domingo, 20 de outubro de 2019

HÁ OITO ANOS DO ASSASSINATO DE KADAFFI PELA OTAN E SEUS “REBELDES”:  A “REVOLUÇÃO ÁRABE” SAUDADA PELOS REVISIONISTAS DO TROTSKISMO IMPÔS A BABÁRIE SOCIAL NA LÍBIA


Neste domingo (20/10) completa-se oito anos que o líder nacionalista líbio Muammar Kadaffi foi assassinado a sangue frio perante as câmeras da mídia “murdochiana” mundial e com o consentimento dos países imperialistas que participaram da campanha de rapina antilíbia de 2011. Uma guerra civil que se iniciou no momento de sua morte e continua há cinco anos arruinando a economia e retrocedendo as condições de vida da população aos níveis dos países mais miseráveis da África. Kadaffi tombou em combate resistindo à ofensiva por terra dos “rebeldes” apoiados pelos bombardeios da OTAN na Líbia pelo ar. Em sua homenagem reproduzimos abaixo o artigo histórico lançado pelo BLOG da LBI poucas horas depois da morte do dirigente líbio. As imagens filmadas dos últimos momentos de vida de Kadaffi mostram o combatente capturado na mão dos “rebeldes”, sendo sumariamente executado após exigir o direito universalmente constituído de um prisioneiro de guerra. A mídia burguesa e os revisionistas do trotskismo (LIT, UIT, PCO, PO, CIT) em êxtase logo disseram na época que não teria sido a OTAN a responsável pela morte de Kadaffi, mas sim os próprios “bravos rebeldes” já que as imagens não mostram nenhum destacamento da aliança ocidental em ação. Imaginem que um comboio de quase 200 homens armados sob o comando de Kadaffi poderia ter sido capturado por poucas dezenas de “rebeldes” bêbados e ainda por cima só ter restado como prisioneiro unicamente Kadaffi e seu filho Mutassim. Na verdade, o comboio militar em que se encontrava o coronel Kadaffi buscava se reposicionar nos arredores de Sirte, na tentativa de aliviar os pesados bombardeios dos caças da OTAN que já duravam quase dois meses ininterruptos, castigando impiedosamente toda a população civil. Nesta manobra tática o comboio foi duramente atingindo por mísseis de alta precisão da OTAN, obrigando os combatentes a se entrincheirarem fora dos carros, travando uma encarniçada batalha contra as tropas em terra da OTAN e seus “rebeldes”, que durou várias horas. Em franca desvantagem bélica e possivelmente já com pouca munição, as forças da resistência, reduzidas a cerca de 80 combatentes, foram capturadas, sendo entregues aos bêbados “rebeldes” que trataram de trazer para si o mérito do linchamento covarde, como num passe de mágica onde encontraram Kadaffi escondido em um bueiro. Passados oito anos, a destruição de todos os monumentos anti-imperialistas na Líbia, um símbolo da era Kadaffi pelos “rebeldes” que usaram uma bandeira monarquista e se vestiam com camisetas e bonés com símbolos ianques, foram um péssimo presságio da etapa que estamos atravessando que tem na Venezuela, Hong Kong e Síria como seus alvos atuais. Episódios similares assistimos na destruição das estátuas de Lenin, na época da queda contrarrevolucionária da URSS, quando se abriu um período de reação em toda linha. A vanguarda da classe operária deve abstrair todas as ácidas lições da atual etapa histórica, onde o proletariado mundial acumula uma série de graves derrotas em função da ausência de uma direção genuinamente revolucionária. Por esta razão, apoiamos a frente única entre Putin-Assad na Síria para que não façam deste país uma “nova” Líbia, assim como estamos no campo militar de Maduro contra as investidas de Trump e Bolsonaro. Lembremos que em 2011 os falsários do Leninismo que hoje se dizem "defensores da Síria" como o PCO integravam um "Comitê Antiimperialista" com a CST e O Trabalho, os mais canalhas revisionistas apoiadores dos "rebeldes", chegando a votar contra nossa proposta de se estabelecer uma frente única com Kadaffi para derrotar da OTAN e seus "rebeldes" mercenários, opondo-se a lutar pela vitória militar da Líbia! Honrando a resistência que Kadaffi empreendeu antes de ser morto, a LBI se postou neste campo militar e político para fortalecer a luta anti-imperialista e contra seus “rebeldes” pró-OTAN (cinicamente apresentados como revolucionários pelos revisionistas do trotskismo). Nesta trincheira de combate internacionalista forjamos a construção de uma alternativa revolucionária para os trabalhadores que vá além de suas direções burguesas!

  
OTAN ASSASSINA KADAFFI QUE COMANDAVA BRAVAMENTE OS COMBATES CONTRA OCUPAÇÃO DE SIRTE PELOS MERCENÁRIOS DO IMPERIALISMO 
(20 de outubro de 2011)

A operação “revolução árabe” montada pelo imperialismo na Líbia aparentemente alcançou seu principal objetivo imediato: a morte do coronel Muamar Kadaffi, morto em combate nas ruas de Sirte. Em êxtase, a mídia burguesa em uníssono apresentou imagens do corpo do dirigente nacionalista líbio ensanguentado após um ataque aéreo da OTAN, articulado com os “rebeldes” nas imediações de Sirte. Ainda que sejam informações preliminares, tudo indica que as imagens são verdadeiras. Kadaffi morreu lutando bravamente contra forças infinitamente superiores, do ponto de vista bélico. Dirigiu a resistência militar à ocupação de seu país até o limite de sua própria vida, ao contrário dos que afirmaram que Kadaffi fugiria como um rato, como fazem os “ditadores” ou “democratas” covardes no enfrentamento direto com o imperialismo. Segundo as versões iniciais, os caças da OTAN bombardearam um comboio militar da resistência em que estava Kadaffi, atingindo-o mortalmente. Mas o CNT tratou de tomar a captura e morte de Kadfaffi como obra sua, apresentando-o sem vida, capturado dentro de um túnel. Desta forma, mais um capítulo da ofensiva neolocolonialista das grandes potências capitalistas contra os povos está se encerrando, vergonhosamente apoiada pela canalha revisionista do trotskismo como a LIT e seus congêneres, abrindo caminho para imposição do governo fantoche do CNT para a rapina das riquezas do país norte-africano.

sábado, 19 de outubro de 2019

BARCELONA EM LUTA! NÃO À PRISÃO POLÍTICA DOS 9 LÍDERES PELA INDEPENDÊNCIA DA CATALUNHA!


Cerca de 525 mil manifestantes participaram dos protestos nesta sexta (18.10), contra a condenação à prisão dos 9 líderes do movimento de independência de 2017. A região amanheceu com uma greve geral e rodovias bloqueadas. Desde o início das mobilizações na segunda-feira (14), mais de 110 pessoas foram presas. A Suprema Corte da Espanha condenou nove líderes da tentativa frustrada de independência da Catalunha a penas de prisão que vão de 9 a 13 anos. A Catalunha, habitada por 7 milhões de pessoas e onde encontra-se a importante cidade de Barcelona, reivindica a separação e a formação de um “Estado nacional”. Essa reivindicação “uniu” todas as classes sociais da região, ainda que entre estas existam interesses completamente opostos e irreconciliáveis. A punjante burguesia catalã deseja fazer seus negócios independente do combalido Estado Espanhol. Por sua vez, o proletariado e as camadas médias (pequena-burguesia) se movem em função tanto de sua identidade cultural como na esperança de verem-se em melhores condições de enfrentar a crise econômica que assola o conjunto da Espanha e a própria Europa. O direito democrático a separação da Catalunha é uma reivindicação que dever ser apoiada pelos Marxistas Revolucionários, ainda que no curso dessa luta devemos levantar bandeiras e consignas próprias da classe operária, que superam a simples defesa de um novo “Estado nacional”.
CHILE URGENTE: ABAIXO PIÑERA E SEU ESTADO DE EXCEÇÃO! TODO APOIO A LUTA DOS TRABALHADORES E ESTUDANTES! POR UMA ALTERNATIVA DE PODER REVOLUCIONÁRIO DOS EXPLORADOS!


Os trabalhadores e a juventude chilena estão nas ruas da capital Santiago para enfrentar o ataque neoliberal do governo Sebatián Piñera. Este capacho do FMI aumentou o valor do bilhete do metrô de Santiago nos horários de pico. Milhares de pessoas se organizaram durante a semana para ocupar as estações e protestar contra o aumento. Frente a reação popular o presidente chileno declarou estado de emergência neste sábado (19). “Declarei estado de emergência nas províncias de Santiago e Chacabuco e nos municípios de Puente Alto e San Bernardo na região metropolitana” anunciou o herdeiro do Pinochetismo. Trabalhadores, passageiros e, principalmente, estudantes se organizaram para fazer os chamados “catracaços”, que consistem em aglomerações em diferentes estações de metrô para correr e pular as catracas, evitando pagamento. Os atos massivos fizeram o direitista Piñera reprimir os manifestantes usando as forças policiais, colocou tanques de guerra nas ruas e militares “patrulham” a cidade nessa madrugada de sexta para sábado. É necessário organizar a resistência ao ataque neofascista de Sebatián Piñera. Desgraçadamente o PS e o PC apostam apenas no desgaste eleitoral da direita visando a disputa eleitoral que se avizinha. Faz-se necessário a convocação imediata da Greve Geral por tempo indeterminado de todas as categorias não só para barrar o aumento do metrô mas para colocar abaixo o governo neoliberal de Piñera, o que exige a superação da política de colaboração de classes da Frente Popular!

