quinta-feira, 29 de setembro de 2016

ELEIÇÕES SINDIUTE/FORTALEZA: GRANDE VITÓRIA POLÍTICA DA CHAPA 3, IMPULSIONADA PELA LBI, TPOR E CONLUTAS!

Cida Albuquerque da TRS impulsionou a Chapa 3
Hyrlanda Moreira, dirigente da LBI, na apuração do Sindiute
Encerrou-se na noite desta quarta-feita (28.09), a apuração das eleições para a diretoria do Sindiute-Fortaleza, entidade que representa os professores de Fortaleza. A chapa 3 - Oposição pela Base impulsionada pela LBI, TPOR e a CSP-Conlutas (PSTU e MAIS) conquistou 1.259 votos (25,53%), ficando em segundo lugar na acirrada disputa com chapa 1 (Articulação - 2.400 votos - 50,41%) e a Chapa 3 (O Trabalho, 1.186 votos - 24,05%). Trata-se de uma grande vitória política do ativismo classista na medida em que a Chapa 3 além de superar a draconiana “cláusula de barreira” dos 20% dos votos necessários para ingressar na direção do Sindiute ainda obteve mais votos que a chapa ligada a “O Trabalho”. Esta corrente revisionista é entusiasta apoiadora de Luizianne Lins, atual candidatada a prefeitura pelo PT, que ordenou em sua gestão burguesa a repressão aos trabalhadores em educação na greve de 2011, recorrendo a Guarda Municipal para atacar os professores com gás de pimenta e bombas. Desesperada, a burocracia sindical da Articulação recorreu a todas as manobras venais possíveis para impedir que a Chapa 3 superasse os 20% dos votos: recorreu a instalação de urnas no interior do estado quando o sindicato tem base na capital para “engordar” seus votos, teve o apoio dos chefes e gestores ligados a atual prefeito Roberto Cláudio (PDT), filhote da Oligarquia Gomes, para pressionar os trabalhadores a não votar na Chapa 3 e, ao final da apuração, manobrou junto com OT para rasgar o próprio do estatuto do Sindicato, que prevê a proporcionalidade qualificada para compor a diretoria. Nada disso impediu que a Chapa 3 saísse politicamente vitoriosa desse embate histórico, já que denunciou nas vésperas das eleições burguesas de outubro os ataques do atual prefeito ligado aos irmãos Gomes e combateu abertamente a política de colaboração de classes da CUT e do PT, tendo imenso apoio da categoria e obtendo votação massiva nas principais escolas que são referência nas greves e lutas dos professores de Fortaleza. Para a aguerrida militância da LBI, a vitória é ainda maior porque no interior da Chapa 3 conseguimos derrotar a política do PSTU-MAIS em defesa da “Eleições Gerais”, aprovando como eixo político classista de combate aos governos burgueses (Temer, Camilo e Roberto Cláudio) a construção da Greve Geral, agrupando em torno de uma plataforma revolucionária o melhor do ativismo combativo da categoria, reforçando assim entre os trabalhadores em educação de Fortaleza a luta pela construção de um autêntico Partido Revolucionário!  

Acompanhando urna a urna para barrar a fraude da burocracia da CUT
e garantir o voto classista na Chapa 3

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

LEIA A EDIÇÃO ESPECIAL DO JORNAL LUTA OPERÁRIA Nº 314 – ELEIÇÕES MUNICIPAIS/2016

terça-feira, 27 de setembro de 2016

A MORTE DE "SOMBRA" E AS SOMBRAS DO CASO DO ASSASSINATO DO EX-PREFEITO PETISTA CELSO DANIEL


Foi noticiado esta tarde que Sérgio Gomes da Silva, mais conhecido como Sombra, faleceu em um hospital de São Paulo vítima de um câncer diagnosticado há dois anos. Sombra era então o homem de confiança do ex-prefeito petista de Santo André quando Celso Daniel foi assassinado em janeiro de 2002. Na época Sombra um ex-segurança alçado à condição de empresário do ramo de transporte público, almoçava com Celso Daniel  em um restaurante no jardins, quando retornavam a Santo André o carro do prefeito (uma Pajero blindada) foi interceptado por um bando armado que obrigou Daniel a sair do veículo, deixando Sombra para trás. O amigo empresário e também motorista da Pajero, alegou à polícia que ocorreu uma falha mecânica na Pajero que o teria obrigado a abrir as portas do veículo blindado, facilitando assim a ação dos bandidos. Na manhã do dia 20 de janeiro de 2002, dois dias após o sequestro o corpo do prefeito Celso Daniel, com onze tiros, foi encontrado na Estrada das Cachoeiras em Itapecerica da Serra. Sombra afirmou sua inocência no caso, apesar da família do prefeito e o Ministério Público terem acusado o empresário de participação ativa no assassinato, levando a prisão do empresário por quase um ano até ser revogada por determinação do STF. Para além da intricada trama policial que até hoje não foi desvendada completamente, a morte trágica de Celso Daniel revelou um esquema de súbito enriquecimento de um ex-segurança que ao longo das três gestões petistas na prefeitura de Santo André se transformou em um próspero empresário do ramo de transporte público. Empresas de ônibus da cidade de Santo André vinham contribuindo pesadamente para as campanhas eleitorais de Celso Daniel, gerando uma volumosa "sobra de caixa" utilizada pelo PT em todo o estado de São Paulo. O segurança de Celso, Sérgio "Sombra", logo se converteu ele mesmo em empresário de transportes, sem explicar a origem de seu "capital". O fato da inexplicável capitalização ocorrido com Sombra, também se repetiu com uma série de dirigentes do PT na cidade, causando preocupação a Celso Daniel que passou a ocupar um posto político chave na campanha presidencial de Lula em 2002. Assim como o prefeito Palocci em Ribeirão Preto, Daniel seguia um modelo de gerência municipal neoliberal que privilegiava grupos capitalistas em detrimento dos serviços públicos estatais. Celso gozava de grande prestígio junto ao empresariado de Santo André e Sombra funcionava como uma espécie "testa de ferro" para os negócios do PT na cidade. Porém com a proximidade da possível vitória de Lula ao Planalto em 2002, Celso foi escolhido para como coordenador da campanha nacional, cotado para ocupar o cargo de ministro da Fazenda no primeiro governo do metalúrgico de São Bernardo do Campo. Era o momento de interromper temporariamente a cobrança das "comissões"(conhecidas popularmente por propinas) por parte do PT em Santo André, decisão de Celso que desagradou alguns dirigentes do partido no município, incluindo o "empresário" Sombra. A partir deste ponto não podemos afirmar com absoluta convicção que Sombra teria sido um dos autores intelectuais do assassinato de Celso Daniel, apesar das fortes evidências neste sentido. Os que foram presos e condenados pela morte de Celso são apenas os "matadores de aluguel", os verdadeiros assassinos estão em liberdade e agora Sombra leva para o túmulo o deslinde final deste caso. As lições que os Marxistas abstraem deste episódio não poderia ser outra: A gerência estatal da crise do capital só pode conduzir a completa decomposição moral e programática de seus protagonistas políticos. Celso pagou com a própria vida ao se propor a administrar a "massa falida" do regime capitalista.
DERROTAR A OPERAÇÃO DESMONTE DA GREVE DOS BANCÁRIOS: CONTRA OS BANQUEIROS E O GOVERNO GOLPISTA TEMER RADICALIZAR E FORTALECER A PARALISAÇÃO PELA BASE SEM QUALQUER CONFIANÇA NA BUROCRACIA SINDICAL DA CUT/CTB!


Diante de uma greve passiva, ordeira e obediente à justiça patronal, os banqueiros e o governo golpista Temer endurecem na sua intransigência e, somente após três semanas reabrem nova negociação. A última proposta, apresentada dia 9 de setembro, foi de 7% de reajuste nos salários, na PLR e nos auxílios refeição, alimentação, creche, e abono de R$ 3,3mil. É uma verdadeira piada de mal gosto, tendo em vista que o lucro dos cinco maiores bancos (Itaú, Bradesco, Banco do Brasil, Santander e Caixa) está em torno de R$ 30 bilhões só no 1º.semestre de 2016. Não há muito o que esperar quando a greve se mantém em compasso de espera de uma negociação faz-de-conta, impulsionada por uma camarilha sindical que já traiu os bancários em diversas campanhas salariais. Não queremos esmolas nem migalhas! Queremos respeito às nossas reivindicações. A expressão da insatisfação e desconfiança da base em suas direções traidoras da CUT-CTB revela-se muitas vezes na ausência dos grevistas nas assembleias, nos piquetes, e também no aumento dos fura-greves nos bancos públicos que batem o ponto, mas não abrem a agência ao público, atendendo de forma seletiva etc. Como os bancários em luta não se sentem representados por suas direções traidoras, acabam se comportando de forma contraditória. Por isso, temos uma greve com forte adesão, mas pouca participação dos bancários, característica da chamada “greve de pijama” e até mesmo “assembleias de pijamas”. Também, cumprindo o “script” dos outros anos, esse tipo de greve ordeira e comportada, controlada pela burocracia sindical da CUT-CTB, não afeta significativamente o lucro dos banqueiros já que o serviço de compensação e as operações bancárias não sofreram descontinuidade pelo uso de canais de atendimento como a internet, o autoatendimento, os correspondentes bancários e as próprias agências com o atendimento seletivo dos gerentes e fura-greves, particularmente à cliente de alta renda. Estamos, portanto, diante de um impasse na greve. Todo ativista da categoria sabe que uma greve é sempre uma operação de combate com o objetivo de obrigar nosso adversário a ceder. Desse ponto de vista da luta de classes, é preciso, portanto, que os bancários em luta tomem para si os rumos da campanha salarial, isto é, passem por cima de suas direções. Dessa forma, precisamos radicalizar a greve, fortalecendo a presença dos bancários nas assembleias e nos piquetes, não meramente de convencimento, mas como um instrumento de autodefesa para barrar a entrada dos fura-greves. Deve-se fechar os autoatendimentos das agências, eleger um comando de base, incorporando os delegados sindicais, realizar atos e manifestações conjuntas com outras categorias em luta como correios,petroleiros, professores, metalúrgicos como parte da luta comum para derrotar a ofensiva do regime contra a classe trabalhadora. Enfim, tudo o que ainda não foi realizado por causa da política de colaboração de classes das direções sindicais.Além disso, é preciso garantir a greve unitária da categoria em oposição ao corporativismo reacionário que divide os trabalhadores por banco, em nome de especificidades que, embora reais, devem em época de campanha salarial estar subordinadas àquilo que nos une primeiramente: reajuste e reposição salarial, pisos dignos, fim das demissões, estabilidade, fim do assédio moral, isonomia, etc. Não é a toa que as mesas específicas do BB, CEF, BASA, BNB ainda nada ofereceram, mas só o farão quando o próximo índice da Fenaban for costurado como proposta final e “possível”. Greve até a vitória!

