quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

SAUDAMOS COMO PROGRESSISTA A UNIDADE MILITAR ENTRE RÚSSIA E VENEZUELA CONTRA O IMPERIALISMO IANQUE E SEUS GOVERNOS LACAIOS NA AMÉRICA LATINA!


Acabaram de chegar na Venezuela procedentes da Rússia dois bombardeiros estratégicos russos Tu-160, um avião de transporte militar An-124 e uma aeronave IL-62. Trata-se de uma demonstração concreta da unidade militar entre Putin e Maduro contra as ameaças e provocações da Casa Branca assim como de seus lacaios na América Latina, particularmente dos governos do Brasil e Colômbia. Bolsonaro, que assume em janeiro e Iván Duque, marionete de Uribe, são declarados inimigos do governo chavista. A chegada dos aviões russos ocorreu justamente no momento em que Maduro acusa o Pentágono e a CIA de estarem planejando um golpe de estado na Venezuela. O presidente venezuelano acusou nesta quarta-feira (12) os Estados Unidos de liderarem um complô com os governos de Brasil e Colômbia para derrubá-lo e assassiná-lo. Em entrevista coletiva, Maduro afirmou que John Bolton, conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, incentiva “ações de provocação” dos dois vizinhos na fronteira, particularmente o neofascista Bolsonaro. Referindo-se ao Brasil ele afirmou: “Dizer que uma força militar brasileira vai invadir a Venezuela é coisa de louco. Vocês acham que nesta terra não há quem a defenda? Que não se enganem nunca, porque vamos a dar eles uma lição que não vão esquecer por mil anos. Vamos dar uma lição de dignidade e de força também. Aos loucos da ultradireita, seja do Brasil, da Colômbia ou de onde seja”. A capacidade militar dos aviões russos somada com o poderio da força aérea venezuelana podem arrasar com as forças armadas brasileira e colombiana em menos de 24hs. Há uma semana, Maduro se encontrou com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, em Moscou. Na ocasião, o russo afirmou repudiar “uso da força” para mudar a situação política na Venezuela em uma clara mensagem contrária as ações da Casa Branca e seus fantoches na América Latina. Putin ainda enviou à Venezuela aviões militares capazes de transportar armas nucleares, em um exercício de cooperação militar bilateral. Os Marxistas Revolucionários da LBI saúdam como progressiva a unidade militar entre a Rússia e a Venezuela contra o imperialismo ianque e seus governos lacaios na América Latina. Não nutrimos ilusões na capacidade revolucionária do Chavismo e do governo Maduro ultrapassar suas limitações históricas de um movimento radicalizado da burguesia nacionalista, entretanto combatemos na mesma trincheira antiimperialista quando se trata de combater o maior inimigo dos povos e seus fantoches. Nessa unidade de luta devemos sempre apontar o caminho do enfrentamento revolucionário com os setores da burguesia nativa subordinada aos interesses do “grande Amo do Norte”. A senda correta a ser percorrida é apoiar o combate direto contra as provocações ianque e ao mesmo tempo apostar na defesa e ampliação das conquistas sociais da classe operária, forjando no calor da batalha um programa genuinamente comunista de completa ruptura com o nacionalismo burguês. Devemos convocar a vanguarda classista para a ação direta, contemplando uma plataforma de formação de milícias de autodefesa armadas assim como a nacionalizações de grupos econômicos sob o controle dos trabalhadores e socialização do latifúndio, como um passo concreto rumo a Revolução Proletária. No curso desse combate não nos furtaremos em apoiar todas as iniciativas no campo do nacionalismo burguês que se choquem objetivamente com o imperialismo ianque, para nessa trincheira de luta forjar na vanguarda venezuelana um autêntico Partido Operário Revolucionário!



terça-feira, 11 de dezembro de 2018

TOTALMENTE OMISSA AO "FABRÍCIOGATE", LAVA JATO ATUA PARA DESCARTAR OUTRO ENTULHO JÁ APODRECIDO: ATÉ TUCANOS PEDEM A EXPULSÃO DE AÉCIO


Em meio a revelação dos esquemas de "arrecadação" mafiosa da família Bolsonaro, a Lava Jato volta à cena para remoção dos entulhos agora apodrecidos, mas que já foram muito úteis na organização do golpe parlamentar que apeou o PT do governo central, pela via do impeachment da presidente Dilma Rousseff. A "bola da vez" é o senador Aécio Neves, ex-presidente do PSDB e que agora parece ser uma "sombra" política completamente inútil a escalada neofascista, inclusive em seu estado de Minas Gerais. Depois de se livrar dos dejetos de Sérgio Cabral, Eduardo Cunha, Pezão e outras "lideranças" do corrompido MDB, a Lava Jato inicia sua "faxina"  sobre os caciques tucanos que perderam sua influência política nas últimas eleições, começando pelo neto de Tancredo Neves, o "fundador" do regime da "Nova República" em 1985. Requentando as velhas acusações acerca da poderosa trama de "irrigação" de "caixa dois" da JBS, a Lava Jato identificou o óbvio: Aécio Neves e sua família embolsaram quase meio bilhão de Reais da chamada "farra do boi". A questão colocada é porque da cumplicidade expressa pela cúpula do judiciário em retardar ao máximo o "enquadramento" de Aécio, permitindo inclusive que o fracassado senador concorresse ao posto de deputado federal nas últimas eleições para continuar com a prerrogativa do foro privilegiado de parlamentar. Justamente neste momento em que veio à tona o esquema de arrecadação "siciliana" da famiglia Bolsonaro, a Lava Jato "acordou da soneca"  que deixou Aécio livre para obter o seu novo posto parlamentar para postergar sua prisão. Somente muito tolos ou "idiotas úteis" da esquerda reformista podem crer que a Lava Jato é uma operação de combate a corrupção estatal. O mecanismo da "República de Curitiba" justiceiro Moro não passa de uma mera substituição de "corruptos inúteis" por "corruptos úteis" a ofensiva neoliberal orquestradas diretamente pelo imperialismo ianque para aniquilar os resquícios da nossa economia nacional. A nova elite política neofascista hegemônica no atual regime bonapartista é tão corrupta ou mais do que as velhas oligarquias dominantes. A Frente Popular (PT e PCdoB) e seus apêndices como o PSOL, apenas contribuem para disseminar ilusões que sob o modo de produção capitalista seria possível eliminar a corrupção no interior do Estado Burguês, elegendo "políticos honestos"...
EM 11 DE DEZEMBRO DE 1910 NASCIA NOEL ROSA: O MAGISTRAL COMPOSITOR E POETA BOÊMIO QUE FOI O PRIMEIRO INTELECTUAL PARCEIRO DO SAMBA NASCIDO NOS MORROS PROLETÁRIOS CARIOCAS 