106 ANOS DO NASCIMENTO DE VINICIUS DE MORAES: NO COMBATE AO SOMBRIO NEOFASCISMO QUE AVANÇA NO BRASIL DEFENDER A VIDA E OBRA DE NOSSO “POETA DO POLITICAMENTE INCORRETO” É UMA OBRIGAÇÃO REVOLUCIONÁRIA!


“Breve consideração a margem do ano assassino de 1973
Que ano mais sem critério esse de 73,
Levou para o cemitério três Pablos de uma só vez,
Três Pablões... não três Pablinhos, no tempo como no espaço
Pablos de muitos caminhos... Neruda, Casals, Picasso
Três Pablos que se empenharam contra o Fascismo espanhol!
Três Plablos que muito amaram... Três Pablos cheios de Sol!”

Neste 19 de outubro, há exatos 106 anos, Marcus Vinitius da Cruz de Melo Moraes debutava em nosso mundo. Nascido em 1913 no seio de uma família de músicos do bairro da Gávea, no Rio de Janeiro, Vinicius de Moraes, o “Poetinha”, assim carinhosamente chamado por seus amigos, ele merece ser homenageado como sinônimo de resistência cultural nestes tempos sombrios de retrocesso político e ideológico que se aprofunda com o governo do neofascita Bolsonaro ao Planalto. Inveterado boêmio, foi na noite que conheceu seus principais parceiros de música, de copo, teatro, paixões, amores e onde aperfeiçoou seus dotes poéticos mais líricos. Desde criança demonstrou grande habilidade para as letras e a música, tanto que aos dez anos já participava do coral da escola e começa a montar pequenos escretes teatrais. Em 1930 ingressa na Faculdade de Direito do Catete, para a qual dizia não ter a menor vocação, porém teve a oportunidade de conhecer o escritor Otavio Faria que lhe formou para o mundo das artes literárias e travou conhecimento com os “modernistas” Manuel Bandeira, Mário e Oswald de Andrade e até Plínio Salgado que também fazia parte do movimento. Neste ínterim, atuou como censor cinematográfico, crítico de cinema sob a companhia de Manuel Bandeira, Cecília Meireles e Afonso Arinos de Melo Franco. Em 1943 foi aprovado em concurso para o Ministério das Relações Exteriores, sendo empossado embaixador em Los Angeles, onde exerceu o cargo por quatro anos. Pouco depois foi deslocado para Paris, período mais profícuo para desenvolver o trabalho de... poeta! Os anos 50 marcaram o “debut” de sua veia musical mais aprofundada ao conhecer um jovem pianista em suas “andanças” pelos cabarés e noites cariocas, Tom Jobim. Na década seguinte, sua singeleza musical chamou a atenção de gênios da música do quilate de Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Baden Powell, ... No entanto, após o golpe militar contrarrevolucionário de 1964 foi afastado do Itamaraty com a criação do AI-5 sob o estapafúrdio argumento de que sua “vida boêmia era incompatível com a carreira diplomática”, o que na verdade implicava a deculturação do país imposta a ferro e fogo pelo regime gorila. A trajetória de vida de Vinicius de Morais marcou o auge da produção artística no Brasil, dos anos 50 aos 80, mas após a queda do Muro de Berlim e da URSS, o imperialismo e sua mídia venal trataram logo de esmagar as tradições culturais de raiz, impondo não só a barbárie no campo social como no âmbito das artes em todo o planeta.

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

PRISÃO NÃO MUDA PROGRAMA REFORMISTA: LULA QUER DE VOLTA GOLPISTAS E NEOLIBERAIS QUE VOTARAM A FAVOR DAS (CONTRA) REFORMAS IMPOSTAS PELOS RENTISTAS...



A verdadeira lenda criada por setores do PT e seguida cinicamente pelo PCO (Partido Coberto de Oportunismo), de que a prisão injusta e arbitrária teria alterado o pensamento político reformista e conciliador de Lula, não se sustenta pela própria boca do maior líder do PT. Não faz muito tempo que Lula, desde o seu cárcere na “República de Curitiba”, defendeu que os dirigentes do PT participassem da reunião do movimento “Direitos Já”, uma tentativa de formar uma Frente Ampla com lideranças do PSDB, REDE, PSB,PDT etc.., justamente com setores que apoiaram o golpe e a retirada dos direitos históricos da classe trabalhadora. Porém agora o nosso “ex-presidente metalúrgico” conseguiu superar sua própria apologia da colaboração de classes, declarando que está de braços abertos para o retorno da socialite neoliberal Marta Suplicy ao PT. Em declaração ao portal da UOL, Lula disse que: “Se a Marta quiser, deve voltar ao PT, ela tem relação com todo mundo e ainda continua sendo a prefeita mais bem avaliada de São Paulo". Lula também acenou com a oferta da legenda do PT para que a golpista disputasse a prefeitura da capital paulista no ano que vem, sem que ao menos passar pelo crivo da militância de base do partido. Como Marxistas Leninistas, realmente sabemos muito bem que convicção classista não se adquire pelo fato de se estar encarcerado ou não, Lula sempre foi uma liderança contrarrevolucionária, pregando políticas compensatórias para “suavizar” a crise capitalista que recai sobre as costas dos trabalhadores. Em suas duas gerências estatais, beneficiadas por um ciclo de expansão econômica mundial, tratou de induzir a acumulação de capital aos rentistas, enquanto distribuía para o proletariado as “migalhas” que sobravam no banquete financeiro da burguesia nacional. Quando a “festa” do mercado acabou e “estourou” a bolha de crédito internacional, a classe dominante tupiniquim deu as costas ao PT, patrocinou um golpe contra o governo da Frente Popular e encarcerou o próprio Lula, cretinamente em nome da “ética na política” brasileira. Mas Lula não quer (não pode) entender este “processo”, simplesmente porque é refém programático da estratégia da Social Democracia e seu “ Welfare State”. Continuamos a defender intransigentemente a libertação imediata de Lula das garras dos bandidos da famigerada Lava Jato, porém estamos na linha de frente para combater a nefasta ilusão de “melhorar o capitalismo com a adoção de políticas públicas”. Estamos na trincheira da revolução socialista, e não será uma “boquinha” na sombra da frondosa árvore do Estado Burguês que nos fará mudar nosso norte programático.

REINA A PAZ EM QUITO: CAPITULAÇÃO DA CONAIE DEIXOU MORENO IMPUNE COM AS MÃOS SUJAS DE SANGUE...

Depois de quase duas semanas de heroicas mobilizações no Equador que deixaram o governo do entreguista Lenin Moreno literalmente suspenso no ar, a paz para a burguesia voltou a reinar em Quito. A direção da CONAIE pactuou um acordo traidor com o presidente “vende pátria”, que na ânsia de aplicar o ajuste ditado pelo FMI ordenou a morte de dezenas de lutadores. Longe de convocar a tomada do poder pelos trabalhadores e indígenas, a CONAIE apostou com o “diálogo” com o facínora traidor, sustentando o governo neoliberal até 2021 para então apresentar a candidatura de seu dirigente, Jaime Vargas ou mesmo apoiar o nome do ex-presidente Rafael Correa. Essa conduta vergonhosa é uma prova evidente da ausência de uma direção revolucionária para as massas equatorianas. Depois que Moreno anunciou a revogação do Decreto 883, o chamado “Paquetazo” que aumentou em mais de 130% os preços dos combustíveis no país, os dirigentes da CONAIE, em uma escandalosa confissão de traição à heroica luta indígena, operária e popular, afirmaram que “As mobilizações em todo o Equador são encerradas e nos comprometemos em restaurar a paz no país”. Apesar do Decreto 883 ter sido derrubado pelas massas, o governo burguês e as lideranças conciliadoras concordaram em criar um novo decreto mediado pelo ONU, que também é uma imposição do FMI para que novas reformas econômicas neoliberais sejam feitas. Nesse sentido continuou a redução de salários e terceirização do trabalho, enfim, preservou-se o governo assassino e parcialmente seus ataques, quando seria possível impor um governo das organizações operárias, populares e indígenas por fora da democracia dos ricos e sem respeitar o circo eleitoral de 2021.
BOLSONARO VERSUS LEGENDA DE ALUGUEL (PSL): BRIGA NA ZONA DO “BAIXO MERETRÍCIO” É MANOBRA DISTRACIONISTA DA BURGUESIA PARA CONDUZIR OFENSIVA NEOLIBERAL SEM “CHAMAR ATENÇÃO”...