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

PALOCCI O “PETISTA MILIONÁRIO” É NOVO ALVO DO FASCISMO JUDICIÁRIO: DEFENDEMOS O PT CONTRA A OFENSIVA DA DIREITA, APESAR DO CARÁTER BURGUÊS DO PARTIDO DA COLABORAÇÃO DE CLASSES


A prisão de Palocci foi anunciada na véspera pelo ministro da Justiça, em plena atividade eleitoral na cidade de Ribeirão Preto, não por coincidência o reduto eleitoral do ex-ministro da Fazenda do governo Lula. Nenhuma surpresa ao se tratar da Lava Jato, uma Operação montada desde a Casa Branca e coordenada midiaticamente no Brasil pelas "Organizações Globo". Palocci um ex-militante da tendência Liberdade e Luta (atual corrente petista O Trabalho) converteu-se no interior do PT em um dos precursores do neoliberalismo quando ao assumir a prefeitura de Ribeirão Preto em 1992 privatizou a companhia telefônica da cidade. Ao assumir o Ministério da Fazenda na primeira gerência do presidente Lula, Palocci aprofundou seu curso monetarista promovendo as primeiras contrarrreformas do regime exigidas pelo mercado financeiro. Palocci não resistiu a um escândalo em Brasília, onde foi acusado de patrocinar uma mansão de lobistas ao governo e de quebrar o sigilo bancário do caseiro da tal mansão. Retornou ao governo após a eleição da presidente Dilma em 2010, porém não durou seis meses no cargo de ministro da Casa Civil, não conseguindo explicar a compra de um luxuoso apartamento de seis milhões de Reais, logo foi demitido. O petista neoliberal fora do governo, assim como José Dirceu, se dedicou a "prática de consultoria" para grandes empresas capitalistas, acumulando um patrimônio pessoal milionário, não muito distinto de dezenas de dirigentes do PT. É óbvio que o enriquecimento pessoal de militantes da esquerda somente pode acontecer no marco de partidos burgueses, como se transformou o PT ao longo da última década. As supostas "consultorias" são um método de camuflar o recebimento de comissões recebidas por gestores do Estado burguês (de todos os partidos institucionais) em absolutamente todas suas transações comerciais com grupos capitalistas. Os justiceiros fascistas da Lava Jato sabem muito bem que as "comissões" fazem parte da engrenagem do regime capitalista, prática generalizada no país desde a instauração da república com Deodoro da Fonseca, porém acusam o PT de ter inaugurado a "propinolandia" no Brasil. Com o suporte da mídia "murdochiana" e o aval do governo Obama, a Lava Jato avança a passos largos para fragilizar a Petrobras e retirar a reserva de mercado nacional das empreiteiras brasileiras (somente estas podem participar de licitações estatais). O "conto de fadas" publicitado pelo justiceiro Moro e reverberado pela Globo de que nunca se "roubou tanto" nos governos do PT só pode convencer tolos e incautos. Lula e em certa proporção Dilma promoveram a expansão dos investimentos públicos, lastreados pelo " boom" mundial do preço das commodities e pela "bolha de crédito", por isso mesmo o volume das "comissões" no campo da política burguesa se incrementou beneficiando também centenas de dirigentes e parlamentares do PT. As campanhas milionárias da Frente Popular, irrigadas com "caixa 1 e 2", foram produto do programa burguês do PT que defende impulsionar os "negócios capitalistas" com suas gerências estatais. Palocci como ministro da Fazenda foi uma peça original deste esquema em que o PT compartilhou com uma dezena de partidos da antiga "base aliada". Como os justiceiros fascistas da "República de Curitiba" tiveram que recuar com a "antipática" prisão do colega Mantega, levaram Palocci como "prêmio de consolação", pelo menos até ó amadurecimento das condições políticas para o encarceramento de Lula, o "maior troféu " para a direita. Como Marxistas não pretendemos ocultar o caráter de classe do PT, situado no mapa da política burguesa como um partido de "centro-esquerda", mas esta correta caracterização não nos impede de perceber o curso da ofensiva reacionária, concentrada hoje na Lava Jato, e que tem como estratégia a reversão das liberdades democráticas constitucionais e a abertura da economia nacional aos cartéis imperialistas. Neste sentido convocamos o movimento de massas a defesa incondicional do PT diante das ameaças e prisões da famigerada Lava Jato, sem abonar politicamente o programa burguês do partido e a pratica de enriquecimento pessoal da maioria de seus dirigentes. Da mesma forma os Trotsquistas atuaram diante da prisão do " governador burguês" Miguel Arraes ou o do "presidente capitalista" Jucelino Kubitscheck frente a ditadura militar inaugurada no Brasil  nos anos 60. A Lava Jato representa a porta de entrada de um novo regime bonapartista no país, de corte ideológico fascista, e ao contrário do que afirmam os revisionistas do grupo "MAIS" não tem nenhum aspecto progressista. Esta mesma lógica de capitulação a Lava Jato norteia desde o PSOL até o próprio PT, passando pelo neostalinista PCdoB, isto sem falar do PSTU fã do justiceiro Moro. É urgente que os movimentos sociais desenvolvam uma vigorosa campanha política nacional para denunciar a farsa da Lava Jato, revelando para as massas seus reais objetivos "inconfessáveis". 
MAIS UM TRABALHADOR NEGRO MORTO PELA POLÍCIA ASSASSINA NOS EUA: TODO APOIO AS MOBILIZAÇÕES DA RESISTÊNCIA PROLETÁRIA NEGRA EM SUA LUTA HEROICA CONTRA O APARATO REPRESSOR RACISTA!


Acaba de ser divulgado na internet o vídeo que mostra o momento em que policiais assassinam o trabalhador negro de 43 anos Keith Scott em Charlotte, nos EUA. As imagens certamente aumentarão as manifestações que continuam cinco dias depois da morte em Carolina do Norte. Centenas de pessoas saíram nesta semana às ruas das principais cidades dos Estados Unidos pela quinta noite consecutiva para protestar contra as mortes de negros nas mãos da polícia. Os manifestantes participaram das passeatas convocadas pelo movimento “Black Lives Matter” (As vidas dos negros importam), surgido há dois anos após a morte de outro afro-americano em Ferguson (Missouri). A viúva de Keith Lamont Scott publicou outro vídeo em que ela é vista pedindo aos agentes que não atirem em seu marido, que gritava que estava desarmado. No vídeo gravado por Rakeyia, ela grita dizendo: “não disparem, não está armado, não vai fazer nada contra vocês”. A mulher explica aos policiais que Scott tinha tomado seu remédio para tratar a lesão traumática cerebral de que padecia. Escuta-se um policial advertindo Scott e posteriormente se escuta quatro disparos, Rakeyia grita então para os agentes “Atiraram nele? Atiraram nele? É melhor que ele não esteja morto”. Scott foi assassinado quando os policiais perseguiam outro indivíduo negro em um complexo de apartamentos. Sua morte provocou uma onda de protestos que já dura 5 dias e que, fruto da repressão aos manifestantes, deixou um novo morto e vários feridos. Na noite de quinta-feira as autoridades decretaram o estado de emergência e o toque de recolher na cidade, ao que se somou a chegada da Guarda Nacional enviada sob as ordens de Obama. Cinicamente, o informe policial assegura que Scott estava armado e pressupunha “ameaça de morte iminente” para eles, um relato que testemunham negam, enquanto a família diz que o falecido portava um livro. Desde a LBI deixamos claro que toda nossa solidariedade está incondicionalmente com o movimento negro que resiste a repressão estatal e ao genocídio dos trabalhadores e jovens plebeus negros. Consideramos justo e legítimo o ódio do povo negro, compreendemos que a melhor forma de combater a ofensiva assassina da nova KKK e dos bandos fascistas apoiados pela polícia ou a violência desferida diretamente pelo aparato estatal comandado por Obama é a formação de milícias de auto-defesa unindo trabalhadores negros e brancos contra a exploração e o racismo. Reafirmamos que hoje nos EUA não vacilamos em dizer que toda nossa simpatia e solidariedade estão com os jovens negros e seu “ardente desejo de vingança”, que lutam com as “armas” que tem a mão contra o terror estatal e fascista no coração dos EUA, forjando um partido revolucionário e internacionalista para dar consequência política e programáticas a essas ações pontuais que apesar de corajosas são limitadas na luta contra o imperialismo ianque. Nesse sentido, para derrotar a ofensiva assassina do Estado capitalista e a bárbara ação policial deve-se construir milícias de autodefesa do povo pobre e dos trabalhadores, convocando uma paralisação geral nas principais cidades dos EUA! Os lutadores que estão nas ruas nos EUA não podem ter nenhuma ilusão na justiça capitalista e em seu Estado, são instrumentos de classe da burguesia contra os trabalhadores! Devem combater pela liquidação do imperialismo ianque unindo o povo pobre, negro com o conjunto da classe trabalhadora explorada contra o regime de opressão e espoliação capitalista mais forte do planeta! Como não há um contraponto revolucionário à degradação de uma sociedade doente que recorre a um estado policial contra seu próprio povo, a humanidade tende a caminhar para a barbárie imposta pelo império decadente. Desgraçadamente, se não houver uma direção política que aponte uma saída comunista para os trabalhadores de todo o planeta, assassinatos racistas, carnificinas neonazistas e guerras genocidas acontecerão como norma de sobrevivência do regime capitalista senil. Sem a intervenção do proletariado nesta conjuntura fascistizante em defesa da liquidação deste estado policial representados por Obama, Hillary e Trump, o capitalismo não se extinguirá, nem cairá de podre, ao contrário, arrastará a humanidade para a barbárie. Estamos vendo a volta com força do fascismo ianque em escala interna e planetária. Para que não se repitam novas cenas sanguinárias como o assassinato diário de negros dentro e fora dos EUA, somente a ação revolucionária do proletariado mundial poderá reverter estas tendências nefastas, se valendo da luta pela liquidação do modo de produção capitalista e tendo como estratégia a imposição de seu próprio projeto de poder socialista.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