Noel Rosa acende cigarro, 
em foto autografada ao parceiro Vadico
Em 11 de dezembro de 1910 nascia Noel Medeiros Rosa no bairro de Vila Isabel, na Zona Norte carioca. Filho do comerciante Manuel Medeiros Rosa e da professora Marta de Medeiros Rosa foi aluno do tradicional Colégio São Bento. Muito cedo aprendeu a tocar violão e bandolim. Ele passou rápido pela vida devido a uma tuberculosa causada pela boemia, mas deixou uma extensa obra que redefiniu os rumos do samba no Rio de Janeiro e, por que não dizer, da música popular brasileira. Primeiro compositor branco de classe média a fazer parcerias com compositores negros que viviam nos morros ou bairros mais pobres da cidade. Este é um aspecto revolucionário da trajetória artística de Noel: a aproximação do intelectual, compositor e poeta boêmio com os sambistas populares. Aos 13 anos aprendeu a tocar bandolim de ouvido, com a mãe, fato marcante em sua vida, pois a partir daí, percebera que a sua grande habilidade instrumental tornava-o importante diante de outras pessoas. Do bandolim para o violão, foi um passo. Em 1925, dominava completamente o instrumento, participando ativamente das serenatas do bairro. Enquanto Noel ensaiava os primeiros acordes musicais, estava em voga a música nordestina e os conjuntos sertanejos. O garoto logo se interessou pelas canções, toadas e emboladas da época. Acompanhando a novidade, um grupo de estudantes do Colégio Batista e mais alguns moradores do bairro de Vila Isabel formaram um conjunto musical, denominado “Flor do Tempo”. Reformulado para gravar em 1929, o grupo passou a se chamar “Bando de Tangarás”. Alguns de seus componentes se tornariam mais tarde grandes expoentes de nossa música: João de Barro, Almirante, e Noel, que já era um bom violonista. Ainda em 1929, compôs as suas primeiras músicas. Dentre elas a embolada Minha viola e a toada Festa no céu. Em 1930, conheceu seu primeiro grande sucesso “Com que roupa”, apresentado em espetáculos do Cinema Eldorado. Já se podia notar sua veia humorística e irônica, além da crônica da vida carioca, marcante em toda a sua obra. "Meu paletó virou estopa/ E eu pergunto com que roupa/ Com que roupa eu vou/ Ao samba que você me convidou?" Este samba, “Com que roupa?”, o primeiro sucesso de Noel Rosa (1910-1937), foi composto em 1929, gravado em 1930 e estourou no carnaval de 1931. Reza a lenda que Noel fez essa letra após uma briga com a própria mãe. Ele queria sair e, ela, para impedir, escondeu suas roupas. Surgiu assim a pergunta “com que roupa eu vou?”, que batizaria a canção. O sucesso de “Com que roupa?” foi decisivo para o samba nascido no morro ser adotado pela classe média e fazer sucesso nas rádios, o maior veículo de comunicação da época. Essa aceitação acabaria sendo decisiva não apenas no futuro do samba, mas principalmente na história da Música Popular Brasileira. E a nata da MPB reverenciaria o autor desse clássico. “Com que roupa” foi gravada, entre outros, por Elza Soares, Martinho da Vila, Gilberto Gil, Caetano Veloso e Zeca Pagodinho. Quando fez o samba “Com que roupa?”, Noel integrava o Bando de Tangarás, fundado em 1929 com Almirante, João de Barro, Henrique Brito e Alvinho. Em 1931 ainda compunha músicas sertanejas como Mardade de cabocla e Sinhá Ritinha, optando depois definitivamente pelo samba. Em apenas 8 anos de atividade compôs 259 músicas e teve mais de 50 parceiros. Em 1931 entrou para a faculdade de Medicina, sem, no entanto, abandonar o violão e a boemia. O samba falou mais alto pois largou o curso meses depois. “Seu garçom faça o favor de me trazer depressa, uma boa média que não seja requentada, um pão bem quente com manteiga à beça, um guardanapo e um copo d’água bem gelada”. Com estes versos, Noel Rosa começa um dos seus sambas mais sensacionais, que faz a crônica de um botequim carioca dos anos de 1930. O samba, com melodia de Vadico, foi lançado em disco pela Odeon e logo fez sucesso nos programas de rádio. Cantado como se fosse um papo do cotidiano, o samba traça um retrato do Rio de Janeiro e de alguns de seus tipos, como o garçom e o freguês folgado, que faz do boteco a sua casa. A partir de 1933 travou a famosa polêmica musical com o compositor Wilson Batista. 

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

BOLETIM DA CHAPA 2 - OPOSIÇÃO SINDIÁGUA/CEARÁ: POR UMA CAGECE ESTATAL SOB O CONTROLE DOS TRABALHADORES! NÃO A PRIVATIZAÇÃO!  FORA O GOVERNO CAMILO, NEOLIBERAL E PRIVATISTA, CAPACHO DA OLIGARQUIA GOMES E PARCEIRO DO NEOFASCISTA BOLSONARO! VOTE NA OPOSIÇÃO CHAPA 2 PARA TRANSFORMAR O SINDIÁGUA EM UM SINDICATO INDEPENDENTE, CLASSISTA E DE LUTA!