Algo próprio dos grupos mafiosos, que só confiam na própria “famiglia”, está ocorrendo nos bastidores palacianos do governo neofascista de Jair Bolsonaro. Para os observadores políticos mais ingênuos, a “briga” das quadrilhas da extrema direita que invadiu o noticiário nacional seria uma clara evidência de que a “oposição” está prestes a voltar ao “poder”, diante do “fracasso” do capitão e seus assemelhados gerenciarem a máquina estatal com um mínimo de “compostura e liturgia do cargo”. Ledo engano! O pastiche circense que está atualmente em “cartaz” no Brasil, é apenas uma manobra dos rentistas da burguesia nacional e internacional para avançarem silenciosamente, com muito êxito, na ofensiva neoliberal para desmontar o Estado e as conquistas sociais que ainda restam para a classe trabalhadora. O chefe miliciano Bolsonaro e seu clã representa somente o braço armado deste regime de exceção, imposto pela burguesia para submeter o país a uma nova agenda do mercado, pouco importa para a elite financeira se a famiglia fascista que está no governo central vem do “baixo clero” e se refestela em intrigas, ameaças de morte e brigas ferozes mais apropriadas para serem vistas em uma “zona do baixo meretrício”. Para o “Mercado” o fundamental é que enquanto a mídia corporativa se ocupa da “crise” do bordel palaciano, os estafetas do capital financeiro (com Paulo Guedes na cabeça) desmontam as empresas estatais, entregam nosso petróleo aos trustes imperialistas e formulam para o “Centrão” aprovar no Congresso a pauta de subtração das conquistas históricas do proletariado. E se finalmente o “cabaré pegar fogo”, matando politicamente seus protagonistas, a burguesia já tem o substituto ideal para ocupar o Planalto com a mesma “mão de ferro” do fascista Bolsonaro, trata-se do justiceiro Sérgio Moro. Operando toda essa transição, diga-se de passagem, na maior estabilidade do regime, garantida pela política do cretinismo parlamentar da esquerda reformista, que tem alucinações diárias com seu “grande triunfo” nas eleições de 2022...

quinta-feira, 17 de outubro de 2019

ALIANÇAS COM PARTIDOS DA BURGUESIA: A FOTO FOI UM ERRO DO DEPUTADO DAVID OU ESTRATÉGIA PROGRAMÁTICA DO PSOL?


A “viralizada” foto entre o deputado federal do PSOL-RJ, David Miranda e o neofascista Alexandre Frota (PSDB-SP), alegres e descontraídos como grandes parceiros políticos no plenário da Câmara dos Deputados, não foi um registro “ingênuo” da recente aproximação entre os dois parlamentares e, muito menos, um “erro” como depois tentou apresentar Miranda diante da reação de surpresa e repúdio de sua própria base eleitoral. Tanto que a fotografia foi tirada pelo deputado Marcelo Freixo, o principal referente político e eleitoral do partido, suas posições antimarxistas e policlassistas são a essência programática do PSOL. Ele mesmo já havia tido pouco meses atrás um encontro amistoso com a fascista Janaina Pascoal e busca ampliar o arco de aliança do PSOL com os partidos burgueses, inclusive abrindo “canais de diálogo” com a extrema-direita. Como uma das principais lideranças do PSOL, Freixo é um apologista da colaboração de classes com os setores mais reacionários da burguesia nacional, não por coincidência recebeu farto apoio político e material da Famiglia Marinho por mais de uma vez em suas tentativas de triunfar no comando da “Cidade Maravilhosa”. A foto entre Miranda e Frota cujo “padrinho” foi ninguém menos que Marcelo Freixo tem justamente esse sentido político, ainda mais no momento onde o ex-ator pornô, que foi um dos ícones da campanha de Bolsonaro, deixou o PSL e ingressou no PSDB, legenda que o PSOL considera mais “civilizada” no campo da burguesia. Como o “click” entre os dois “pegou mal”, Miranda tentou se justificar de forma absolutamente distracionista: “Ontem quando aceitei tirar uma foto com o dep. Alexandre Frota minha única intenção era desmentir fake news que rolavam sobre ele, eu e meu marido. Não pensei na hora, foi um erro, e por isso gostaria de pedir desculpas a todas/os aqueles que se sentiram ofendidos. Continuo na luta pelos direitos do povo brasileiro, sem nenhum alinhamento com a política de Frota e seu partido” (Brasil 247, 17.10). 
LEIA A MAIS RECENTE EDIÇÃO DO JORNAL LUTA OPERÁRIA Nº 341, 1ª QUINZENA DE OUTUBRO/2019


AS VÉSPERAS DA ELEIÇÃO ARGENTINA: FIT SE CONGRATULA COM MACRI E PEDE A ALBERTO FERNÁNDEZ QUE “CHORE” PELOS MORTOS DO EQUADOR


As eleições presidenciais da Argentina ocorrerão no próximo dia 27 de outubro, apenas uma semana após as bolivianas. Nos dois casos já se desenha um quadro de vitória da centro esquerda burguesa, consolidado um longo período de gestão do Estado capitalista na Bolívia e na Argentina de retorno à gerência estatal após um governo neoliberal da extrema direita. Porém se não há grandes surpresa no prognóstico eleitoral argentino, precedido de uma acachapante derrota de Mauricio Macri nas primárias obrigatórias (PASO), produto direto da profunda crise econômica porque passa o país, o “fato novo” surgiu mesmo da vergonhosa postura política da Frente de Esquerda dos Trabalhadores (FIT em espanhol). A FIT é uma espécie de condomínio eleitoral de toda a esquerda revisionista, que “aposta todas suas fichas” no cretinismo parlamentar, mas que até então tentava se apresentar como uma “alternativa de independência de classe” nas eleições, embora assumisse claramente sua vertente não revolucionária no que tange ao programa de tomada de poder pela via de uma violenta ruptura com o Estado Burguês. Porém com um resultado “magro” obtido nas PASO, o que ameaça a manutenção de sua pequena bancada parlamentar, a FIT resolveu “escancarar” toda sua natureza programática reformista. 

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

LEVANTE POPULAR NO HAITI: 15 ANOS APÓS INTERVENÇÃO DA ONU, TRABALHADORES SAEM EM LUTA PELA DERRUBADA DO GOVERNO FANTOCHE DE MOÏSE! FORA O IMPERIALISMO IANQUE E SEU LACAIO DA ILHA NEGRA!


Quando se completou 15 anos da missão da ONU no Haiti, com seu contingente deixando o país, manifestações tomaram as ruas da capital Porto Príncipe exigindo a renúncia do presidente fantoche Jovenel Moïse. Dezenas de milhares marcharam para bairros ricos no fim de semana, queimando pneus, enquanto a polícia de choque bloqueava as ruas. Pelo menos 18 pessoas morreram em confrontos com as forças de repressão. Os trabalhadores haitianos estão cansados ​​da pobreza, escassez e corrupção. O país é perenemente o mais pobre do Ocidente, mais da metade da população vive com menos de US$ 2,40 (R$ 9,90) por mês. A crescente escassez de combustível em meados de setembro, além da inflação acentuada, a falta de água potável, a degradação ambiental e falta de alimentos levaram os explorados haitianos a bloquear ruas e rodovias, atacar propriedades e saquear empresas. Antes de Moïse se tornar presidente, ele era diretor de pelo menos uma empresa que recebeu dinheiro da PetroCaribe para projetos falsos de infraestrutura. Moïse não apareceu em público desde o discurso pré-gravado, transmitido na televisão às 2 da manhã, no qual pedia diálogo. O que mantém Moïse a frente do governo é a Casa Branca. A embaixadora ianque Michele Sison disse à Associated Press na semana passada que “estamos pedindo às várias partes interessadas que entrem em diálogo com boa fé”. A oposição burguesa deseja fazer uma transição ordenada enquanto os explorados saem as ruas exigindo a renúncia imediata. Uma coalizão de 107 organizações da chamada “sociedade civil” divulgou um documento de oito páginas apoiando uma “transição”. Em meio à onda de protestos, a ONU encerram a intervenção que durou 15 anos que foi comandada pelo Brasil, quando ainda Lula (PT) era presidente.

terça-feira, 15 de outubro de 2019

MORO MANDA PF INVESTIGAR BIVAR: EDUARDO “SONECA” (PT), EX-MINISTRO DA JUSTIÇA QUE DEIXOU A LAVA JATO ORQUESTRAR O GOLPE CONTRA DILMA, RECLAMA QUE “INGERÊNCIA” EM FAVOR DE BOLSONARO NÃO É “REPUBLICANA” 


A PF cumpriu hoje mandado de busca e apreensão na casa do deputado federal Luciano Bivar, presidente do PSL, em Jaboatão dos Guararapes (PE). A operação apura o uso de candidatura laranja pela legenda de aluguel. O advogado de Bivar divulgou nota afirmando estranhar a operação em um momento de “turbulência política”. Nos últimos dias, Bolsonaro atacou o PSL, ameaçou deixar o partido e foi criticado por Bivar. “A defesa enfatiza que o inquérito já se estende há 10 meses, já foram ouvidas diversas testemunhas e não há indícios de fraude no processo eleitoral. Ainda na visão da defesa, a busca é uma inversão da lógica da investigação, vista com muita estranheza pelo escritório, principalmente por se estar vivenciando um momento de turbulência política”. Diante dessa ação claramente orquestrada por Moro e Bolsonaro, o ex-ministro da Justiça do governo Dilma, José Eduardo Cardoso (PT), reclamou que “essa ação não é Republicana”: “Eu pediria o boné” e continuou “O Ministro que aceita situação desse tipo perde o respeito da corporação que dirige. Quando vem o comando do presidente dizendo ‘quem manda sou eu’ e o ministro aceita deveria pedir demissão diante dessa ingerência”. Lembremos que sob inércia do ministro Eduardo “Soneca” Cardozo, a PF e a “República de Curitiba” indiciaram Dirceu na Operação “Lava Jato” em 2015 e depois sentaram as bases para o golpe parlamentar contra Dilma e a prisão de Lula. 