PCO ATINGE O OLIMPO DA CORRUPÇÃO DIANTE DA FRENTE POPULAR AO AFIRMAR: "DILMA DEVERIA ESTAR NO PANTEÃO"... DA DEMOCRACIA BURGUESA


Faz algum tempo que o PCO converteu-se em um dos mais ardorosos defensores da Frente Popular no Brasil. Essa capitulação a um partido burguês socialdemocrata como o PT e sua gerência estatal neoliberal tem um sentido concreto na luta de classes. Rui Pimenta e seu séquito familiar que vivem às custas do “Fundo Partidário” afirmaram publicamente que Dilma deveria ter vaga honrosa no “Panteão da Democracia” porque a gerentona do “ajuste” petista simbolizaria em carne e osso a defesa da democracia. Esses revisionistas do trotskismo tornaram-se agora apologistas do regime político democrático-burguês, atuam no campo corrupto da política burguesa como fosse esse o objetivo estratégico a ser alcançado pelos explorados em sua luta contra o capital. Como etapistas vulgares abriram mão da defesa da Teoria da Revolução Permanente que combate não pela democracia como “valor universal”, mas sim pelo Comunismo através da tomada revolucionária do poder pela classe operária via a imposição da Ditadura do Proletariado! Lênin em sua magistral polêmica “A Revolução Proletária e o Renegado Kautsky” afirma justamente o contrário do que publicita o PCO. O dirigente Bolchevique nos ensina que “A democracia proletária é um milhão de vezes mais democrática que qualquer democracia burguesa. O Poder Soviético é um milhão de vezes mais democrático que a mais democrática república burguesa... Este simples fato basta para que todas as classes oprimidas reconheçam que o Poder Soviético, isto é, esta forma da ditadura do proletariado, é um milhão de vezes mais democrática que a mais democrática república burguesa”. Essa “simples” lição vem sendo jogada na lata do lixo pelo renegado PCO. Qual o motivo para grotesca submissão à Frente Popular? Somente uma seita familiar corrompida até a medula pelas gordas cotas mensais do Fundo Partidário que ultrapassam 100 mil mensais e obtidas pela via de outros acordos podres com o PT, pode chegar à tamanha bajulação, não só ridícula como completamente inverossímil do ponto de vista histórico. Dilma e o PT não convocaram nenhuma mobilização séria para defender seu mandato, a Greve Geral que o PCO afirmou que a CUT iria convocar no dia da votação do impeachment virou motivo de piada, simplesmente não existiu. Ao contrário, por seu comportamento servil as instituições capitalistas o plenário do Senado decidiu manter os direitos políticos de Dilma, demonstrando que setores da burguesia desejam manter um “canal aberto” com ela, que se mostrou fiel defensora da “democracia dos ricos”. A repugnante identidade de Causa Operária com a ex-gerente neoliberal da Frente Popular em defesa da democracia capitalista é diretamente proporcional ao “generoso troco” que o PCO recebeu do Planalto na gestão petista para reverenciar Dilma. Para a casta dirigente de Causa Operária não importa que Dilma tenha governado com as oligarquias mais reacionárias, atacado direitos sociais dos trabalhadores como o seguro-desemprego e as pensões, entregue o Ministério da Fazenda para um representante direto dos rentistas, aprovado a “Lei Antiterrorismo” que criminaliza os movimentos sociais, se abraçado com o carniceiro imperialista Kissinger, homem que tramou o golpe militar de 64 no Brasil e apoiou as ditaduras genocidas no continente e finalmente tenha como a mais fiel aliada íntima a latifundiária da UDR Kátia Abreu, assassina dos sem-terra...! Nada importa para o venal PCO, a petista deve ser literalmente endeusada pela sua defesa da democracia apresentada como um “valor universal” acima da luta de classes e que obviamente não questiona o caráter de classe do Estado burguês. Quando deixou a VPR Dilma abriu mão do combate pela revolução socialista (inclusive pela via da luta amada) para se submeter às regras de democracia capitalista, transitou pelo PDT na condição de tecnocrata-gerente dos negócios de governos burgueses como a prefeitura de Porto Alegre comandada por Alceu Collares na década de 80. Ao ingressar depois no PT quando o partido assumiu o governo do Rio Grande do Sul, tornou-se nada mais que uma defensora servil das instituições apodrecidas desse regime bastardo, como o PT de conjunto, mesmo exercendo “funções técnicas”. Agora, no curso do processo de impeachment Dilma foi impotente diante a direita e da pressão do imperialismo, a “gerentona petista” não protagonizou nenhum ato de coragem pessoal e resistência política simbólica como chegou a fazer Getúlio Vargas, ao contrário, sua “Carta ao Senado” (semelhante a “Carta aos Brasileiros” de Lula) lançada justamente na véspera da votação no Senado buscou um acordo com as oligarquias por “Eleições Gerais” em uma prova dessa covardia em todos os terrenos. Lênin nos ensinou o contrário do que praticou o PCO ao eleger Dilma para o “Panteão” da democracia burguesa. Nosso chefe Bolchevique declarou: “No mais democrático Estado burguês, as massas oprimidas deparam a cada passo com a contradição flagrante entre a igualdade formal, que a ‘democracia’ dos capitalistas proclama, e os milhares de limitações e subterfúgios reais que fazem dos proletários escravos assalariados. É precisamente esta contradição que abre os olhos às massas para a podridão, a falsidade e a hipocrisia do capitalismo. É precisamente esta contradição que os agitadores e propagandistas do socialismo denunciam constantemente perante as massas a fim de prepará-las para a revolução!”. Causa Operária recorre à defesa de democracia como um escudo para encobrir suas traições vergonhosas. Primeiro negou-se a lutar contra o ajuste neoliberal da gerentona petista alegando que tais mobilizações “fortaleciam a direita”. Optou por integrar a “Frente pela Democracia” junto com PT, PCdoB e PDT avalizando seus ataques aos trabalhadores. Nas próprias palavras do PCO, criticando no final de 2015 os que supostamente colocariam no mesmo plano a luta contra o ajuste e o suposto “golpe de Estado” declarou: “Insistem em dar igual importância aos ajustes do governo federal e aos ataques da direita, desconsiderando inclusive que os ajustes são uma exigência da própria direita golpista e que a direita quer um golpe justamente para implantar ajustes muito piores. Essa política acaba favorecendo os ataques golpistas contra o governo” (PCO, novembro 2015). Depois, dando sequência a esse caminho canalha, não vacilou em defender a Senadora Kátia Abreu, latifundiária assassina inimiga dos sem-terra, apresentando-a como aliada dos trabalhadores! Solidária com a ganhadora do troféu “motosserra de ouro”, Causa Operária reclamou: “Kátia Abreu pode ser punida por denunciar o golpe” (DCO, 08.09), alegando que “Por defender Dilma Rousseff contra o impeachment a senadora Kátia Abreu (TO) pode ser expulsa do seu partido, o PMDB”.  Agora para justificar sua podre aliança com Kátia Abreu e sua negativa em combater o ajuste neoliberal levado então a cabo pelas mãos de Dilma, o PCO apregoa ser correto apoiar politicamente a Frente Popular porque estamos diante de um Golpe Militar no Brasil! O tragicômico é que o PCO não chama o boicote às eleições “golpistas” de outubro, ao contrário, segue como linha auxiliar do PT afirmando pérolas como “Golpistas querem perseguir Haddad por protestos contra Temer” (DCO, 26.05) quando na verdade o prefeito petista de São Paulo está coligado com os próprios partidos “golpistas”, o PR e PROS além do PDT. Os dois partidos, somados, cederam trinta votos a favor do impeachment de Dilma na votação da Câmara dos Deputados, de um total de 46. No Senado, toda a bancada do PR, com quatro senadores, votou a favor do impedimento de Dilma. O mesmo fez o PDT! Os delírios do PCO são motivamos por suas ilusões do PT. Em julho deste ano o degenerado grupo revisionista escreveu um artigo “A inacreditável política do PT” (DCO, 15.07) em que se mostrava “indignado” com o apoio dos parlamentares petistas ao golpista Rodrigo Maia do DEM no segundo turno das eleições para a presidência da Câmara dos Deputados, omitindo que foi o próprio Lula o artífice desta patifaria. “Inacreditável” é o PCO ter ilusões de que o PT agiria de outra forma, já que esta é a essência da Frente Popular e sua política de colaboração de classes, a mesma que teve o golpista Kassab como ministro até a véspera do impeachment no gabinete de Dilma! Mais recentemente, quando Lula foi denunciando pela reacionária força-tarefa da farsante Lava Jata e “respondeu” a esta ofensiva jurídico-policial da direita reivindicando mais uma vez o pacto social com banqueiros e empresários que “que nunca ganharam tanto no meu governo”, o PCO não fez qualquer denúncia da política covarde e abjeta do PT, calou-se diante da conduta de conciliação entre as classes sustentada por Lula, não o defendendo com total independência política como fez a LBI. O PCO tem essa conduta venal porque suas “ilusões” não estão lastreadas apenas na “confusão mental” (apesar de todos os delirium tremens do Sr. Pimenta e seu séquito familiar) mas pela sua adaptação ideológica ao PT, são produto das benesses materiais que Causa Operária foi agraciada na gestão de Dilma, seus dirigentes foram recebidos como fieis aliados no Palácio do Planalto por defender a democracia burguesa, com a legenda nacional fantasma sendo premiada com verbas do Fundo Partidário que somaram mais de 1 milhão e quinhentos mil reais em 2015. Tamanha dedicação foi produto de um alto grau de corrupção política e material da seita familiar encabeçada pelo Sr. Pimenta, que de tão degenerada vem sofrendo constantes rupturas. O PCO vem perdendo militantes e para sobreviver literalmente compra o apoio de ex-militantes revisionistas para que estes se candidatem por sua sigla oca, a fim parecer aos mais ingênuos que a sigla existe em cidades ou estados que sequer tem intervenção, já que há tempos Causa Operária perdeu suas principais regionais como Paraíba, Rio Grande do Sul e Minas Gerais, restando apenas o trabalho artificial bancado a “peso de ouro” em São Paulo, pelo menos enquanto existir as verbas que lhe são agraciadas pelo TSE, que cresceram bastante nos 13 anos que o PT esteve no Planalto. Esse processo vem de longe desde que se tornou uma legenda menchevique de aluguel sem critérios para filiar militantes e entregar o controle dos diretórios para carreiristas, inclusive de direita a fim de garantir acesso ao Fundo Partidário e, agora mais recentemente, como sublegenda do PT em benefício da camarilha familiar de Rui Pimenta. Por fim, o elemento “curioso” na pretensa teoria universal “antigolpista” do PCO é o fato de que quando se deu a gênese da atual ofensiva reacionária mundial, na destruição da antiga URSS por agentes do capital financeiro internacional, o PCO comemorou profundamente o acontecimento contrarrevolucionário como sendo uma “autêntica revolução política”. Agora em seu giro oportunista, chegam até a defender politicamente o governo reacionário de Erdogan na Turquia e suas medidas de fechamento do regime o que inclui a perseguição aos curdos e ao PKK, “confundindo” a luta contra o golpe militar com o apoio descarado ao governo pró-imperialista turco, o mesmo que ataca Assad na fronteira com a Síria! Da mesma forma subordinaram no Brasil a luta contra o ajuste neoliberal aplicado por Dilma em nome do combate ao “golpe da direita”... que cinicamente agora, segundo a nova sandice do Sr.Pimenta, “já é militar”! Por ser fiel a Dilma, o PCO vem se colocado até mesmo contra a defesa de novas eleições por parte do PT e seus satélites revisionistas, essa pequena seita familiar advoga o retorno do governo neoliberal de Dilma, por seus corruptos laços com a Frente Popular jamais apontam uma estratégia revolucionária na direção da construção de um Governo Revolucionário dos Trabalhadores! Em resumo, estamos diante de um agrupamento que se tornou um apêndice da Frente Popular inclusive em seus aspectos mais escandalosos, Rui Pimenta e os grupúsculos revisionistas corrompidos que gravitam em torno do PCO (e inclusive chamam voto em Causa Operária) não passam de elos bastardos da política de colaboração de classes dessa camarilha corrompida pelo PT. Com uma conduta radicalmente distinta, a LBI desde à primeira hora denunciou a farsa jurídica do “Mensalão”, combateu o Golpe Institucional contra Dilma sem capitular a sua política burguesa e convocou o enfrentamento pela ação direta das massas a escalda fascista, alertando desde a sua gênese o caráter reacionário da "Operação Lava Jato" mesmo quando o PT e Dilma apoiavam entusiasticamente a ações de Moro em nome de fazer uma “faxina ética na política”. Em resumo, esses trânsfugas de Causa Operária são incapazes de lutar pela construção de um autêntico Partido Revolucionário, não sabem enfrentar a pressão da opinião pública da pequena-burguesia “progressista” como nos ensinou Trotsky em seu combate sem tréguas ao reformismo e a socialdemocracia, nosso chefe Bolchevique soube combater a reação fascista e a direita sem capitular a Frente Popular, todo o oposto dos filisteus do PCO e de toda sorte de pulgas revisionistas desmoralizadas que hoje vivem das migalhas e benesses que o PT (mesmo decadente) ainda os fornece pelos serviços prestados como novos adoradores que se curvam obedientes diante do “santo” altar da democracia dos ricos!  
PSOL LIDERA DISPUTA À PREFEITURA DE CUIABÁ: "PROCURADOR MAURO" DEFENDE REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL E CRIMINALIZAÇÃO DO ABORTO, A OUTRA FACE DA FRENTE DE ESQUERDA?