A eleição para a diretoria do Sindiágua-CE, marcada para o início de janeiro de 2019, é uma das importantes eleições sindicais do Ceará, tendo em vista que a privatização do saneamento nas regiões metropolitanas de Fortaleza e do Cariri, iniciada em 2018 pelo governo Camilo Santana em parceira com o golpista Michel Temer, deve ser retomada em 2019 sob o governo neofascista de Bolsonaro, que não esconde de ninguém seu interesse em privatizar tudo que é público e entregar as principais fontes de riquezas nacionais nas mãos do capital financeiro internacional. Nesse sentido, o governo Camilo Santana já parece bem afinado com os objetivos do futuro governo neofascista, pois desde 2016 tinha criado um pacote de privatizações que inclui o Centro de Eventos, Centro de Formação Olímpica, Acquário Ceará, Ceasa, Arena Castelão, Placas solares, Sistema metroviário, Complexo Industrial e Portuário do Pecém, Cinturão Digital e Terrenos públicos. Seu programa de privatizações também incluiu a Usina de Dessalinização e concessões de estradas da rede estadual. Capacho da oligarquia dos Ferreira Gomes, que já anunciou uma trégua ao governo Bolsonaro, o governo neoliberal e privatista de Camilo irá, sem dúvida, estabelecer suas parcerias com o novo governo neofascista, visando a privatização do saneamento, contra a vontade dos trabalhadores da Cagece e da maioria do povo cearense.
LIÇÃO DO ESCÂNDALO "MÉDIUM" JOÃO DE DEUS: NÃO BRIGUE COM A "FAMIGLIA" MARINHO QUE VOCÊ PODE SER DESTRUÍDO PELA GLOBO EM 24HS


Inesperadamente na abertura do "Conversa com o Bial", da última sexta-feira (07/12), o ex-apresentador global do "Big Brother" anunciou que seu programa  seria inteiramente dedicado naquela noite às denúncias de abuso sexual por parte de várias mulheres contra o Sr. João Teixeira de Faria, mais conhecido no Brasil com a alcunha de João de Deus, ou mesmo internacionalmente com o nome de "John of God". O "médium" espírita mundialmente famoso por operar "curas milagrosas" e ter em sua lista de "pacientes" personalidades como Oprah Winfrey, Bill Clinton e até o ex-presidente Lula, foi subitamente bombardeando pela mídia dos Marinho que o escolheram como o "vilão nacional número 1" deste final de 2018, mas porque mesmo? "João de Deus" já era um velho conhecido da Imprensa, com manchetes para o "bem e para o mal", a própria Rede Globo produziu há anos atrás uma peça jornalística exaltando as "qualidades excepcionais" do Sr.Faria, isto quando o mesmo respondia na justiça por acusações que vão desde assassinato, contrabando de minérios e abusos sexuais. Porém o fator que parece ter pesado na repentina "mudança de humor" da famiglia Marinho em relação a "João de Deus" foi a decisão do "médium" de priorizar entrevistas na concorrência e principalmente ter manifestado vontade de visitar na prisão seu antigo "paciente", Luís Inácio da Silva. No "Conversa com o Bial", o "médium" foi acusado de abusar sexualmente mulheres que buscaram sua ajuda espiritual. De acordo com os relatos, "João de Deus" agia de forma similar em todos os casos. Durante os atendimentos espirituais coletivos, o "médium" disse para as mulheres que, segundo a "entidade" elas deveriam procurá-lo posteriormente em sua sala, porque tinham sido escolhidas para receber a cura. As entrevistadas disseram que, uma vez quando elas estavam sozinhas com ele, eram violentadas sexualmente. Não podemos aferir a veracidade das acusações (bem antigas por sinal) e tampouco abonar a conduta de charlatães desta espécie, que também existem aos milhares em seitas evangélicas e na própria Igreja Católica, porém chama atenção o fato de um cidadão virar de "herói a bandido" pelo simples interesse político ou econômico de um oligopólio da mídia corporativa. Não deixou de ser muito conveniente estourar a "bomba" contra "João de Deus" justamente quando a família do neofascista Bolsonaro sofre as fortes denúncias de lavagem de dinheiro pela via de seus empregados. Fica o recado dos Marinho a seus "parceiros" de hoje e que amanhã podem virar os piores meliantes com uma simples "reportagem especial" da Globo, basta contrariar seus interesses...

sábado, 8 de dezembro de 2018

HÁ 38 ANOS JONH LENNON ERA ASSASSINADO: NOSSO RESPEITO AO GRANDE ARTISTA E CRÍTICA REVOLUCIONÁRIA DA ILUSÃO DE “IMAGINAR” A MUDANÇA DO MUNDO SEM DESTRUIR O CAPITALISMO


No dia 8 de dezembro de 1980, há exatos 38 anos, era assassinado às portas do seu edifício Dakota, em frente ao Central Park, New York, prédio em que vivia, o mais rebelde poeta dos Beatles, John Lennon, por um fã que horas antes havia lhe pedido um autógrafo. Mark David Chapman disparou cinco tiros, quatro acertaram o ex-Beatle. Calava-se dramática e abruptamente uma das vozes mais controversas dos anos 60, ícone de uma época conturbada e explosiva. Lennon, nascido em 1940, era filho de um marinheiro, típico da zona portuária de Liverpool, Inglaterra, teve uma infância marcada pela pobreza e abandono por parte de mãe e pai, marcando-o psicologicamente por toda a sua vida, o que pode ter dado asas à sua rebelde imaginação que no final de sua vida aproximara-se do partido comunista norte-americano. A obra de Lennon foi produto inexorável da época em que vivia. Em meados de 1969 rompe com a sanha comercial dos Beatles, um bem sucedido produto da indústria fonográfica imperialista, para dar início à sua nova orientação de ativista de esquerda engajado nos acontecimentos políticos globais.
NESTA SEGUNDA-FEIRA (10/12) NA SEDE DO SINDICATO DOS METALÚRGICOS DO ABC: TODOS AO ATO INTERNACIONAL LULA LIVRE! RECHAÇAR AS PRISÕES POLÍTICAS DA NEOFASCISTA LAVA JATO CONTRA AS LIDERANÇAS DA ESQUERDA! NENHUM AVAL POLÍTICO A ESTRATÉGIA DE COLABORAÇÃO DE CLASSES DA CUT/PT!