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

MORENO REVOGA “PAQUETAZO”: ENQUANTO A CONAIE “REVOGA” A LUTA PARA DERRUBAR O GOVERNO DO FMI... PESOU A AUSÊNCIA DE UMA DIREÇÃO REVOLUCIONÁRIA PARA LEVAR O COMBATE DO POVO ÀS ÚLTIMAS CONSEQUÊNCIAS


Nos últimos minutos deste domingo(dia 13/10), quando a multitudinária mobilização popular no Equador entrava no seu 12’ dia, o presidente “traíra” Lenín Moreno anunciou a revogação do Decreto 883, o chamado “Paquetazo” que aumentou em mais de 130% os preços dos combustíveis no país. No outro lado da trincheira, os dirigentes da CONAIE, em uma escandalosa confissão de traição à heróica luta indígena, operária e popular, afirmaram que: “As mobilizações em todo o Equador são encerradas e nos comprometemos em restaurar a paz no país”. O dirigente máximo da Conaie, Jaime Vargas, que esteve no comando da mobilização indígena, confirmou a suspensão das manifestações “callejeras”.  A negociação iniciada com o governo entreguista e assassino durou quatro horas, estendendo-se quase até a meia-noite do domingo na cidade cercada de Quito, quando foi anunciado o “pacto da paz”, sem que Lenin Moreno tivesse revogado ao menos as medidas de repressão militar, que continuaram impunes, inclusive com varias prisões ocorridas nesta segunda feira(14/10). As lideranças políticas do movimento, demonstrando um absurdo grau de conciliação de classes, concordaram  com a criação de uma “comissão com a participação do governo e de representantes dos indígenas com objetivo de elaborar outro decreto para substituir o 883”, ou seja um outro “Paquetazo menos perverso”. O mais incrível diante do “desmonte” da mobilização revolucionária do povo equatoriano, é que setores da esquerda reformista vieram a “comemorar a grande vitória”, o que significa na prática celebrar a manutenção de um governo neoliberal em pleno colapso político, e sem a menor condição de se manter estável no poder sem a vergonhosa “trégua” estabelecida pelas direções burocráticas.
ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS NA BOLÍVIA: VOTAR NULO PARA CONSTRUIR UMA ALTERNATIVA REVOLUCIONÁRIA!


As eleições presidenciais na Bolívia, ocorrerão no próximo 20 de outubro deste ano. As pesquisas eleitorais revelam que Evo Morales está em primeiro lugar e o candidato da “Comunidad Ciudadana” (CC) e ex-presidente da república Carlos Mesa, segue em segunda posição. O cenário político, pode ser resumido em que há dois campos opostos: governo e oposição, mas na realidade não é tão simples assim. Quando Evo Morales chegou ao governo no começo de 2006, uma característica básica da oposição burguesa era ser frontalmente "anti-Evo", mas não por causa do próprio programa de Evo, mas porque os camponeses, indígenas, trabalhadores e bases populares se sentiram representados e com intensa capacidade  de mobilização e ação direta radical consciente. Evo Morales foi o “bombeiro” que permitiu à burguesia nativa, oligarquia, banqueiros, empresários e transnacionais imperialistas manter seu poder econômico de classe dominante;  enquanto realiza algumas reformas superficiais. Na prática, Evo não tocou no poder das elites capitalistas, que demonstravam um desprezo étnico pelo que era diferente dela. Quando Evo Morales e seu governo estabeleceram um pacto com o NCPE com a oligarquia e a direita, a Bolívia se abriu para outra etapa, a da colaboração de classes. A direita passou a fazer parte do governo de Evo Morales, porque entendeu que dava segurança à manutenção de propriedade privada e garantia seus interesses de classe, estabilizando o regime apesar da radicalidade da base social de Evo Morales. 

domingo, 13 de outubro de 2019

JOKER DE TODD PHILLIPS: UMA ALEGORIA CINEMATOGRÁFICA DA OFENSIVA REACIONÁRIA MUNDIAL INICIADA COM A DESTRUIÇÃO DA URSS E SEDIMENTADA COM A ERA DO “CORINGA” TRUMP


Entrou em cartaz nos cinemas de todo mundo o aguardado filme Joker (Coringa), do diretor Todd Phillips. A qualidade artística do filme é inquestionável desde a direção, o roteiro, a fotografia, a trilha sonora e a atuação magnífica do ator Joaquim Phoenix que protagoniza o lendário personagem “vilão” das histórias em quadrinhos. O que marca ainda mais a relevância desta obra cinematográfica é, sem dúvida alguma, a abordagem do enredo, a origem do Coringa, através do gênero (drama) e uma construção narrativa crítica, densa e complexa, absolutamente distinta dos alienantes filmes de ação e entretenimento dos super-heróis hollywoodianos. A grande reflexão proposta pelo filme é a crise da sociedade capitalista, sua decadência moral e civilizatória, em resumo, a barbárie que atravessamos nos dias atuais. Esse é o ambiente desesperador que constitui o personagem Arthur Fleck e o transforma em Coringa. A história vivida em uma metrópole da década de 1970, a fictícia (Gotham City), uma referência a filmes como Taxi Driver e o Rei da Comédia, é na verdade uma alegoria para retratar a ofensiva mundial do capitalismo, aberta com a destruição contrarrevolucionária da URSS e suas terríveis consequências na esfera econômica, política, militar, cultural e ideológica em pleno curso no século XXI. O deslinde desse cenário é a degradação das condições de existência do classe trabalhadora, a incrementação da acumulação do capital e a sedimentação da barbárie social refletida na onda reacionária de crescimento da extrema-direita, do fascismo, das seitas religiosas (neopentecostais). Todo esse espectro ideológico consubstanciador dos comportamentos sociais e políticos patológicos que catapultou as aberrações Donald Trump à Casa Branca nos EUA e ao Palácio do Planalto Jair Bolsonaro no Brasil, uma onda reacionária que vem crescendo a passos largos também na Europa há alguns anos. Registre-se que a LBI foi a primeira corrente política trotskista a prever em voz solitária esse desenlace bárbaro com a queda do Muro de Berlim, o fim da URSS e dos Estados operários do Leste Europeu enquanto toda esquerda e os revisionistas do trotskismo festejavam “o fim do Stalinismo” e a “vitória da democracia” no final dos 80 e início dos 90.

sábado, 12 de outubro de 2019

NÃO AOS BOMBARDEIOS DA TURQUIA CONTRA OS CURDOS! PELA UNIDADE REVOLUCIONÁRIA DOS TRABALHADORES TURCOS, SÍRIOS, IRAQUIANOS E CURDOS CONTRA O IMPERIALISMO IANQUE E ISRAEL!


O chamado “Curdistão” sírio foi alvo de ataque da Turquia após serem “abandonados” pelas forças militares do imperialismo ianque. Pelo menos oito pessoas morreram e outras 35 ficaram feridas nesta sexta-feira (11) na cidade de Nusaybin após um ataque com morteiros disparados na região do Curdistão que faz parte do território da vizinha Síria. O exército turco iniciou uma ofensiva aérea e terrestre no nordeste da Síria contra a milícia curda Unidades de Proteção Popular (YPG). Os mais recentes ataques aumentaram para 17 o número total de mortes em três dias de combates. Com a incursão militar por terra e ar na Síria, a Turquia tenta assumir o controle de uma faixa de 30 quilômetros de extensão do território sírio adjacente à fronteira. Erdogan manifestou a determinação do governo de prosseguir com a operação militar. Seu objetivo é expulsar dessa faixa territorial as YPG devido aos vínculos com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), a guerrilha curda ativa na Turquia. Os YPG foram abandonas por Trump após o fracasso da ação ianque na Síria. Enquanto serviam como base para atacar o regime Assad os EUA mantiveram os curdos como aliados, mas agora eles não tem serventia. Trump ordenou no último domingo a retirada das tropas ianque da região do mecanismo de segurança, abrindo caminho para a ofensiva da Turquia contra os curdos, até então um dos principais aliados da Casa Branca no combate os integrantes do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) na região. Como Marxistas Revolucionários rechaçamos os bombardeios as milícias curdas na Síria assim como a perseguição a militantes de esquerda no interior da Turquia. Defendemos a unidade revolucionária dos trabalhadores turcos com a minoria curda para derrotar o imperialismo ianque, Erdogan com o estabelecimento de uma frente única com Assad!