O PSOL está liderando todas as pesquisas na disputa pela prefeitura de Cuiabá, seu candidato majoritário é o procurador federal Mauro César Lara, ou simplesmente como foi registrado no TRE, “Procurador Mauro”. Na única capital do país onde o PSOL já está praticamente assegurado no segundo turno (a disputa em Belém não está definida), seu candidato a prefeito é um notório reacionário fundamentalista cristão, que tenta pegar carona no forjado prestígio midiático da famigerada "Operação Lava Jato". Até aí nenhuma grande novidade, já que até a candidata "Trotskista" Luciana Genro também faz coro com à ofensiva fascista da "República de Curitiba", inclusive na defesa da supressão das garantias democráticas constitucionais, como na plataforma das "Dez Medidas Contra a Corrupção", um verdadeiro libelo de um novo regime autocrático. Porém o "Procurador Mauro" avança em um programa de governo, típico da direita mais conservadora, bem além do que sua "companheira" gaúcha de partido. O "50" em Cuiabá pretende granjear eleitoralmente a franja mais conservadora e abastada da cidade, "colando" sua campanha em bandeiras reacionárias contra o "aborto e os homossexuais", além da defesa da redução da maioridade penal como "forma de diminuição da criminalidade urbana". Respondendo a críticas feitas pelo "pastor" Silas Malafaia a sua campanha eleitoral, o "Procurador Mauro" respondeu da seguinte forma: "Com o objetivo de apoiar outras candidaturas estão espalhando mentiras a meu respeito. Não é verdade o que eles estão dizendo. O meu posicionamento pessoal é o seguinte: sou contra modificações na legislação do aborto, sou contra legalização das drogas, nunca defendi a troca de sexo ou a erotização de crianças. Sou católico praticante, sou cristão, vocês me conhecem, não deixem a mentira, o pânico e o desespero deles enganarem vocês”. Obviamente a cúpula nacional do PSOL está plenamente consciente do "quilate" do caráter político de seu candidato majoritário em Cuiabá, Mauro não é neófito no partido e já disputou a prefeitura em 2012. Por meio de sua assessoria de comunicação, o "Procurador Mauro" rebateu que haja desencontro de ideias entre a Executiva Nacional e o diretório da capital Mato-grossense: "Para a Executiva municipal, o PSOL possui várias correntes de pensamento e o partido é democrático ao acolher as ideias". Questionado sobre um possível ‘puxão de orelha’ da executiva nacional, o "Procurador Mauro" afirmou: "Estou tranquilo quanto seu posicionamento nesta campanha." (Folhamax, 23/09). Longe de ser um "ponto fora da curva", a grotesca candidatura do PSOL em Cuiabá reflete de forma mais cristalina a média política geral dos postulantes do partido nestas eleições, desde a defesa do "capitalismo sustentável" feita por Freixo até as aberrações fundamentalistas do "Procurador Mauro"  existe um fio condutor: A completa ausência de uma estratégia genuinamente socialista e revolucionária para as massas combaterem a ofensiva neoliberal do capitalismo em plena etapa de sua decadência histórica. Apresentar alternativas políticas do viés mercantil de uma Erundina como a expressão da "Frente de Esquerda Socialista", representa uma tremendo estelionato programático contra os princípios mais elementares do Marxismo. O PSOL e seus satélites oportunistas como o MAIS não tem a menor autoridade política para se apropriarem do legado da esquerda e tampouco do socialismo revolucionário, são no máximo uma caricatura liliputiana da velha social-democracia, que em tempos de crise do capital surge para maquiar sua exploração sobre o proletariado mundial. A tal "Frente de Esquerda" apresentada pelo PSOL, que agrupa desde o fanático "Procurador Mauro" até a "Trotskista" Luciana Genro (agora por força da legislação órfã da Gerdau), deve ser vigorosamente denunciada pela Esquerda Classista e Revolucionária como "MAIS" um embuste político que sequer tem vergonha de se perfilar ao lado de fascistas e apologistas de crimes contra a humanidade.  

