, para ocupar o vazio político deixado pela falência prematura da Frente Popular em plena pandemia do coronavírus.

domingo, 24 de maio de 2020

CASA BRANCA E PENTÁGONO DESMORALIZADOS COM SUAS BRAVATAS: NAVIOS IRANIANOS CHEGAM A VENEZUELA, ROMPENDO O CERCO NAVAL DO IMPERIALISMO


Enquanto o governo Trump e sua Frota Naval do Atlântico ameaçavam impedir o transporte de insumos e petróleo do Irã para a Venezuela, impondo um bloqueio militar e econômico ao regime Chavista, o primeiro de um total de cinco navios-tanque enviados por Teerã entrou na Zona Econômica Exclusiva do país latino-americano, desmoralizando as bravatas reacionárias do Pentágono. A entrada do primeiro navio tanque, o Fortune, teria se dado às 20h40 de ontem (23/05)após a embarcação ter passado pelo norte de Trinidad e Tobago, segundo dados do serviço de rastreamento de navios comerciais. A informação também foi confirmada pelo Ministro do Petróleo venezuelano, Tareck El Aissami em seu Twitter: “Os navios de [nossa] irmã República Islâmica do Irã já se encontram em nossa Zona Econômica Exclusiva, como diria nosso amado comandante Chávez, "A Venezuela azul", acompanhados por nossa Armada Bolivariana como símbolo da irmandade e da força de nossa união”. Além do Fortune, os petroleiros Fores, Petunia, Fazon e Clavel também são esperados pelo país. As cinco embarcações levam um total de 1,53 milhão de barris de gasolina e hidrocarbonetos para o país. A chegada dos quatro navios-tanque restantes deverá se dar nos próximos dias. Foi organizada pelo governo de Nicolás Maduro uma forte escolta militar para “desencorajar” uma possível ação agressiva das fragatas de guerra do imperialismo ianque. Pouco antes da entrada do Fortune na ZEE da Venezuela, a Marinha Chavista destacou um número considerável de navios de guerra para a região. Caracas decidiu pela escolta militar após o governo Trump ameaçar impedir a navegação dos navios iranianos em direção à Venezuela, impondo na prática um bloqueio naval a um país soberano, só antes visto na história em relação a Cuba, durante a crise dos mísseis soviéticos. A chegada dos insumos e refinados de petróleo do Irã, ocorreu em função da Venezuela enfrentar problemas com o fornecimento de gasolina devido a "medidas coercitivas unilaterais" aplicadas pelos EUA, informou o ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza. Nós do Blog da LBI já havíamos denunciado o bloqueio criminoso dos EUA, convocando a unidade das forças militares russas e iranianas para impor uma derrota as bravatas do Pentágono e seu gerente reacionário de de extrema direita. O regime dos aiatolás já tinha anunciado, no curso da crise, que qualquer ataque aos seus navios seria considerado um ato de guerra, e teria consequências trágicas ao imperialismo ianque. Mais uma vez o covarde Trump “amarelou”, como na guerra contra a Síria, diante da aliança entre Rússia, Venezuela e Irã. Como Marxistas Leninistas saudamos mais esta derrota do pior inimigo dos povos, ainda mais nesta etapa histórica onde o imperialismo ianque “esbanja” ameaças contra China, Cuba, Rússia, Irã, Síria e a própria Venezuela. Os Trotskistas, estamos incondicionalmente pela derrota do imperialismo em todos os campos, sem que isso signifique um alinhamento político pleno com os regimes nacionalistas burgueses ou Estados Operários burocratizados.