DIA DO PROFESSOR: SINDIUTE (PT) E PREFEITO ROBERTO CLÁUDIO (PDT) FAZEM “FESTA DA COLABORAÇÃO DE CLASSES” ENQUANTO FILHOTE DA OLIGARQUIA FERREIRA GOMES ATACA A EDUCAÇÃO PÚBLICA


A direção petista do SINDIUTE-CE, entidade que representa os professores de Fortaleza, acaba divulgar que nesta segunda-feira (14.10), ocorrerá uma festa em comemoração ao “Dia do Professor” organizada em conjunto com a Prefeitura. Trata-se de um verdadeiro escárnio à luta dos trabalhadores em educação no momento em que o filhote da Oligarquia Ferreira Gomes, o prefeito Roberto Cláudio, promove uma série de ataques contra o conjunto dos servidores públicos e, em particular, contra nossa categoria. Não resta dúvida que esta celebração da conciliação de classes prepara o terreno para o apoio eleitoral da direção pelega do SINDIUTE ao candidato do prefeito para as eleições municipais de 2020. No Ceará, o PT é controlado pelos irmãos Ciro e Cid Gomes, que articulam uma ampla frente eleitoral com vista a derrotar o candidato de Bolsonaro em Fortaleza, Capitão Wagner (DEM). Nessa disputa, o PT municipal deve lançar candidato próprio (Luizianne Lins, DS) apenas para cumprir tabela, entretanto uma ala do partido (Articulação) inclusive pressiona para a legenda indicar um nome para ser vice. Independente dessas negociatas em andamento, desde já a direção petista do SINDIUTE (Articulação) sinaliza o apoio de fato ao nome que será lançado pela oligarquia Gomes, que agrupa em sua base até mesmo o DEM, esta legenda de extrema-direita controla atualmente a vice-prefeitura com o neofascista Moroni Big Torgan. Não por acaso o governo Camilo Santana aderiu ao programa das escolas militares do governo federal, dando uma prova concreta de sua disposição de manter-se próximo da direita para ampliar sua base política em todo estado. Desgraçadamente, nosso sindicato tornou-se uma correia de transmissão da prefeitura, onde uma série de privilégios para os diretores do sindicato são liberados pelo prefeito em troca da sabotagem das lutas da categoria. O exemplo mais recente foi o fato da prefeitura vender a conta dos servidores públicos municipais para o Bradesco (arrecadou 290 milhões) sem consultar os trabalhadores, um dinheiro que será usado para fazer a campanha eleitoral da oligarquia Gomes e que não traz qualquer benefício aos professores! Ao contrário, o Bradesco opera com juros mais altos que o BB, extorquindo os servidores que vivem atolados em empréstimos, além de ser um banco privado conhecido por superexplorar os bancários. O SINDIUTE longe de questionar esse golpe milionário usa sua imprensa orientado os trabalhadores fazerem a “portabilidade”! Nessa “parceria”, ganham o prefeito e os burocratas sindicais... perdem os trabalhadores em educação. 

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

LAMBE BOTAS DO IMPERIALISMO IANQUE: BOLSONARO RECEBEU “UM CHUTE NO TRASEIRO” DO VELHACO TRUMP EM TENTATIVA DA ENTRADA DO BRASIL NA OCDE

Ele é o grande otário neofascista!
O Secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, comunicou ao secretário-geral da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico, a OCDE, José Angel Gurria, que apoia o ingresso apenas da Argentina e da Romênia, sugerindo que a análise de outros pedidos de admissão seria deixada para o futuro distante. A entrada do Brasil no organismo, que permitiria mais “facilidades” ao Brasil em matéria de comércio internacional era uma das promessas feitas pelo governo do velhaco Donald Trump ao neofascista Jair Bolsonaro, na patética visita do “capitão” presidente aos EUA, em março último. O “cano” dado pelo imperialismo ianque ao governo neofascista é ainda mais vergonhoso, se na “lei das compensações” globais levarmos em conta que os EUA nos levou a base aeroespacial de Alcântara, de onde poderão lançar foguetes com menos despesa e maior alcance para a África, sem sequer nos deixar entrar nas futuras instalações militares. Não seria demais recordar que a entrega de Alcântara contou também com o apoio dos partidos da Frente Popular de colaboração de classes. O “pedido” de adesão do Brasil a OCDE foi feito em maio de 2017, ainda no governo do golpista Temer, outro capacho da Casa Branca, mas a entrada dependia da aprovação dos Estados membros, que incluem as nações capitalistas mais “desenvolvidas “do mundo, além de alguns países semi-coloniais que servem apenas como “alegoria” a este organismo multilateral controlado pelo imperialismo. Mas as concessões do fantoche Bolsonaro ao “grande amo do norte” não se resumem a entrega da base de Alcântara ou mesmo a “doação” da Embraer a uma multinacional ianque, o governo neofascista está prestes a promover o maior leilão mundial da história do petróleo, concedendo nossas maiores reservas de Pré Sal aos trustes imperialistas, em troca de migalhas para o Tesouro Nacional abater parte de sua dívida pública com o mercado financeiro. O mais “surprendente” politicamente é que os governadores da chamada “oposição”(Frente Ampla)apoiam a privatização internacional de nossas reservas energéticas, em troca de receberem uma pequena parcela do que será arrecadado com a “cessão onerosa” de nosso patrimônio natural. Se não fosse dramático para o povo oprimido brasileiro, poderíamos até rir da “pernada” que o capitão fascista levou do seu patrão norte-americano, porém desgraçadamente a esquerda reformista também é avalista da submissão do nosso país aos ditames neoliberais do imperialismo mundial...

quinta-feira, 10 de outubro de 2019

VITÓRIA DA LUTA POPULAR: PRETA FERREIRA FOI ENFIM LIBERTADA DO CÁRCERE DO CAPITAL!


A dirigente do movimento por moradia em São Paulo, destacada militante do Partido dos Trabalhadores e apresentadora do Boletim "Lula Livre", Preta Ferreira, como é conhecida Janice Ferreira da Silva, teve concedido na tarde desta quinta-feira (10/10) um habeas corpus pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), após mais de 90 dias presa injustamente e sem prova alguma de crime cometido por ela. Serão libertados também o educador Sidney Ferreira da Silva e a “Maria do Planalto”. Os três militantes integram o movimento dos sem moradia e estão detidos desde 24 de junho. Naquele momento, uma operação do DEIC da Polícia Civil, por ordem do juiz Marco Antônio Martins Vargas, impôs a prisão temporária de lideranças do movimento sem-teto. A acusação foi completamente arbitrária, acusando-os de “suspeita de extorsão” mas na verdade tratou-se de um ataque a organização dos sem-teto e dos trabalhadores em geral por parte do regime bonapartista de exceção, que tem nos fascistas Bolsonaro, Moro e Dória suas mais grotescas expressões. Consideramos a libertação de Preta Ferreira das garras da justiça burguesa uma vitória da luta popular, porém compreendemos que somente a mobilização permanente, com os métodos revolucionários da ação direta do proletariado, será capaz de libertar todos os presos políticos das masmorras do Estado capitalista, como a do próprio Lula. Exigimos a liberdade imediata de todos os presos políticos da democracia dos ricos perseguidos pela repressão estatal burguesa e convocamos as organizações de esquerda, sindicais e populares a se somarem nesta luta!
GUERRA ABERTA DO CLÃ FASCISTA BOLSONARO CONTRA A QUADRILHA DO PSL PELO CONTROLE DA GRANA DO FUNDO PARTIDÁRIO: É A MESMA VERBA ESTATAL QUE CORROMPEU VÁRIOS PARTIDOS DA ESQUERDA REFORMISTA...