Nesta segunda-feira (10/12) todos os ativistas da causa democrática e militantes da esquerda socialista tem um importante compromisso: engrossar a convocação do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC para a realização do Ato Internacional Lula Livre, que se realizará a partir das 18:30 na própria sede do sindicato em São Bernardo do Campo/SP. Desde as modestas forças políticas da LBI nos integraremos a esta atividade, com total independência programática em relação a estratégia de colaboração de classes defendida pela CUT e o PT. Nossa militância combaterá a ofensiva neofascista em unidade de ação direta com todas as tendências operárias e democráticas do movimento de massas, mantendo nossa plataforma da revolução socialista e autonomia de classe proletária em relação a todas as variantes políticas e eleitorais da Frente Popular, como estabelecemos no último pleito de 27 de outubro, quando convocamos abertamente o voto nulo! Lula foi preso no dia 07 de abril na histórica sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC em uma operação farsesca armada pelo justiceiro Sérgio Moro, com claro objetivo político de "limpar" o caminho eleitoral para a vitória do neofascista Jair Bolsonaro. Desgraçadamente as direções da esquerda reformista endossaram a ação do PT de entregar pacificamente Lula as masmorras da Lava Jato, apesar do cordão de resistência formado por milhares de ativistas populares em torno da sede do sindicato. As lideranças da Frente Popular apostaram suas fichas na legalidade burguesa e o que é pior, em um momento em que a máfia togada está comprometida até a medula com o golpe institucional e a instauração de um novo regime bonapartista em nosso país. Acreditamos que o novo período aberto com a ascensão de Moro como o principal fiador político do governo neofascista, irá incrementar as prisões políticas da Lava Jato e agora em nível nacional, contra não só os dirigentes do PT mas também sobre toda a esquerda socialista e revolucionária. Por isso a campanha pela liberdade de Lula (como um símbolo desta etapa de reação) deve ser massificada, ganhando as ruas e adotando métodos de ação direta, para romper de vez as ilusões totalmente equivocadas, para falar o mínimo, em uma "saída negociada" pela via do STF.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

SOMENTE A MOBILIZAÇÃO OPERÁRIA PODE BARRAR A ENTREGA DA EMBRAER, NENHUMA ILUSÃO NA JUSTIÇA BURGUESA! SINDICATO DOS METALÚRGICOS PRECISA CONVOCAR GREVE DE OCUPAÇÃO PARA DERROTAR OPERAÇÃO NEOLIBERAL APOIADA POR TEMER E BOLSONARO!


A Justiça Federal de São Paulo concedeu hoje liminar impedindo o conselho de administração da Embraer de tomar qualquer decisão que permita a separação da área comercial da empresa para formar uma joint venture com a Boeing. A decisão do juiz Victorio Giuzio Neto foi tomada em ação movida pelos deputados Paulo Pimenta (RS), Carlos Zarattini (SP), Nelson Pellegrino (BA) e Vicente Cândido (SP), todos do PT. Eles defendem a suspensão imediata das tratativas entre Embraer e Boeing para a criar a nova companhia. Ganhamos tempo para organizar a resisitência mas não podemos ter nenhuma ilusão nessa decisão da justiça burguesa, somente a mobilização operária pode barrar a entrega da empresa. Boeing e Embraer anunciaram em julho assinatura de memorando de entendimento para um acordo pelo qual a companhia norte-americana assumirá controle sobre 80 por cento de uma joint venture a ser criada por meio da separação da divisão de jatos comerciais da Embraer, a principal da companhia brasileira. O acordo precisa de aprovação do governo brasileiro, que detém direito de veto sobre decisões estratégicas da Embraer, um mecanismo chamado de “golden share”. O governo golpista de Temer havia dado aval para a entrega da Embraer para a Boeing, criando duas empresas: uma comercial e outra no setor de defesa. O neofascista Bolsonaro reafirmou que apoia a entrega. Trata-se de entregar diretamente ao imperialismo ianque todo o esforço de desenvolvimento tecnológico em um setor estratégico para a defesa e soberania nacional. Além disso, estão em risco cerca de 16 mil empregos nas três unidades produtivas no país: São José dos Campos, Araraquara e Botucatu, todas no estado de São Paulo. Está sendo negociado passar o controle sobre o parque produtivo e tecnológico brasileiro a interesses do imperialismo ianque. No caso, esses interesses são representados pela gigantesca empresa norte-americana Boeing, produtora de aviões civis e grande fornecedora das necessidades do Estado norte-americano, mais precisamente do Pentágono em matéria aeroespacial. Em 1994 ocorreu a privatização da Embraer pelo governo Itamar Franco, uma gestão de pacto social parida com o impeachment de Collor. A perda do controle estatal jamais afastou o governo dos negócios da Embraer que continua a depender fortemente das encomendas no setor de defesa e dos financiamentos que o BNDES proporciona as empresas e compradores dos jatos executivos e aeronaves comerciais de todo o mundo. Além disso, o governo possui uma ação especial chamada Golden Share que confere o direito a veto em certas circunstâncias como a da mudança de controle, exatamente o caso atual, mas tanto o golpista Temer como o neofascista Bolsonaro aprovam a entrega. Além disso cortes ocorrem nesta semana. Foram demitidos mais de 40 trabalhadores nas unidades Eugênio de Melo e Faria Lima. Os cortes estão gerando clima de apreensão entre os trabalhadores e ocorrem no momento em que avançam as negociações de venda da Embraer para a Boeing. Os operários da Embraer estão em plena campanha salarial. Os trabalhadores pedem aumento real de salários, abono e renovação das cláusulas sociais que garantem direitos retirados pela reforma trabalhista. A data-base é 1º de setembro, mas a Embraer está enrolando nas negociações e ainda não atendeu a reivindicação da categoria. “As negociações já duram dois meses, mas a empresa segue intransigente em conceder reajuste apenas pela inflação. Se a Embraer não avançar nas negociações, vai ter mobilização”, afirma André Luiz Gonçalves, diretor do Sindicato. Devemos lutar pela reestatização da Embraer sob o controle dos trabalhadores, o Sindicato dos Metalúrgico de São José dos Campos, a Conlutas e o PSTU precisam desde já convocar a resistência operária a operação neoliberal em curso, convocando uma assembleia para deliberar pela greve de toda a categoria operária com ocupação da empresa!