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

DIRETO DAS MANIFESTAÇÕES DESTE DIA 22: RETROCESSO DAS MOBILIZAÇÕES É PRODUTO DA POLÍTICA DE COVARDIA E ADAPTAÇÃO DA FRENTE POPULAR A OFENSIVA REACIONÁRIA DA BURGUESIA. MILITÂNCIA DA LBI MARCA PRESENÇA COM UM EIXO CLASSISTA DE LUTA PELA DERRUBADA DO GOVERNO TEMER!


As manifestações deste dia 22 representaram um retrocesso diante dos atos ocorridos na primeira quinzena de setembro. Apesar da CUT ter declarado que hoje seria um “esquenta para a greve geral”, o que se viu foi um tremendo “banho de água fria” na luta contra o governo Temer. A pouca presença do ativismo classista reflete a covardia da Frente Popular diante da ofensiva reacionária da burguesia. Distribuindo centenas de panfletos que denunciaram essa verdadeira sabotagem a luta unificada para alavancar a ação direta dos trabalhadores, a militância da LBI interveio nos protestos com um eixo classista de luta pela derrubada revolucionária do canalha golpista, pela via da construção nas bases das categorias da Greve Geral! Nesse sentido, nos delimitamos da proposta de “Eleições Gerais” defendida pelo PT e seus satélites revisionistas, que esperam apenas desgastar Temer para colher frutos eleitorais futuros, uma saída que não fortalece a luta dos explorados por uma alternativa de poder dos trabalhadores!

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

LEIA A ÚLTIMA EDIÇÃO DO JORNAL LUTA OPERÁRIA, Nº 313, 2ª QUINZENA DE SETEMBRO/ 2016



EDITORIAL
Unificar as lutas rumo à Greve Geral contra o golpista canalha Temer e seus ataques aos trabalhadores! Superar a política de colaboração de classes do PT e seus satélites revisionistas! Não as eleições gerais como saída para a crise do regime político burguês! Construir um Governo Revolucionário dos Trabalhadores!

COLETIVA DE LULA NA SEDE DO PT
“Os empresários e bancos nunca ganharam tanto dinheiro como no meu governo, não sei por que não gostam de mim”

A LBI ACUSA
Lava Jato e a anturragem de Moro e Dallagnol de serem o "comando máximo" reacionário e fascista para acobertar a corrupção da Privataria Tucana e a entrega da economia nacional ao imperialismo ianque

PROCURADORES DA LAVA JATO DENUNCIAM LULA PARA MORO ORDENAR SUA PRISÃO...
Estão em curso os passos fundamentais para a gestação do regime Bonarpatista no Brasil

DELTAN DALLAGNOL
O porta voz ortodoxo e fanático do justiceiro/delegado de polícia Moro

PSTU APOIA A LAVA JATO E DEFENDE A PRISÃO DE LULA
Quando o revisionismo Morenista vira um braço da reação burguesa

POSSE DE CARMEM LÚCIA NO STF
Lula vai reverenciar a corte golpista e reacionária com o objetivo de costurar um acordo com as elites dominantes para 2018

CUNHA CASSADO
O bandido do PMDB agora negocia sua impunidade com o justiceiro Moro e o golpista Temer

FRENTE POPULAR LIMITA RADICALIZAÇÃO NO “GRITO DOS EXCLUÍDOS”
Para não derrubar o governo temer, apostando suas fichas nas eleições burguesas

DIRETO DA PAULISTA
Ato pelo “Fora Temer, por Eleições Gerais” é um dos recursos do regime burguês diante da profunda crise política

MANIFESTAÇÕES MULTITUDINÁRIAS NO DOMINGO (04.09)
Abaixo temer! Organizar a greve geral! Lutemos para derrubar o canalha golpista através da luta direta classista e revolucionária...  “Eleições já” não é alternativa dos trabalhadores para a crise do regime político!

LBI IMPULSIONA CHAPA 3 – OPOSIÇÃO DE LUTA DOS PROFESSORES DE FORTALEZA
 “Os trabalhares precisam derrotar os ataques do prefeito Roberto Cláudio e a política de colaboração de classes do PT no Sindiute”

BUROCRACIA CUTISTA ESVAZIA ASSEMBLEIAS DA GREVE NACIONAL BANCÁRIA
Frente Popular ainda insiste em manter o pacto social com os patrões

JORNAL LUTA OPERÁRIA AGORA TAMBÉM NAS BANCAS!
Apoie a imprensa operária e revolucionária na luta contra a direita golpista e a política da Frente Popular

47 ANOS DA MORTE DE HO CHI MINH
Um ícone stalinista que derrotou o imperialismo ianque a serviço da política da paz mundial

ESTADO OPERÁRIO NORTE-COREANO REALIZA NOVO TESTE NUCLEAR E O CARNICEIRO OBAMA AMEAÇA COM MAIS RETALIAÇÕES
Revolucionários apoiam o pleno direito da autodefesa coreana diante das provocações do imperialismo!

VITOR JARA, PRESENTE! NA LUTA PELO COMUNISMO, SEMPRE!
Somente o proletariado vingará plenamente sua morte com a revolução socialista mundial!

O OUTRO 11 DE SETEMBRO
43 anos do golpe no Chile, abstrair as lições da trágica experiência da “via pacífica ao socialismo”

HÁ EXATOS 15 ANOS A LBI MARCAVA A ÚNICA POSIÇÃO DA ESQUERDA REVOLUCIONÁRIA DIANTE DO MAIOR ATAQUE MILITAR (NÃO CONVENCIONAL) JÁ SOFRIDO PELOS EUA EM SEU PRÓPRIO TERRITÓRIO NACIONAL
Uma resposta do Afeganistão aos bombardeios imperialistas desferidos contra seu povo

EUA BOMBARDEIAM TROPAS SÍRIAS MATANDO DEZENAS DE SOLDADOS
Por mobilizações anti-imperialistas em defesa da Síria! Frente única com Assad-Putin para responder a provocativa agressão militar ianque!

terça-feira, 20 de setembro de 2016


UNIFICAR AS LUTAS RUMO À GREVE GERAL CONTRA O GOLPISTA TEMER E SEUS ATAQUES NEOLIBERAIS! SUPERAR A POLÍTICA DE COLABORAÇÃO DE CLASSES DO PT E SEUS SATÉLITES EM DEFESA DAS ELEIÇÕES COMO SAÍDA PARA A CRISE DO REGIME POLÍTICO BURGUÊS! CONSTRUIR UM GOVERNO REVOLUCIONÁRIO DOS TRABALHADORES!

Durante esta segunda quinzena de Setembro estão previstas duas mobilizações nacionais convocadas pelo conjunto das centrais sindicais (CUT, CTB, Força Sindical, Conlutas e a Intersindical). Trata-se de uma ampla “unidade” da burocracia sindical, o que indica não se tratar de um sério combate de classe aos ataques antioperários. Até agora o nível de organização na base para os dias 22 e 29 é bastante tímido. Lembremos que no transcuro desses “dias de luta” ocorre a greve dos bancários e outras categorias tem data base, como petroleiros, químicos e metalúrgicos. Para além das lutas corporativas e economicistas, as atividades estão sendo chamadas formalmente para enfrentar os ataques que o governo golpista do canalha Temer deseja impor ao conjunto dos trabalhadores: fim da CLT, aumento da jornada de trabalho, reforma da previdência e trabalhista, contra o PL 257, a PEC 241 e o PL 4567 e as privatizações, etc. A CUT em particular deseja fazer da manifestação um ato reivindicando os supostos ganhos na gestão burguesa da Frente Popular: “O golpe foi contra a democracia, referência de igualdade, justiça social e respeito aos direitos. Foi contra a classe trabalhadora e contra quem mais precisa de emprego decente e políticas públicas. Esse dia 22 será fundamental para acordamos quem ainda não entendeu que o golpe é contra o povo que avançou em direitos e conquistas na última década”, defendeu Vagner Freitas, presidente da Central. A conduta da CUT e da CTB na greve dos bancários, sabotando uma campanha salarial de verdade, demonstra que essas entidades não desejam radicalizar a luta contra o governo e os patrões, ainda buscam manter o pacto social imposta na época de Lula e Dilma. Nada podemos esperar do sindicalismo amarelo mafioso. Uma série de entidades (MTST, Intersindical) vão defender nos dias 22 e 29 as “Diretas Já”, usando as mobilizações das categorias como ponto de apoio para sua política que aponta o terreno eleitoral como saída “democrática” para a crise do regime político. Desta forma desviam a luta nas ruas para o terreno eleitoral onde a burguesia e suas instituições tem controle, impondo como “alternativas” a Temer o “Volta Lula” ou no máximo o apoio à futura candidatura presidencial do PSOL. Por seu turno, a Casa Branca e a Rede Globo já trabalham com a possibilidade do golpista do PMDB ser substituído futuramente pelo Bonarparte Juiz Moro ou algum nome da “República de Curitiba” que represente uma mudança estratégica no regime político, com traços cada vez mais fascistas e de recrudescimento da repressão. A denúncia contra Lula pelo MPF demonstrou esse objetivo, uma sanha fascista que o movimento de massas deve rejeitar e denunciar. Em nome da LBI e dos sindicalistas revolucionários da TRS nos opomos que as lutas deste final de Setembro tenham esse eixo político distracionista. Nosso método é preparar a Greve Geral, nossa estratégia é construir o poder dos trabalhadores, nesse caminho a luta para derrotar o governo Temer deve ser a ação direta e revolucionária, nunca uma alternativa nos marcos das apodrecidas instituições burguesas. Ao contrário, denunciamos o circo eleitoral da democracia dos ricos e empunhamos o combate por uma alternativa de poder dos trabalhadores, que passa longe de qualquer modelo de gerência da crise capitalista, seja sociademocrata ou neoliberal!