O presidente neofascista Jair Bolsonaro revelou a um setor de deputados do PSL, em reunião na tarde desta quarta-feira (09/10), que está decidido a sair da legenda, mas que primeiro quer uma garantia jurídica para que os parlamentares que o acompanhem na desfiliação ao PSL não percam seus mandatos e que a Justiça possa também congelar os “gordos e generosos” recursos do Fundo partidário (TSE) referentes ao PSL. A crise no seio do ninho reacionário foi escancarada após o “capitão presidente” orientar um apoiador que se identificou como pré-candidato pela legenda do PSL no Recife, para que ele “esquecesse o partido”. Em frente ao Alvorada, Bolsonaro declarou que Bivar “está queimado para caramba” e pediu para o apoiador apagar o vídeo. Logo as primeiras especulações da mídia corporativa sobre a “lavagem pública da roupa podre” do PSL, davam conta que o clã fascista Bolsonaro buscava escapar ileso do “escândalo do laranjal” envolvendo o Ministro do Turismo, Marcelo Álvaro, além de vários dirigentes nacionais da legenda. Porém a verdadeira motivação da “guerra” deflagrada no interior da extrema direita é bem mais profunda do que uma mero zelo por uma falsa “imagem de ética” na política, a luta encarniçada na trincheira do PSL é por conta do controle milionário da verbas públicas eleitorais destinadas ao partido. As estimativas do valor que o partido presidido pelo deputado Luciano Bivar teria direito a receber do TSE em 2019, variam entre 300 a 900 milhões de Reais, uma imensa fortuna “liberada” pelo Estado Capitalista para manter as agremiações partidárias “viciadas” no circo da democracia burguesa. Mas o “cartório milionário” do PSL está nas mãos de Bivar, um dublê de empresário e cartola de futebol, o que provocou a ira dos filhotes fascistas de Bolsonaro que alegam ter conseguido os votos que geraram esta fortuna no TSE. Neste embate de picaretas da política burguesa, Bivar leva vantagem sobre o clã Bolsonaro, porque mesmo apesar de sua insignificância nacional é quem assina os cheques do PSL. O presidente neofascista e sua cria de idiotas estuda a possibilidade de migrar para outra legenda, como já fez quase uma dezena de vezes, mas quer ter a segurança do TSE que poderá ficar com seu “quinhão” do butim do Fundo Eleitoral. Os Marxistas Leninistas da LBI conhecem muito bem este processo de cooptação e corrupção pela via do bilionário Fundo Partidário, partidos da esquerda reformista também são “reféns” deste mesmo mecanismo, chegando inclusive até ao ponto de abandonarem sua tradição programática, como foi o caso do venal PCO. Não custa lembrar que o PT terá direito a uma parcela ainda maior do que o PSL (elegeu a mais numerosa bancada de deputados federais) do Fundo Partidário, e até mesmo o liliputiano PCO que não obteve nem 5 mil votos para o Congresso Nacional e muito menos conseguiu eleger um único parlamentar, terá direito a mais de um milhão de Reais do “caixa” do TSE. Em resumo qualquer “legenda oca” no Brasil pode valer no mercado partidário da burguesia, alguns milhões de Reais... Enquanto a corja fascista se esbofeteia pelo “troco” das verbas eleitorais, o mercado vai avançando na sua ofensiva neoliberal contra as conquistas operárias, sem a menor resistência das direções burocráticas, “engordadas” pela cooptação do regime da democracia dos ricos.

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

DIANTE DO COLAPSO DO GOVERNO MORENO, BURGUESIA EQUATORIANA PREPARA SEU “PLANO B”: RAFAEL CORREA DEFENDE NOVAS ELEIÇÕES E SE LANÇA CANDIDATO. VITORIOSA GREVE GERAL DESTA QUARTA-FEIRA DEVE IR ATÉ A IMPOSIÇÃO DE UM NOVO PODER POPULAR!


As manifestações multitudinárias do Equador se intensificaram nesta quarta-feira (09/10), com a deflagração de uma greve geral que busca derrubar o governo “traíra” de Lenín Moreno. Não há trânsito de veículos nas ruas e os negócios e comércio fecharam cedo na “antiga” capital Quito (abandonada pelo governo Moreno que se transferiu para a cidade de Guayaquil). Outras cidades do país também aderiram à greve nacional fechando todos os serviços públicos e privados. As forças de segurança (repressão) do governo dispararam gás lacrimogêneo para dispersar milhares de manifestantes que marchavam perto do palácio presidencial no centro da capital Quito. A CONAIE principal entidade dos povos indígenas, que levou cerca de 60 mil militantes de áreas vizinhas de Quito para a marcha na capital, afirmou que: “O governo Moreno está se comportando como uma ditadura militar ao declarar um estado de emergência e estabelecer um toque de recolher noturno”. A maioria das organizações políticas dos manifestantes exigem a saída imediata de Moreno, entretanto há um setor reformista disposto a negociar com o moribundo governo em troca da antecipação das eleições presidenciais. Este campo que defende abertamente a conciliação de classes, é liderado pelo ex-presidente Rafael Correa, do mesmo partido de Lenin Moreno (Alianza Pais) e responsável político por sua indicação para chefiar o atual governo. O imperialismo ianque vendo a situação de Moreno degringolar completamente, acionou o escritório da ONU no Equador para “mediar negociações de um acordo”. Correa exilado há dois anos na Bélgica por conta de uma perseguição judicial, à semelhança da “Operação Lava Jato” brasileira, defendeu uma “trégua” do movimento em troca da antecipação das eleições presidenciais e já se lançou candidato, “pelo menos a vice” afirmou, tentando copiar a manobra de Cristina Kirchner na Argentina. 
CRISE REVOLUCIONÁRIA NO EQUADOR: TODO PODER A CONAIE E A FUT! CONSTRUIR OS ORGANISMOS DE PODER OPERÁRIO, INDÍGENA E POPULAR!


O Equador enfrenta há seis dias consecutivos protestos populares que têm levado milhares de ativistas sociais às ruas, primeiro como uma resposta ao anúncio do presidente neoliberal Lenín Moreno de eliminar os subsídios a combustíveis para conter o suposto déficit fiscal equatoriano. A medida draconiana atende a um acordo assinado com o FMI para a concessão de um empréstimo de US$ 4,2 bilhões. Mas logo na sequência dos fatos,  as mobilizações multitudinárias do povo equatoriano cresceram em proporção ainda maior com a decretação pelo governo “traíra” do Estado de Exceção e do Toque de Recolher noturno no país. Com o avanço do movimento de massas, o amedrontado serviçal da Casa Branca, que atende desgraçadamente pelo nome de Lenín, transferiu (abandonou) a capital do Equador de Quito para a cidade de Guayaquil. Várias marchas indígenas estão em curso no Equador, a maior delas, com aproximadamente 30 mil integrantes avançou ontem desde Cotopaxi e outras zonas do extremo sul do país e se somaram aos protestos em Quito. O mesmo com o movimento indígena de Tugurahua, Shuar Tsuraku, na região amazônica do Equador, Imbabura, Azuay, Pichincha, Chimborazo, Cañar, Loja e várias outras. Segundo o presidente da CONAIE (Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador), Jaime Vargas, os indígenas exigem “a imediata libertação dos 350 detidos arbitrariamente por exercer seu direito constitucional de resistência” e acrescentou que só haverá conversações com o presidente “lambe botas” do imperialismo ianque, uma vez que chegem a Quito. Escolas e estradas estão fechadas em todo o país. A expectativa é da chegada de cerca de 100 mil indígenas à capital nesta quarta-feira, 09/10. A crise política é muito significativa do ponto de vista histórico, uma vez que massivos protestos liderados por indígenas já foram parte importante do processo de derrubada do presidente Jamil Mahuad, em 2000, durante outro período de tensão revolucionária. Neste dia 08 manifestantes empunhando bandeiras e gritando palavras de ordem contra o imperialismo e o governo neoliberal, a maioria indígenas agrupados na CONAIE, invadiram o prédio da Assembleia Nacional , o parlamento central do país na “antiga” capital Quito, que está tomada por barricadas policiais e trincheiras populares, principalmente com convocação de greve geral para hoje. Há claros indícios políticos que já começa a “brotar” uma situação de duplo poder. A principal Central Sindical do Equador, a FUT, dirigida por José Villavicencio, declarou que se submete integralmente às deliberações da CONAIE, participando ativamente da paralisação nacional. Em completo desespero e já prevendo seu fim, Moreno declarou que: “os saques, vandalismo e violência que vimos mostram que há uma motivação política organizada para desestabilizar o governo, romper a ordem constitucional e democrática",  agregando pateticamente: “Correa e o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, estão por trás desse plano de desestabilização". Por sua vez o ex-presidente Rafael Correa, exilado na Bélgica, tratou de pedir “calma aos manifestantes”, mostrando interesse em candidatar-se em uma possível nova eleição. Os Marxistas Leninistas não fazem fetiche algum de novas eleições como uma saída política para a grave crise que atravessa o Equador. O movimento de massas, tendo concretamente a frente das gigantescas mobilizações organizações como a CONAIE e a FUT, deve tomar em suas mãos a resolução propositiva da crise revolucionária, derrubando o “cadáver” Moreno e instaurando um governo operário, indígena e popular no Equador, baseado em organismos de poder totalmente independentes das instituições apodrecidas do Estado Burguês. No mesmo passo avançado, a vanguarda classista e combativa deve começar a debater e organizar a fundação de um genuíno Partido Operário Revolucionário que seja a verdadeira direção da transição socialista!