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

HÁ 42 ANOS MORRIA JOÃO GOULART ENVENENADO NA ARGENTINA PELA “OPERAÇÃO CONDOR”: PENTÁGONO E GOVERNOS MILITARES DO CONTINENTE ELIMINAM UM “INCONVENIENTE” QUADRO POLÍTICO DA BURGUESIA NACIONAL BRASILEIRA


O ex-presidente brasileiro João Goulart (1961-1964) morreu, segundo a versão oficial, de um ataque cardíaco em 6 de dezembro de 1976 no município de Corrientes, na Argentina, há 42 anos atrás. No entanto, as suspeitas de que Jango, como era popularmente conhecido, tivesse sido morto por agentes da “Operação Condor” sempre foram levantadas por amigos, familiares e especialistas. A “Operação Condor” foi coordenada diretamente pela CIA para eliminar as lideranças políticas que em algum momento “atrapalharam” os planos do imperialismo para a região. Para o “Tio Sam” nunca foi problema envenenar, inclusive aliados fiéis como o reacionário Carlos Lacerda, assassinado no final dos anos 70 às vésperas de fundar a “Frente Ampla”. Também tramaram o “acidente” fatal com JK. Em entrevista à EBC (Empresa Brasil de Comunicação) em 2012, o ex-agente do serviço secreto uruguaio Mario Neira Barreto forneceu detalhes da operação que teria resultado na morte de Goulart. Segundo sua versão, o ex-presidente brasileiro deposto pelo regime militar teria sido morto por envenenamento. Segundo Neira, Jango vivo era considerado uma ameaça pelos militares brasileiros apesar de ter se negado a resistir ao golpe de 1964. Em 2008, ele já havia revelado ao jornal Folha de S. Paulo que Jango havia sido morto a pedido de Sérgio Paranhos Fleury, na época delegado do Dops (Departamento de Ordem Política e Social) de São Paulo, com a autorização do então presidente Ernesto Geisel (1974-1979). Para evitar a repetição das grandes manifestações populares em homenagem a JK, o governo transformou o funeral de Goulart numa operação de guerra. O general presidente Ernesto Geisel só autorizou o enterro em São Borja (RS), cidade natal de Jango, com a condição de que não houvesse nem cortejo nem velório. Militares de três unidades do Exército ocuparam a pequena cidade gaúcha. O carro com o caixão de Jango foi barrado por militares do 3° Exército ao chegar a Uruguaiana, na fronteira com a Argentina. Quando a passagem foi liberada, a Polícia Federal exigiu que o carro seguisse em alta velocidade, sem parar para as milhares de pessoas postadas à margem da rodovia. Contrariando as ordens, o caixão foi levado à igreja de São Borja, onde centenas de pessoas o aguardavam. Cerca de 10 mil militares cercavam o local e cerca de 30 mil pessoas tomavam as ruas. Dentro da igreja, Denise Goulart lançou sobre o caixão do pai uma bandeira com a palavra Anistia. Para apressar o enterro, soldados do Exército levaram o caixão para fora, mas populares o retomaram e o levaram em cortejo até o cemitério. Enquanto neste país a direita golpista conspira abertamente contra todos aqueles que “atravessem” seu caminho, inimigos ideológicos ou não (sempre com o suporte de seus “amigos” da CIA), a esquerda jura obediência à institucionalidade, confiante na “probidade” de seus adversários mais reacionários. Hoje em dia, enquanto as gangs burguesas a frente do Estado capitalista não vacilam em eliminar fisicamente seus “arquivos vivos” que podem colocar a nu as relações mafiosas do poder burguês, a esquerda revisionista mesmo diante de todas as evidências jura sua fidelidade aos ritos sagrados da democracia capitalista, acreditando que a burguesia não ousaria ultrapassar os limites das "tradicionais" manobras políticas existentes no "jogo do poder", portanto conspirações e assassinatos não poderiam fazer parte do "cardápio" das classes dominantes. O envenenamento de João Goulart pela “Operação Condor” durante a ditadura militar assim como a morte de JK e Lacerda, o “acidente” áereo que matou o General Castelo Branco e as recentes mortes de Eduardo Campos, do Ministro do STF, Teori Zavaski e do próprio delegado da PF que investigava o caso em plena “democracia” só reafirmam a necessidade dos revolucionários denunciaram a verdadeira ditadura do capital em que vivemos, que agora será ainda mais evidente com o governo do neofascista Bolsonaro e a consolidação de um regime Bonaparista sob o comando de Moro!
EVO MORALES "ATROPELA" A CONSTITUIÇÃO E SE CANDIDATA AO QUARTO MANDATO CONSECUTIVO...UMA LIÇÃO PARA O PT QUE MANTÉM SUA VERGONHOSA SUBORDINAÇÃO AO REGIME BONAPARTISTA