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

NA PRAÇA DA SÉ NO CENTRO DE SÃO PAULO, PALCO DE LUTAS HISTÓRICAS DO POVO OPRIMIDO E DA JUVENTUDE, OS MILITANTES DA ESQUERDA CLASSISTA JÁ PODEM ADQUIRIR O JORNAL LUTA OPERÁRIA E OUTRAS PUBLICAÇÕES DA LBI. NA "BANCA DO AURÉLIO" TODO MÊS UMA NOVA EDIÇÃO DO JLO!


A militância da LBI em São Paulo vem participando ativamente das manifestações contra o governo Temer, levantando a necessidade de construir a Greve Geral como método de luta para avançar nas condições de derrubar pela via revolucionária a gerência neoliberal do rato golpista do PMDB. Estivemos nas marchas contra Temer quando passamos para a vanguarda de esquerda paulista dezenas de exemplares do Jorna Luta Operária. Para facilitar o acesso da militância política ao JLO, periódico que quinzenalmente vai às ruas cobrindo os principais fatos da luta de classes nacional e internacional, decidimos colocar nossa tribuna partidária nas bancas de revista. Em São Paulo, o Jorna Luta Operária está à disposição do ativismo classista e revolucionário na “Banca do Aurélio”, localizada bem no centro da capital paulista, na histórica Praça da Sé, local onde ocorrem o grosso das manifestações populares e palco dos protestos contra a ditadura militar e pelas “Diretas Já” na década de 80. Assim, além do Blog da LBI que é atualizado diariamente na internet e da tradicional venda militante direta, os lutadores podem encontrar o JLO nas bancas das principais cidades do país. Não deixe de adquirir seu exemplar do JLO, fortalecendo como dizia Lênin o “organizador coletivo” de nossa corrente política trotskista, órgão militante responsável por levar um combate de classe sem tréguas à direita burguesa e a política de colaboração de classes do PT.

domingo, 18 de setembro de 2016

EUA BOMBARDEIAM TROPAS SÍRIAS MATANDO DEZENAS DE SOLDADOS: ORGANIZAR MOBILIZAÇÕES ANTI-IMPERIALISTAS EM DEFESA DA SÍRIA! FRENTE ÚNICA COM ASSAD-PUTIN PARA RESPONDER A PROVOCATIVA AGRESSÃO MILITAR IANQUE!

Aviões F-16 dos EUA realizaram 4 ataques aéreos contra as tropas do exército sírio neste sábado, 17 de Setembro. Morreram 62 militares e cerca de 180 ficaram feridos. Os bombardeios ocorreram quando as tropas governamentais sírias estavam cercando os mercenários do EI, em uma clara ação de colaboração entre o imperialismo ianque e os “rebeldes” em terra. As aeronaves da coalizão entraram no espaço aéreo da Síria a partir da fronteira iraquiana. Após os ataques, os terroristas do EI iniciaram uma ofensiva contra o governo Assad. O governo da Rússia denunciou a ação norte-americana pró-EI: “Se antes tínhamos suspeitas de que a Frente al-Nusra é protegida desta maneira, agora, depois dos ataques aéreos de hoje contra o exército sírio chegamos a uma conclusão realmente aterrorizante para o mundo inteiro: a Casa Branca está defendendo o EI”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores russa, Maria Zakharova, em transmissão pelo canal de televisão Rossiya 24 (Sputinik, 17.09). A declaração é uma resposta contundente à administração Obama após um comunicado do Comando Central dos EUA sugerindo que a coalizão liderada pelos Estados Unidos tinha avisado a Rússia antes de lançar os ataques aéreos contra posições do Exército sírio em Deir Ez-Zor neste sábado, ocorridos mesmo após a celebração de um “cessar fogo”. Esse alerta não existiu. O general russo Vladimir Savchenko disse que “a situação está piorando, com as forças rebeldes aumentando o número de ataques desde que o acordo entrou em vigor, em 12 de setembro”. Cinicamente os EUA dizem que o ataque foi um “acidente” mas na verdade trata-se de uma ação planejada para gerar desestabilização na aliança entre Rússia e Síria além de apoio militar indireto aos “rebeldes”. Na verdade, o cessar-fogo costurado pela ONU vem servindo de oportunidade para os terroristas do EI e da Frente Al-Nursa se reagruparem justamente no momento em que estavam sendo esmagados pelas tropas sírias. No sábado à noite, a Rússia convocou uma sessão de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas para tratar dos ataques aéreos da coalizão liderada pelos EUA contra o Exército sírio, que desmoralizou o  acordo de cessar-fogo que entrou em vigor no início desta semana. Antes da reunião, quando o representante permanente da Federação da Rússia já estava presente na sala de consultas da ONU, a representante dos EUA, Samantha Power, se aproximou dos jornalistas e chamou a iniciativa russa de convocar a reunião de “ação cínica e hipócrita”. A porta-voz Maria Zakharova disse “Vamos exigir de Washington explicações completas e muito detalhadas que deverão ser expostas ao Conselho de Segurança da ONU” e afirmou “Esses ataques colocam em risco tudo o que foi conquistado até agora pela comunidade internacional", pelo Grupo Internacional de Apoio à Síria, por Moscou e por Washington, padrinhos do processo de paz na Síria, afirmou Zakharova. O caminho diplomático pelo governo Putin não levará a qualquer desfecho favorável a Síria. Os trotskistas revolucionários que defendem a nação oprimida síria frente a agressão imperialista, alertamos dos perigos desta estratégia de fechar um acordo com os EUA na ONU que vem servindo para o EI se reagrupar, como reconheceu o próprio Assad. Compreendemos que as negociações na ONU de forma alguma são o caminho para barrar a ação militar ianque. Defendemos que o caminho justo para a luta em defesa da soberania nacional síria é justamente a ampla denúncia da farsa montada pelo imperialismo e seus “rebeldes”, chamando a solidariedade internacional dos trabalhadores e das nações oprimidas, assim como unidade militar em torno da defesa da Síria. Efetivamente, há no planeta um amplo sentimento de rechaço à possível agressão dos EUA a Síria, entretanto faz-se necessário estimular esta tendência política não para o pacifismo pequeno-burguês como temos visto em várias manifestações “pela paz” ou em favor de uma “transição política” (que de fato signifique a rendição da Síria), mas para impulsionar a luta internacionalista do proletariado mundial no sentido da defesa da nação oprimida contra os “rebeldes”, o imperialismo ianque, Israel e as petromonarquias árabes! A defesa militar das nações semicoloniais agredidas pelos abutres imperialistas continua neste momento sendo o centro político da intervenção da classe operária árabe, independente dos regimes burgueses autocráticos. Defendemos incondicionalmente o direito da Síria a utilizar todos seus recursos militares (convencionais ou não) em resposta a agressão imperialista à soberania de seu território, inclusive as armas químicas contra o enclave sionista de Israel! Assad sabe muito bem que na “hora H” não poderá contar com o efetivo apoio militar da Rússia e China, apesar das manobras diplomáticas na ONU contra a ofensiva dos EUA. A principal lição programática a ser abstraída pela classe operária mundial, diante do rufar dos tambores de guerra no Oriente e Ásia, é que a tarefa do verdadeiro internacionalismo e solidariedade ativa entre os povos, somente pode ser praticada por organizações revolucionárias. Cabe à vanguarda mais combativa e consciente do proletariado lutar incondicionalmente contra a agressão imperialista. Diante da ação provocativa da Casa Branca é hora de organizar mobilizações antiimperialistas em todo planeta em defesa da Síria! No caminho inverso ao que propõe Putin, está mais do que na hora dos países que se opõem em palavras à agressão neocolonialista contra a Síria (Irã, Rússia, China e Venezuela) forneçam armas e enviem brigadas ao país, assim como o Hezbollah e a resistência palestina ataquem Israel, que patrocina os mercenários do EI. As milícias populares que apoiam o governo Assad ou se colocam contra a agressão ao país devem exigir, por sua vez, que o governo sírio abra os depósitos de armas e munição para os militantes nacionalistas e voluntários de outros países. Uma posição revolucionária neste exato momento passa por estabelecer uma frente única militar com as forças que estejam dispostas a lutar na defesa do atual regime, contra os rebeldes da reação imperialista, com absoluta independência de classe em relação ao governo nacionalista burguês. O único caminho para derrotar a ofensiva contra a Síria é chamando a unidade anti-imperialista em nível mundial. Por esta razão nos opomos a proposta russa. Entretanto declaramos sem a menor hesitação que a nossa trincheira de combate é a nação Síria, incluindo a conformação de uma frente única militar com o regime nacionalista burguês de Assad, mas sem capitularmos a ele e nem a seus aliados burgueses! De nossa parte, como marxistas revolucionários, compreendemos que a única forma de derrotar a agressão em curso é através da unidade revolucionária do proletariado sírio com seus irmãos da região, particularmente os iranianos e palestinos, para expulsar o imperialismo e a OTAN do Oriente Médio e impedir que a barbárie social imposta na Líbia se repita em outros países, hecatombe cinicamente apresentada como uma “revolução” pela Casa Branca e vergonhosamente apoiada por setores da esquerda mundial.