terça-feira, 8 de outubro de 2019

HÁ 52 ANOS ERA ASSASSINADO O COMANDANTE CHE: ISOLADO POR FIDEL E ABANDONADO PELO PC BOLIVIANO, GUEVARA TOMBA COM LIVRO DE TROTSKY EM SUA MOCHILA

Che lendo a Revolução Permanente em meio aos combates da Guerrilha
Ernesto Guevara foi covardemente assassinado em 8 de outubro de 1967, na Bolívia, pela sanguinária ditadura de Barrientos. Depois de o executarem, os gorilas assassinos a serviço do imperialismo cortaram suas mãos e sumiram com seu corpo, tentando apagar qualquer vestígio de sua existência sobre a face da terra. Porém, a memória dos oprimidos foi mais forte do que a sanha assassina dos exploradores. 52 anos depois, o exemplo do homem, que deixou cargos e honras para sacrificar sua própria vida em outro país, lutando para expandir a revolução socialista, continua vivo e agiganta-se na medida em que a barbárie capitalista arrasta as massas à miséria e coloca na ordem do dia a luta pelo socialismo em todo o mundo. Che Guevara levava em sua mochila e lia, nos últimos meses de sua vida, quando combatia na Bolívia, uma cópia de um dos tomos da História da Revolução Russa, de Trotsky, livro este encontrado pelo exército boliviano no acampamento guerrilheiro. Anos antes ele havia lido a trilogia de Isaac Deutscher sobre o fundador da IV Internacional. Isto mostra o interesse que Guevara tinha em conhecer mais a obra do revolucionário russo e dirigente da Revolução de Outubro, ainda que não se declarasse simpático ao trotskismo, apesar da burocracia stalinista soviética tê-lo acusado de tal “heresia”. Che morreu isolado por Fidel e abandonado pelo Partido Comunista da Bolívia, uma política literalmente criminosa do Stalinismo mundial. 
ÓLEO NAS PRAIAS DO NORDESTE: BOLSONARO PREPARA UMA SÓRDIDA PROVOCAÇÃO CONTRA A VENEZUELA


Após reunião com ministros e comandantes das Forças Armadas na tarde desta segunda-feira (7/10), o presidente neofascista Jair Bolsonaro declarou à imprensa que: “As manchas de petróleo encontradas em praias do Nordeste não são do Brasil”. Bolsonaro descartou que a substância tenha surgido devido ao vazamento em plataformas petrolíferas nacionais e já “tem no radar um país que pode ser a origem do petróleo”. Segundo o reacionário presidente: “A análise continua para a gente saber se a gente consegue detectar que país é, de onde veio, qual navio petroleiro que derramou esse óleo lá”. De acordo com balanço feito pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA) na semana passada o número de localidades afetadas pelo petróleo chegou a 132, e já são 61 municípios afetados, todos na costa marítima nordestina. As insinuações do governo neofascista sobre uma suposta responsabilidade “criminosa” estrangeira pelo vazamento de óleo nas praias do Nordeste não foram aleatórias, Bolsonaro acionou a Petrobras para obter um “dossiê” sigiloso onde já se concluiu que o petróleo seria venezuelano. Segundo o “insuspeito” jornal Folha de São Paulo: “Análises feitas pela Petrobras apontam a Venezuela como provável origem do petróleo.”. 

segunda-feira, 7 de outubro de 2019

85 ANOS DA “REVOADA DOS GALINHAS VERDES”: FASCISTAS FORAM EXPULSOS “A BALA” DA PRAÇA DA SÉ PELA FRENTE ÚNICA OPERÁRIA... HOJE, COMO ONTEM, PRECISAMOS DERROTAR A OFENSIVA NEONAZISTA COM AÇÃO DIRETA DO PROLETARIADO! 


No dia 7 de outubro de 1934 em São Paulo, na Praça da Sé, Trotskistas, dirigentes do Comitê Regional do PCB paulistano e anarquistas, além de várias entidades operárias e sindicais, que formaram uma Frente única antifascista, colocaram para correr embaixo de balas um comício realizado pela AIB Ação Integralista Brasileira, uma instituição totalmente nazifascista. O Integralismo, uma versão tupiniquim do nazifascismo, tentou criar uma doutrina que pretendia "abrasileirar" o Fascismo Italiano e o Nazismo Alemão, defendendo a implantação deste regime político no Brasil. Nessa época desde o início dos anos 30, o fascismo estava num de seus pontos de maior ebulição política pelo mundo, na Espanha, na Itália, na Alemanha, na Polônia, na Hungria e em outras regiões, em maior grau nos países atingidos após a Primeira Guerra Mundial. No Brasil, era até certo ponto fácil encontrar publicações desse caráter de modo geral, sedes, realizações de comícios, tentativas de demonstração de força como desfiles, aliás, desfiles estes que eram marcados pelos uniformes verde-oliva e por estandartes do SIGMA (símbolo Integralista). Também não podemos nos esquecermos nunca que esse período histórico também marca o auge da LUTA ANTIFASCISTA no mundo encabeçado pelos movimentos operários e populares, aos quais se recusavam a seguir a orientação de paralisia vinda de Moscou e da III Internacional já sob o controle de Stalin. Os integralistas, assim como os nazistas na Alemanha criaram suas milícias armadas, uniformizadas e treinadas para a destruição e aniquilação dos seus adversários de classe, evidentemente que esses inimigos viscerais eram encabeçados pelos Trotskistas, setores da esquerda comunista e anarquistas. Nessa época (meados dos anos 30) o Brasil atravessava a hegemonia do regime ditatorial de Getúlio Vargas, que como seu antecessor na presidência Arthur Bernardes (1922-1926), cassou incessantemente o movimento operário , criando inclusive campos de concentração como o do Oiapoque (Crevelândia) e para lá foram enviados grande número de Comunistas e anarquistas, que ali desgraçadamente morreram... 
CONGRESSO DA “SEMLUTAS”: O OCASO DA BUROCRACIA SINDICAL DE “ESQUERDA” QUE DEFENDE O “FORA MADURO” E O “FICA BOLSONARO”...


De 03 a 06 de outubro aconteceu na cidade de Vinhedo (SP) o quarto Congresso Nacional da CSP-Conlutas, um projeto de uma nova “Central Sindical” impulsionada fundamentalmente somente pelo PSTU e suas cisões políticas ao longo deste período histórico, atualmente todas agrupadas no PSOL. Como não poderia deixar de ser, o Congresso foi cruzado pelo debate acerca da política do PSTU no último período, mais especificamente sobre sua posição do apoio ao golpe institucional que derrubou o governo Dilma e a defesa da justeza da prisão de Lula pela famigerada Operação Lava Jato. Estas posições do Morenismo, aberrantemente “copiadas” da direita liberal, são parcialmente questionadas hoje pelas referidas rupturas do PSTU, como o grupo “Resistência” do PSOL. Mas se existiu uma certa polêmica no interior da Conlutas sobre o balanço político das posições golpistas e reacionárias do passado recente do PSTU, não podemos dizer o mesmo quando a questão versa sobre qual tática deva ser adotada pelo movimento operário frente ao governo neofascista de Bolsonaro. Na verdade no Congresso de Vinhedo existiu quase uma unanimidade de todas as correntes que lá estiveram presentes, na defesa do “Fica Bolsonaro”, sob a justificativa de que não era o momento “adequado” de se levantar a consigna de “Abaixo o governo Bolsonaro!”. Esta quase “unanimidade burra” somente foi quebrada pelo delegado Magno de Carvalho, do Sintusp, que em plenário defendeu que a Conlutas precisa sair na frente do: “Fora Bolsonaro para disputar os trabalhadores que rompem com o seu governo.” Em contraposição a tática defendida por Magno, o PSTU escalou o bancário Cyro Garcia, histórico dirigente do partido, que: “respondeu dizendo que é progressivo e muito positivo que vários setores da classe trabalhadora estejam se aproximando do ‘Fora Bolsonaro’. Mas, infelizmente a classe operária não fez a experiência com esse governo. É preciso ganhá-los para lutar contra esse governo“. 

domingo, 6 de outubro de 2019

LEVANTE NO IRAQUE CONTRA O GOVERNO TÍTERE DO IMPERIALISMO: MAIS DE UMA CENTENA DE MORTOS VÍTIMAS DA REPRESSÃO DE ADIL ABDUL MAHDI 