O Tribunal Superior Eleitoral da Bolívia aceitou nesta nesta terça-feira (04/11) o registro da candidatura do presidente Evo Morales a um quarto mandato consecutivo nas eleições previstas para outubro de 2019. A oposição de direita ao governo do MAS acusa o Tribunal de passar por cima do referendo realizado em 21 de fevereiro de 2016, que rejeitou a possibilidade de Morales se candidatar a um novo mandato.Em 2016, a base política de apoio ao governo Morales convocou um referendo para modificar a Constituição, para permitir que ele concorresse a um quarto mandato em 2019, mas a proposta foi rejeitada pela maioria dos eleitores por uma margem estreita. Evo Morales e seu vice e também candidato à reeleição pelo MAS, Álvaro García Linera, registraram sua chapa na semana passada, com o apoio de uma multidão de militantes sindicais e populares , mas também enfrentam forte resistência de organizações políticas  reacionárias, que "pedem respeito ao referendo de 21 de fevereiro de 2016". A oposição conseguiu ganhar o referendo de 2016 graças a um artifício midiático, uma "fake news", que acusa Morales de ter uma filha fora do seu relacionamento oficial, passado um ano após a derrota do MAS a "notícia" difundida amplamente pelas corporações se relevou totalmente falsa e o presidente da Bolívia requereu junto à Corte Constitucional o desconhecimento do resultado do manipulado referendo. O governo do MAS longe de ser caracterizado como "socialista" ou "revolucionário" é em sua essência uma gerência estatal capitalista do tipo "Frente Popular", conta com o apoio da poderosa COB (Central Obrera Boliviana) e da maioria das entidades campesinas, porém agrupa setores importantes da burguesia boliviana que não podem reclamar de uma taxa de crescimento econômico de mais de 4% ao longo de mais de uma década. O "segredo do sucesso" econômico do governo Morales se deve ao fato de ter tirado seu país do eixo EUA/UE, voltando- se a "locomotiva" chinesa e parceiros da Ásia e Rússia, atraindo fortes investimentos produtivos e não somente especulativos financeiros como Dilma e Temer (agora Bolsonaro) trouxeram ao Brasil. Mas a oposição conservadora ao governo Social-Democrata do MAS não está "morta", seu candidato à presidência da república, Carlos Mesa, está em primeiro lugar nas pesquisas e caso Morales fosse impedido de ser candidato, seria muito provavelmente eleito presidente da Bolívia. Por esta razão Morales "atropelou" a legislação eleitoral vigente, pressionando a mais alta corte do país a aceitar o registro de sua candidatura, uma lição para os conciliadores do PT no Brasil que docilmente como "cordeiros" aceitam passivamente as imposições arbitrárias da máfia togada em todas suas instâncias. O governo nacionalista burguês do MAS, mesmo sofrendo um duro cerco do imperialismo ianque, tem demonstrado capacidade de impor resistência, assim como o bolivarianismo venezuelano, ao contrário do que ocorreu no Brasil com a vergonhosa capitulação política da Frente Popular encabeçada pelo PT.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

OSCAR NIEMEYER "PARTIA" HÁ 06 ANOS: GÊNIO DA ARQUITETURA FOI UM “AMIGO” FIEL DO ANTIGO “PARTIDÃO”... E DE SUA POLÍTICA DE COLABORAÇÃO DE CLASSES COM A BURGUESIA


Há exatos 6 anos, no dia 05 dezembro de 2012 morria o premiado arquiteto Oscar Niemeyer aos 104 anos de idade, vítima de complicações renais e desidratação aguda após 34 dias de internação em hospital no Rio de Janeiro. “Comunista” desde 1945, quando conheceu Luis Carlos Prestes e ingressou nas fileiras do PCB, na esteira da derrota nazista pelo Exército Vermelho na URSS e na tomada de Berlim, junto com uma cepa de intelectuais pequeno-burgueses. Mesmo assim, a mídia “murdochiana” elevou-o à condição de um dos maiores gênios criadores no Brasil e tem estampado em todos os seus jornalões a história de sua vida e obra. Foi, de fato, o arquiteto brasileiro que obteve mais projeção no cenário mundial e que exerceu profunda influência na arquitetura moderna com seu pioneirismo da técnica do concreto armado, as curvas e os traços rápidos e simples desde a década de 40 do século passado, visão sintetizada neste breve pensamento: “Não é o ângulo reto que me atrai, nem a linha reta, dura, inflexível, criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual, a curva que encontro nas montanhas do meu país, no curso sinuoso dos seus rios, nas ondas do mar, no corpo da mulher preferida. De curvas é feito todo o universo, o universo curvo de Einstein” (Almanaque Brasil). Adotou o curvilíneo como contestação às formas monótonas e repetitivas impostas pelo capitalismo segundo acreditava. Representante da antiga geração que simpatizava com a revolução bolchevique de 1917, foi um dos últimos amigos do velho "Partidão", a ele fiel até sua morte, embora o atual PCB não tenha mais as mesmas características programáticas que manteve até o fim da URSS. Porém, como um pequeno-burguês típico defendia o papel da burguesia como uma possível agente histórico do progresso, ao lado de outros camaradas como Jorge Amado, Mario Lago, Dias Gomes...Neste sentindo foi um fervoroso defensor do governo burguês de JK. O lado progressista de Niemeyer veio à tona ao ter apoiado politicamente a URSS e a revolução cubana, estabelecendo laços de amizade com os Estados operários mesmo durante os ásperos anos da guerra fria.


COP-24, UM CIRCO IMPERIALISTA: NÃO É POSSÍVEL “PRESERVAR O PLANETA” SEM LUTAR PELA REVOLUÇÃO SOCIALISTA PARA LIQUIDAR O CAPITALISMO QUE ARRASTA A HUMANIDADE PARA A BARBÁRIE!