sábado, 17 de setembro de 2016

DELTAN DALLAGNOL: O PORTA VOZ ORTODOXO E FANÁTICO DO JUSTICEIRO/DELEGADO DE POLÍCIA MORO

Sérgio Moro é um juiz federal de primeira instância em Curitiba, mas sem o menor carisma pessoal carrega a frustração de não ter se tornado delegado de polícia, daqueles truculentos que mal conseguem balbuciar uma frase com algum nexo linguístico. Porém Moro encontrou sua "alma gêmea" falante, trata-se de Deltan um fanático batista membro de uma destas seitas ungidas pelo imperialismo ianque para "evangelizar" os povos "bárbaros". Dallagnol tem grandes aspirações políticas e apesar de jovem é considerado no interior da "Lava Jato" seu principal orador e publicista. Fascista por convicção ideológica, assim como Moro comparte da "missão" de eliminar do cenário nacional o que consideram ser a esquerda com forte vínculo na camada proletária da população brasileira. Para este senhor, que se proclama integrante de uma “casta pura” escolhida e designada por Deus para abolir o pecado dos “impuros” (leia-se ativistas e dirigentes de partidos e movimentos sociais de esquerda) pode-se recorrer até a tortura para obter provas desde que esta bárbara ação esteja baseada na “boa-fé”, nada mais parecido que do queimar gente na fogueira. Por esta razão, em suas pregações nas igrejas evangélicas defende a antecipação de penas e outros agravamentos para os que estiverem envolvidos em corrupção, obviamente ess regra “divina” não vale para "escolhidos" como Temer, FHC, Renan e Aécio, que estão livres para atacar o PT. São por todos esses elementos reacionários que é tarefa da esquerda classista e revolucionária, assim como de todos as entidades democráticas e populares empreenderem uma jornada nacional de luta e denúncia política da farsa da Lava Jato, uma operação jurídico-político voltada a atacar o conjunto do movimento operário!


Enganam-se os que pensam que a "Lava Jato" tem por objetivo exclusivo a "caçada" judicial ao PT, Dallagnol, o "quadro" formulador da Força Tarefa da direita pró-imperialista, já explanou cristalinamente que a "República de Curitiba" pretendia não só remover o governo petista como também alterar profundamente o regime político vigente. Para esta "tarefa divina" não descartam depurar institucionalmente o PMDB e PSDB, na medida em que a conjuntura permitir, ou seja, caso o governo Temer "engasgue" na aplicação das reformas neoliberais exigidas pelo mercado financeiro, o Tea Party tupiniquin estaria a postos para assumir as rédeas do regime político, reconfigurando radicalmente a constituição "democrática" de 1988. A plataforma da Lava Jato " 10 medidas contra a corrupção"( escandalosamente apoiada por Luciana Genro e PSTU) já é um esboço reacionário do programa do novo regime que defendem para o país.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

PSTU APOIA A LAVA JATO E DEFENDE A PRISÃO DE LULA: QUANDO O REVISIONISMO MORENISTA VIRA UM BRAÇO DA REAÇÃO BURGUESA

Acabamos de ter acesso à posição escandalosa do PSTU apoiando a denúncia do procurador protofascista Deltan Dallagnol contra Lula, uma artimanha jurídica reacionária que deve desembocar na prisão do ex-presidente pelo Juiz “nacional” Sergio Moro. Eduardo Almeida, dirigente máximo do partido, afirma textualmente seu apoio a Lava Jato e a ação repressiva do Estado burguês contra o dirigente do PT: “Lula foi denunciado pelo MPF e existe a possibilidade de que seja preso... Nós defendemos a prisão e expropriação dos bens de todos os corruptos. E isso significa exigir a prisão de Lula e também de Aécio e Renan pelo envolvimento na Lava Jato, de Alckmin pelo roubo da merenda escolar, e assim por diante. Ter uma política diferente nos tornaria cúmplices de Lula, e enfraqueceria completamente a luta contra a corrupção também do PSDB e do PMDB”. O PSTU tenta cinicamente justificar sua posição apoiando-se no conceito de que “todos são corruptos, logo todos devem ser presos” pelos organismos repressores do Estado capitalista. Para os Marxistas Revolucionários não se trata de adotar os conceitos típicos da pequena-burguesia moralista, a mesma que é base para os protestos da direita contra o PT que desembocou no Golpe Institucional contra Dilma, mas compreender que a justiça no Estado capitalista tem um caráter de classe. Justamente por esse “detalhe” desprezado pelo PSTU é que somente o PT está sendo de fato alvo da Operação Lava Jato, seus dirigentes históricos vêm sendo presos e Lula deve ir para a prisão em breve, enquanto os ratos da política burguesa como FHC, Temer, Aécio e Renan continuam livres. A denúncia do MPF é claramente um show midiático reacionário para atacar inicialmente Lula e o PT para na sequência perseguir toda a esquerda, inclusive os setores revolucionários que nunca apoiaram ou integraram os governos da Frente Popular. Esses fatos demostram que está em curso um processo de recrudescimento repressivo do regime político que tem como alvo não só o PT, mas o conjunto da esquerda e os movimentos sociais. O objetivo estratégico desta operação é cercear as parcas liberdades democráticas e criar um ambiente político propício para alinhar servilmente o Palácio do Planalto às ordens do imperialismo ianque e da Casa Branca na rapinagem da economia nacional. O descaramento oportunista do PSTU é ainda mais vergonhoso porque tem "duas caras", enquanto defende a Lava Jato para "ficar de bem" com a opinião pública da classe média "ética", no campo político dos movimentos sociais continua chamando de "companheiros de luta" os dirigentes do PT e da CUT para não "ficar mal" com o ativismo que segue a enorme influência da Frente Popular.

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

COLETIVA DE LULA NA SEDE DO PT: "OS EMPRESÁRIOS E BANCOS NUNCA GANHARAM TANTO DINHEIRO COMO NO MEU GOVERNO, NÃO SEI POR QUE NÃO GOSTAM DE MIM"


Parece que Lula e a direção nacional do PT ainda não entenderam muito bem o que está se passando no país. O ex-presidente da república insiste em convencer as forças políticas da reação e da direita institucional que realizou o "melhor governo da história do Brasil" e por esta razão deve ser anistiado da ofensiva golpista em pleno curso ascendente. Com um discurso emocionado, reivindicando o acesso dos pobres ao mercado de consumo e a "bancarizacão" de 70 milhões de brasileiros, Lula pensa demover a famigerada Lava Jato de sua sanha fascista em prendê-lo e criminalizar o PT, além do conjunto dos movimentos sociais. Lula afirmou que o Brasil cresceu economicamente e ganhou respeito internacional nas gestões da Frente Popular, mas pouco falou da subordinação do país aos interesses dos rentistas do cassino financeiro de Wall Street. Disse ainda que tinha orgulho dos políticos que tinham que se submeter ao voto a cada quatro anos e de suas alianças com as oligarquias burguesas mais reacionárias para manter a "governabilidade de coalizão". Porém o mais importante não foi dito e tampouco convocado o movimento de massas: Derrotar a ofensiva golpista que neste momento se apoia fundamentalmente no prestígio da "Operação Lava Jato", obtido com todo o suporte da mídia corporativa deste país. A equipe do justiceiro Moro tem sido poupada e até mesmo prestigiada desde o primeiro governo da presidenta Dilma, atuam acima da própria Constituição e agora já sonham em comandar diretamente o regime vigente, nacionalizando a malfadada "República de Curitiba". A estratégia adotada pela cúpula do PT consiste em chamar a solidariedade da burguesia nacional contra a caçada humana a Lula promovida pela Lava Jato, acontece que a classe dominante compreende que o ciclo histórico do "neodesenvolvimento" lulista está encerrado. Por isso mesmo não é conveniente e oportuno arriscar a possibilidade de Lula chegar novamente ao Planalto em 2018, a função de Moro e sua anturragem judiciária é exatamente esta. Porém a Lava Jato, como literalmente definiu o Procurador Geral Janot: "é bem maior do que todos nós", ou seja, trata-se de um operativo montado desde a Casa  Branca, com a mirada voltada na reordenação da economia brasileira. Não pode haver pedido de clemência, por mais emocionado da parte de Lula, que faça recuar a tática de Moro em desmoralizar o PT pelas fartas "comissões" recebidas por todos os dirigentes do partido. É fato inconteste que o próprio Lula e as lideranças da Frente Popular se beneficiaram pessoal e politicamente com as "comissões" pagas pelos grandes grupos econômicos em função de cada transação comercial realizada com o estado capitalista, mas não é por este motivo que estão sendo processados e presos. Não existe um único gestor estatal desta república, desde Deodoro até o atual golpista Temer, que não tenha recebido as "comissões", conhecidas popularmente com a alcunha de "propinas". A república do "propinoduto", como afirmou o protofascista Dallagnol não foi criada pelo PT no governo Lula, o grande "crime" das gerências estatais da Frente Popular talvez tenha sido o de "baixar e democratizar" os valores recebidos de cada comissão, e isto parece ter perturbado a elite dominante. As "comissões" são um produto inerente ao modo de produção capitalista, para acabá-las somente instaurando um outro regime econômico, o socialismo, e isto hoje Lula foi bastante sincero ao afirmar que nunca em seu governo pretendeu "abraçar"  a expropriação do capital. O fato de reconhecermos, como Marxistas, que Lula também recebeu " comissões", não outorga nenhuma legitimidade ou mesmo legalidade nas ações do Ministério Público, afinal deveriam começar pelas "comissões " bem mais robustas como as da Privataria Tucana. O Estado capitalista e suas instituições fraudulentas (STF, MPF, etc...) não podem ter a menor autoridade histórica para criminalizar os setores nacionalistas de esquerda da burguesia, como o PT ou na sua época o Brizolismo, repetimos mais uma vez trata-se de uma farsa, somente os próprios trabalhadores no curso da revolução proletária terão a missão de estabelecer seus próprios organismos de poder para construir sua justiça classista. A intervenção pública de Lula foi brilhante do ponto de vista político da demagogia eleitoral, porém inócua do ângulo de convocar a resistência direta das massas para defenestrar a ofensiva fascista que aponta na perspectiva de eliminar as conquistas sociais e democráticas da classe operária.
PROCURADORES DA LAVA JATO DENUNCIAM LULA PARA NA SEQUÊNCIA MORO ORDENAR SUA PRISÃO...ESTÃO EM CURSO OS PASSOS FUNDAMENTAIS PARA A GESTAÇÃO DO REGIME BONARPATISTA NO BRASIL