Milhares de manifestantes foram às ruas na principais cidades do Iraque neste último sábado (05/10) para exigir o fim do governo títere de Abdel Mahdi, acusado de corrupção generalizada e afundar o país em uma terrível crise econômica. As massas reivindicam mais empregos e melhores serviços públicos, no quinto dia de uma onda de protestos que já deixou mais de uma centena de mortos. Tendo início nas redes sociais, o movimento de massas protesta contra a corrupção, o desemprego e a decadência dos serviços públicos em um país destroçado por décadas de conflitos, ocupação militar ianque e guerra civil, além de sanções internacionais. O Iraque convive hoje com escassez crônica de eletricidade e água potável para a esmagadora maioria da população. As mobilizações populares são o primeiro grande teste do governo do primeiro-ministro Adil Abdul Mahdi, no comando do Estado há apenas um ano. As ruas que levam à Praça Tahrir, centro dos protestos na capital Bagdá, foram isoladas por uma grande deslocamento de veículos policiais e blindados, que promoveram um verdadeiro banho de sangue contra os ativistas da oposição. Os multitudinários protestos parecem ser um movimento espontâneo, sem a direção de nenhuma organização política ou religiosa, sendo apresentado pelas lideranças dos manifestantes como movimento “não partidário”. Apesar do “caos social” instalado pela brutal repressão, o toque de recolher foi levantado ao amanhecer deste sábado em Bagdá, e o comércio reabriu em diferentes bairros para que a população pudesse comprar alimentos básicos e água para a própria sobrevivência. 

sábado, 5 de outubro de 2019

CANUDOS VIVE! RESISTÊNCIA CAMPONESA NÃO SE RENDEU E LUTOU ATÉ A MORTE CONTRA O ATAQUE DA REPÚBLICA BURGUESA QUE ACABAVA DE NASCER SOB O TACÃO DOS MILITARES


Para compreendermos com o método marxista a Guerra dos Canudos e a violência estatal com que foi esmagada a revolta camponsa em 5 de outubro de 1897, há 122 atrás, é preciso restabelecer o cenário histórico em que ela ocorreu. Não se pode entender Canudos isoladamente, sem conhecer as circunstâncias históricas e políticas que provocaram a maior mobilização camponesa de toda república brasileira. O Brasil estava em permanente ebulição social desde 13 de maio de 1888 com a assinatura da Lei Áurea pela princesa Isabel. A Questão Militar que vinha se arrastando desde 1883, com o debate em torno da doutrina do soldado-cidadão, que defendia a participação dos oficiais nas questões políticas e sociais do país, teve uma conclusão repentina, com o golpe militar republicano de 15 de novembro de 1889. A derrubada da Monarquia, que de imediato foi sem derramamento de sangue, terminou por provocar reações anti-republicanas. Uma nova constituição foi aprovada em 1891, tornando o Brasil uma república federativa e presidencialista copiando o modelo norte-americano. Separou-se o estado da Igreja e ampliou-se o direito de voto (aboliu-se o sistema censitário existente no Império e permitiu-se que todo o cidadão alfabetizado pudesse tornar-se cidadão). As dificuldades políticas da implantação da República se aceleraram com a crise inflacionária provocada pelo Encilhamento, quando o Ministro da Fazenda, Rui Barbosa, autorizou um aumento de 75% na emissão de papel-moeda nacional. Houve muito desgaste do novo regime devido ao clima de especulação e de multiplicação de empresas sem lastro (mais de 300 em um ano apenas). 

sexta-feira, 4 de outubro de 2019

LAVA JATO E BOLSONARO AFINAL CONSEGUEM QUEBRAR A ODEBRECHT: O PRIMEIRO PASSO PARA CONSTRUTORAS INTERNACIONAIS ABOCANHAREM O ENORME MERCADO DAS GRANDES OBRAS PÚBLICAS


Como denunciamos isoladamente ainda em 2014, a “Operação Lava Jato” nada tinha de cunho moralizador ou de defesa da “ética pública”, similar a falsa campanha “moralizadora” feita por Carlos Lacerda e sua “República do Galeão” contra Getúlio Vargas, a iniciativa do justiceiro Moro vem a cada dia se revelando para amplas massas como uma fraude a serviço do imperialismo e seus trustes econômicos. Desta vez o alvo do governo Bolsonaro&Moro (produto direto do golpe político da Lava Jato) foi a maior construtora do Brasil, a Odebrecht. A Caixa Econômica Federal pediu a falência do conglomerado Odebrecht, de acordo com documentos judiciais obtidos pela agência de notícias Reuters, o que pode vir a ser a quebra final da empresa que vinha cambaleando financeiramente e demitindo funcionários há algum tempo. A CEF também exige que os credores possam nomear uma nova administração, tanto do conglomerado quanto de suas subsidiárias, caso o juiz não ordene a liquidação da empresa, ou seja na prática é o confisco dos proprietários da empresa e a titularidade da construtora passada para as mãos de outro grupo econômico que detenha os títulos da dívida da Odebrecht. 
UM BALANÇO NECESSÁRIO: BUROCRACIAS SINDICAIS DA ANDES, CNTE, FASUBRA E UNE REALIZAM “GREVE FAZ DE CONTA” DE 48 HORAS. É PRECISO ORGANIZAR UMA PARALISAÇÃO REAL DA EDUCAÇÃO PARA DERROTAR BOLSONARO E SEU PROJETO ACABAR COM O ENSINO PÚBLICO NO PAÍS!


A burocracia sindical ligada ao setor da educação (ANDES, CNTE, FASUBRA) e a UNE anunciaram para os dias 02 e 03 de outubro passados uma “Greve Nacional da Educação”. Essas entidades controladas por um arco político que vai do PSOL e PSTU, passando pelo PT e PCdoB, em uníssono construíram uma grande farsa, na medida que realizaram uma “greve de faz de conta de 48hs” que não paralisou nenhuma universidade pública ou IFET. O que vimos no máximo nas capitais do país foram pequenos atos políticos de vanguarda sem nenhum peso político e social. Essa “tática” desmoraliza totalmente a luta dos trabalhadores, da juventude e pavimenta a ofensiva no MEC e de Bolsonaro contra a luta dos trabalhadores. O mais grave é que correntes de esquerda como PSTU e Resistência (PSOL), que tem influência na ANDES, por exemplo, sustentaram esta fraude política. A Resistência chegou a anunciar “Em governo de ‘balbúrdia’ defendemos a Educação: Greve Nacional de 48h da Educação Federal” onde afirma “Setor das IFEs  (Instituições Federais de Ensino) indica Greve de 48 horas da Educação para os dias 02 e 03 de outubro, com apoio das entidades Andes, Fasubra e Sinasefe, bem como UNE e movimento estudantil”. Por sua vez a CSP-Conlutas (PSTU) declarou “Atenção! Atenção! 48h de luta: trabalhadores da Educação em greve nacional nos dias 2 e 3 de outubro”. Qualquer ativista honesto pôde perceber não existiu esta paralisação de fato em nenhuma escola ou universidade, tratou-se de mais um circo midiático ao melhor estilo dos “teatros de luta” organizados pela CUT e a UNE. 
HÁ 10 ANOS NOS DEIXAVA MERCEDES SOSA: “LA NEGRA” COMUNISTA QUE CANTOU AS DORES, PAIXÕES E LUTAS DOS EXPLORADOS E OPRIMIDOS LATINO-AMERICANOS!


Em 04 de outubro de 2009, há exatos 10 anos, nos deixava a genial cantora e compositora argentina Mercedes Sosa. “La Negra” foi uma das principais representantes da música latino-americana pelo mundo, a voz dos que não tinham voz, a comunista que subia aos palcos para cantar as agruras, lutas e paixões dos trabalhadores, do povo explorado e oprimido. Nascida em 9 de julho de 1935, dia e mês em que se comemora a independência de seu país, a cantora argentina popularizou ritmos latinos e foi considerada a maior intérprete do folclore argentino. Veio ao mundo em Tucumán, província do norte argentino, descendente dos índios diaguitas e de franceses, como ficou claramente marcada em seu corpo e face. Cresceu num lar humilde e aprendeu a amar as expressões artísticas populares. Na adolescência dançava, cantava e chegou a ser professora de danças nativas. Era, claramente, uma cantora com posição política, filiada ao Partido Comunista da Argentina e militante da resistência popular desde muito jovem. Ela começou a carreira em 1950, aos 15 anos. Ao lado de um grupo de amigas, participou de uma competição na rádio local, apresentando-se sob o pseudônimo de Gladys Osorio. Sua voz, que no começo da carreira possuía um registro quase soprano, evoluiu para um domínio total dos tons mais graves e profundos, com perfeita entonação e grande ternura. Seu primeiro álbum foi lançado em 1959 e até 2009, quando faleceu em Buenos Aires no dia 04 de outubro de 2009, lançou mais de 30 discos. Interpretou canções de nomes como Violeta Parra, Charly Garcia, Milton Nascimento, Chico Buarque entre outros grandes mestres. Nos anos 60 muda-se para Mendoza onde se ampliam seus horizontes, grava seus primeiros discos A voz da safra (1962) e Canções com fundamento (1965) que na época passam despercebidos. Nesse mesmo ano tudo muda, consegue se consagrar quando tem a oportunidade de cantar no Festival de Cosquín, o mais importante da Argentina. Em 1967 realiza uma exitosa turnê pelo EUA e Europa. Nos anos subsequentes continua gravando e ampliando seu repertório para todas as expressões populares autênticas dos compositores latino-americanos.