Está ocorrendo nesses dias a Cúpula Mundial sobre o Clima da ONU (COP-24) na Polônia com a missão de criar um plano de ação para implementar o “Acordo de Paris”. “Não devemos esquecer as razões pelas quais estamos aqui. Estamos aqui para articular a ação global contra mudanças climáticas. Nenhum governo sozinho pode resolver esse problema. É hora de dar vida ao Acordo de Paris”, declarou o polonês Michal Kurtyka, presidente da COP-24, na abertura. Assinado em 2015, o Acordo de Paris tem o objetivo de conter as emissões de gases de efeito estufa e manter o aumento da temperatura do planeta abaixo de 2ºC, se possível em até 1,5°C. No centro da COP deste ano está a disputa pelo financiamento das ações, considerando a meta de doação de pelo menos US$ 100 bilhões (cerca de R$ 386 bilhões) por ano de países imperialistas as semicolônias em troca de concessões econômicas e domínios territoriais, como no caso o controle da Amazônia brasileira pelas metrópoles capitalistas. Tanto que o famigerado Banco Mundial (BM) anunciou um plano de “investimento” de US$ 200 bilhões para combater a mudança climática entre 2021 e 2025. O pacote tem o por objetivo financiar “investimentos em agricultura inteligente” em 20 países, ou seja, incrementar o controle dos grandes grupos de alimentos em áreas até agora fora de seu alcance. Cinicamente os porta-vozes dos governos das grandes potências capitalistas discursaram em “defesa do planeta” e pelo estabelecimento de acordos globais para a redução de emissão de gás carbônico e da preservação das florestas, em uma suposta “cruzada” contra o chamado “aquecimento global”. Com a maior cara de pau culpam a China pelo aumento da temperatura climática do mundo para encobrir que os monopólios imperialistas são os principais responsáveis pela destruição das forças produtivas, a começar pela principal delas: o homem e suas condições de vida. Além disso, o plano da ONU para “zerar o desmatamento” foi montado por ONGs em parceria com governos das metrópoles centrais que visam colocar as florestas, reservas minerais e aquáticas das semicolônias sobre o controle de um “consórcio global” que fere as soberanias formais das nações atrasadas, como o Brasil. Enquanto barbarizam países inteiros como a Líbia, Síria ou o Iraque para controlar petróleo, água e urânio in natura, infectam a África com o vírus Ebola para incrementar os lucros da indústria farmacêutica ou para testes bacteriológicos de armas de guerra, dizimando populações nativas, os representantes do capital fazem demagogia “em defesa da natureza”. Contra esta farsa, os Marxistas Revolucionários denunciam a impossibilidade de haver qualquer preservação da própria espécie humana assim como do meio-ambiente, das florestas e das fontes aquáticas sob o tacão dos grandes monopólios transnacionais, já que o capitalismo leva a humanidade à barbárie e às guerras de espoliação impondo fome, miséria e desemprego. Ao mesmo tempo, desmascaramos os charlatões que através do chamado “ecossocialismo” não fazem mais que reforçar a tese revisionista de que o proletariado está superado como direção política da revolução socialista apresentando as “novas vanguardas” (verdes, luta de gênero) como eixo principal da “utopia” de uma “economia sustentável”. Eles “esquecem” que o conceito de forças produtivas elaborado por Marx, engloba fundamentalmente a força de trabalho, ou em outras palavras, o proletariado, a força produtiva principal. Em uma sociedade que condena a maioria da população, inclusive nos países imperialistas, à miséria absoluta as forças produtivas efetivamente deixaram de crescer e só podem voltar a fazê-lo através da Revolução Proletária para garantir a existência da humanidade em harmonia com a Natureza em um futuro comunista.

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

EM 04 DE DEZEMBRO DE 2011 NOS DEIXAVA SÓCRATES, UM CRAQUE SEMPRE PRESENTE NA LUTA DEMOCRÁTICA: HOJE JOGADORES MERCENÁRIOS DO PALMEIRAS CELEBRAM O TÍTULO DO “FUTEBOL/NEGÓCIO” COM O NEOFASCISTA BOLSONARO! 


Em tempos sombrios, onde o neofascista Bolsonaro levantou a taça do Brasileirão junto com jogadores mercenários do Palmeiras, em uma celebração macabra que une o negócio milionário do futebol com a onda reacionária que o país vive, nada melhor que lembrar do "Doutor Sócrates", que faleceu em 04 de dezembro de 2011. Ele foi o maior jogador da história do Corinthians. O “Doutor”, como era chamado por ser formado em medicina, representava o futebol arte não apenas por seu alto nível técnico e inteligência, mas por combater exatamente a manipulação do futebol pela burguesia. Foi assim que participou ativamente do movimento democrático burguês pelas “Diretas Já” em 84 e criou a chamada “Democracia Corintiana”, organismo dos jogadores pelo qual decidiam através do voto desde a renovação e contração de jogadores até os horários dos treinamentos e o fim do confinamento (as concentrações). Destoando do estereótipo dos jogadores de futebol, alienados e despolitizados, Sócrates acompanhava e se posicionava diante de importantes fatos da luta de classes, apesar das limitações políticas e programáticas da esquerda reformista na qual se referenciava. Um bom exemplo que marcou essa trajetória foi a inquebrantável posição de defesa incondicional do Estado operário cubano, reafirmada com todo vigor em sua última entrevista no programa da jornalista Marília Gabriela no SBT que foi ao ar no dia 26/10/2011, assim como a denúncia do assassinato de Kadaffi pela OTAN na Líbia. O futebol brasileiro num todo, presenciou neste final de semana, diferentes situações, dois paradigmas diametralmente antagônicos. De um lado, em pleno apogeu, o pacto empresarial que determinou o farsesco campeonato para o clube paulista Palmeiras como consequência da completa apropriação desta importante manifestação da cultura corporal do nosso povo pelo grande capital, transformando-a em mercadoria e instrumento dos interesses capitalistas. A “modernização” do futebol brasileiro nada mais representa do que a implementação à força do futebol-mercadoria, ou seja, a imposição de uma estrutura mercantil-mercenária dos esportes em oposição ao entretenimento e à paixão popular que o povo tem por seu clube. Do outro, os que lutam contra essas forças reacionárias e alienantes do futebol, tendo a convicção, assim como tinha o “Doutor Sócrates”, da necessidade da abolição do modo de produção capitalista através da revolução como a única forma de garantir a emancipação de toda atividade criativa da humanidade. Um exemplo atual é o jogador do Fluminense Igor Julião, defensor das causas populares somando-se por exemplo a campanha “Lute como Marielle Franco!”. O combate à mercantilização do esporte que se manifesta todo ano neste farsesco campeonato como produto direto do pacto empresarial entre os “cartolas” de clubes que celebram junto com o neofascista Bolsonaro deve ser feito em nome da livre manifestação da cultura corporal-esportiva do nosso povo, o que só pode ser concebida com a abolição do modo de produção capitalista através da revolução proletária, após a qual estaria garantida a expansão de todo o potencial criativo e coletivo da humanidade!