A chamada “força tarefa” da Operação Lava Jato, sob o comando do procurador Deltan Dallagnol, acaba de denunciar formalmente Lula como “comandante máximo do esquema de corrupção que assaltou o Estado brasileiro”. Como caracterizamos, passado o impeachment de Dilma, a “República de Curitiba” iria se voltar diretamente contra Lula, visando sua prisão. É um lance arriscado mas pelo visto a chamada “nova casta pura” está mesmo disposta a impedir que Lula seja candidato em 2018 ou mesmo uma opção da burguesia no caso de eleições antecipadas. Com métodos jurídicos típicos do fascismo pavimentam o caminho para um regime bonapartista em nosso país, a ser comandado por um de seus iluminados, ligados as igrejas pentecostais ou treinados pelo Departamento de estado ianque. Todos os elementos para a denuncia são requentados, patéticos e totalmente secundários, tanto que Dallagnol declarou “Não temos como provar. Mas temos convicção”. O que chama a atenção é que o procurador apontou um regime de “propinocracia” se referindo ao método criado por Lula e o PT para se manterem a frente do governo central por 13 anos, via a cobrança de comissões das estatais, um método sabidamente utilizado desde o nascimento da República. Não resta há menor dúvida que o conjunto do PT e seu arco de sustentação política reproduziu o velho “metiê” da cobrança de "comissões" (propinas como a mídia corporativa gosta de chamar) em cada operação comercial praticada pelo estado burguês. Entretanto caracterizamos as prisões e fustigamentos jurídicos da Lava Jato voltadas exclusivamente a eliminar do mapa nacional a influência política do PT. Não por acaso o centro estratégico da Lava Jato é exaurir a Petrobras e as empreiteiras brasileiras que estabelecem parceria com a estatal. Não somos ingênuos e denunciamos os interesses diretos das transnacionais imperialistas na quebra das reservas nacionais, "legitimadas" agora pela desmoralização midiática das estatais e de grandes empresas brasileiras. Em resumo, as acusações visam criminalizar o PT, prender Lula e incrementar a ofensiva contra as liberdades democráticas em nosso país.  A Lava Jato tem um objetivo determinado de criminalizar as lideranças de esquerda, particularmente o PT, impulsionando uma histeria reacionária no país que já provocou o impeachment de Dilma. Sem avalizar por um só momento a política desastrosa do PT, o movimento de massas deve ganhar as ruas para combater a escalada da direita e do fascismo, que mais cedo do que tarde se voltará contra o conjunto da vanguarda operária em nosso país. Entendemos que a defesa política, e não meramente jurídica, de Vaccari, Dirceu, e agora de Lula, se mantém necessária diante da ofensiva direitista contra o conjunto da esquerda e os movimentos sociais. Nós da LBI não nutrimos nenhuma afinidade programática ou política com Lula e outros dirigentes do conjunto da Frente Popular que promoveu ataques aos direitos e conquistas dos trabalhadores à serviço do capital financeiro. Entretanto os Bolcheviques sabemos muito bem distinguir o fascismo da Frente Popular, o primeiro embrulhado no discurso da moralização e ética da coisa pública e o segundo atolado e refém da sua própria política de colaboração de classes. A defesa política de Lula é um ato de enfrentamento com a brutal ofensiva ideológica da direita e não pode ser confundido com o apoio ou solidariedade ao programa burguês da colaboração de classes levado a cabo pelo PT. Cúmplices diretos da “Lava Jato” PSTU, a CST e o MES (correntes internas do PSOL) apostam no prestígio midiático do fascista Moro para tentarem obter algum dividendo eleitoral na velha “caça às bruxas” da direita tupiniquim. Nesta conjuntura de ofensiva reacionária em toda a linha, a tarefa dos Leninistas é denunciar vigorosamente a denuncia do MPF contra Lula assim como a estratégia de colaboração de classes que levou o PT a completa subserviência diante da burguesia mesmo quando seus quadros históricos são perseguidos e presos, tendo o encarceramento de Lula no horizonte próximo como parte da sanha reacionária em curso no país. É necessário defender publicamente nas ruas e nas lutas as lideranças perseguidas do PT contra a trama da direita reacionária que deseja entregar a economia nacional ao completo domínio dos monopólios imperialistas. Esta tarefa necessariamente precisa estar combinada com o chamado à mobilização direta dos trabalhadores contra o ajuste neoliberal que antes era levado a cabo por Dilma e agora está sendo aprofundado por seu vice golpista, o rato Temer. Por fim alertamos que na população desorganizada o ódio concentrado a corrupção estatal generalizada não será capitalizado pela esquerda revolucionária, estas camadas sociais ainda estão muito longe de compreender que somente a revolução socialista poderá eliminar o sistema de acúmulo patrimonialista dos políticos no regime burguês. Um cenário fértil para o surgimento de novos "salvadores da pátria", como Moro ou Deltan Dallagnol, candidatos a Bonaparte em nosso país. Como já dissemos anteriormente, o impeachment de Dilma, colocando no Planalto um governo Temer/Tucano passa bem longe de qualquer planejamento mais “sério” da burguesia nacional, é apenas uma frágil medida temporária que a classe dominante foi forçada a aceitar contra a Frente Popular, mas já o está desgastando porque é formado por setores lúmpens-burgueses. O grau de desmoralização da gestão golpista em curso tende a colocar o país em uma etapa de profunda instabilidade institucional. A alternativa que melhor se coaduna para um futuro próximo para preservar os interesses do capital seria a convocação de uma nova eleição, empossando um outro governo, em uma composição de forças políticas não identificadas com as velhas estruturas tradicionais do establishment. Neste cenário emerge a figura de um Bonaparte, que venha para livrar o país da “sujeira da corrupção”, tendo coragem suficiente para colocar na cadeia grandes burgueses nacionais. É óbvio que todo este embuste, que nasceu com a justificativa de “limpar a Petrobras” tem como pano de fundo a quebra das principais empresas capitalistas que ainda detém maioria de controle acionário nacional, como as empreiteiras e a própria Petrobras. Por esta razão o motor que alimentou a destituição de Dilma não foram as fictícias “pedaladas fiscais” e sim a famigerada “Lava Jato” e suas “revelações” produzidas nos estúdios da Rede Globo de modo a entronar o bonaparte Moro. Desgraçadamente as forças da esquerda (PSTU, PSOL e até o PT) não percebem o que está em curso no país e majoritariamente chancelam as bases programáticas da Lava Jato (mais além de críticas pontuais aos seus “exageros”), desta forma pavimentam politicamente o caminho para o surgimento do neobanapartismo no Brasil, este sim um viés muito mais nocivo aos interesses históricos dos trabalhadores do que o Golpe Institucional ou a permanência do governo Dilma. Como nos definiu brilhantemente o velho Marx, o bonapartismo emerge no impasse das classes dominantes, uma espécie de empate na correlação de forças sociais, catapultando um governo “acima” da disputa entre as frações burguesas. Em nosso caso concreto o bonapartismo “Moriano” terá a “missão” de eliminar todas as barreiras legais para a penetração do capital internacional nos negócios e obras públicas do Estado Nacional, serão eliminadas todas as reservas de mercado para a atuação das transnacionais no país. Quanto as reformas previdenciárias e trabalhistas que já tramitam no Congresso deverá se manter a mesma linha fiscal definida pelo governo golpista de Temer, caso este não tenha mais tempo de concluir seu projeto neoliberal. Como feras que provaram o gosto de sangue na boca, a matilha do justiceiro não irá recuar, exigem a rendição total da Frente Popular, que agora inclui a denúncia do MPF contra Lula e sua futura prisão. Nesta conjuntura de aguda crise, o bando bonapartista com o apoio da Rede Globo deve avançar rumo ao Planalto. Esta opção “Moro” das classes dominantes mais vinculadas ao imperialismo ianque vem sendo pacientemente costurada desde a gênese da Lava Jato. Para alcançar esse objetivo escolheram primeiro prender Lula. Cabe ao movimento de massas resistir a essa ofensiva. A LBI compreende que só há uma maneira de barrar a escalada fascista chefiada por Moro e seus "compadres" da Famiglia Marinho que alimentaram as manifestações reacionárias contra o PT e o conjunto da esquerda: colocar a classe operária em movimento, apoiando por exemplo a mobilização metalúrgica do dia 29 e a paralisação nacional dos professores em 22 de setembro rumo a construção de uma Greve Geral, para forjar as condições de luta direta para colocar abaixo Temer e implodir os planos bonapartistas da burguesia pró-imperialista!