Igor Julião, jogador do Fluminense
defensor das causas populares 
O QUE TEME A FS, CUT E A CONLUTAS (PSTU E GRUPOS DO PSOL) COM O CONTROLE DE MORO SOBRE A LIBERAÇÃO DAS CARTAS SINDICAIS E "CONVÊNIOS" DO AGORA EXTINTO MINISTÉRIO DO TRABALHO?


O "gabinete de transição" do presidente neofascista Jair Bolsonaro, que de fato já governa o país, anunciou nesta segunda-feira (03/12) a decisão de extinguir o Ministério do Trabalho. Segundo o futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, a atual estrutura da pasta do Trabalho será dividida entre os ministérios da Justiça, da Cidadania e da Economia. O Ministério da Justiça, que será comandado por Sérgio Moro, cuidará da concessão de cartas sindicais e convênios segundo afirmou Lorenzoni. O objetivo do novo regime bonapartista com o fim do Ministério do Trabalho é bem claro, sinalizar aos rentistas do mercado financeiro que as reformas neoliberais não terão nenhuma linha de obstrução no governo de inspiração fascista de Jair Bolsonaro. Porém como diz um velho ditado popular: "O Diabo se esconde nos detalhes", e a medida anunciada veio acompanhada de um pequeno "detalhe"...o novo ministro da Economia, Paulo Guedes, cuja pasta absorverá a maioria das atribuições institucionais do antigo Ministério do Trabalho, não controlará o setor da liberação das cartas sindicais e convênios, que ficarão sob a "guarda" do neobonaparte Sérgio Moro em seu superministério da Justiça. A manobra de Moro, enquadrando Paulo Guedes que será investigado pela própria polícia do governo neofascista, visa manter em sua nova pasta o domínio do tráfico da liberação das cartas sindicais e dos "generosos" convênios financeiros firmados entre o antigo Ministério do Trabalho e as centrais sindicais como também com os grandes sindicatos. As burocracias sindicais (FS,CGT,CTB e CUT) logo sentiram o "golpe" dado por Moro e saíram a reclamar da extinção do MT, não porque esbocem alguma resistência real e efetiva contra a ofensiva neoliberal em pleno curso e suas medidas de "ajuste", mas sim porque terão que "beijar a mão" de Moro para continuar parasitando as verbas do Estado Burguês. O estanho mesmo foi a "grita geral" da CONLUTAS e grupos do PSOL (como o Resistência, racha do PSTU), que dizem ser "independentes e classistas", porém a independência de classe na boca da burocracia de esquerda é uma simples demagogia em período eleitoral. Os sindicatos da CONLUTAS assim como os da CUT, CTB e FS Etc..) também recebem verbas do Estado capitalista, assim como seus partidos PSTU, PSOL vivem do milionário Fundo Eleitoral do TSE, comprometendo desta forma a verdadeira independência de classe do proletariado. Não são poucos os exemplos de sindicatos da CONLUTAS, como o dos trabalhadores da construção civil de Fortaleza (dirigido pelo Resistência e PSTU até pouco tempo) que firmam acordos com entidades patronais para o repasse de fundos, até mesmo para os partidos, neste caso específico o Sinduscon (sindicato das empresas da construção) chegou a descontar na folha de pagamento dos operários uma contribuição compulsória para o PSTU, é quase inacreditável que uma organização que se diz revolucionária tenha uma conduta  deste nível de integração com os patrões. Um sindicalismo classista e revolucionário não pode admitir qualquer tipo de integração financeira com os capitalistas e as instituições do seu Estado burguês. Para a combativa luta da classe trabalhadora pouco importa se Moro irá "segurar" ou não os convênios financeiros e a liberação das cartas sindicais, para os Marxistas Leninistas a defesa da autonomia sindical não é uma palavra de ordem vazia de conteúdo e que serve apenas para discursos demagógicos da burocracia sindical. Os sindicatos não precisam de Carta Sindical nem CNPJ para existirem e lutarem pelos direitos da classe trabalhadora! Com ou sem o Mistério do Trabalho (que nunca pertenceu de fato aos trabalhadores) a luta de classes vai prosseguir seu curso, o desafio agora é derrotar a ofensiva neofascista (neoliberalismo somado ao fascismo) superando as burocracias pelegas, de direita e esquerda, e construindo uma nova direção classista e revolucionária para o movimento de massas.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

A ESQUERDA REVISIONISTA E OS “COLETES AMARELOS” NA FRANÇA: CAPITULAÇÃO ABERTA A UM MOVIMENTO DE DIREITA QUE PEDE A CABEÇA DO NEOLIBERAL MACRON PARA ABRIR CAMINHO A NEOFASCISTA MARINE LE PEN


As organizações de esquerda na França, desde o PCF até os grupos revisionistas agrupados no NPA e Lutte Ouvriere, além obviamente no POI lambertista estão apoiando o movimento dos “Coletes Amarelos”. O mesmo ocorre a nível mundial... no Brasil todos os agrupamentos pseudo-trotskistas reféns de um impressionismo vulgar embarcaram nesse circo direitista. Do PSTU ao PCO, passando pelo Resistência-PSOL, Esquerda Marxista até o MRT, todos em uníssono saíram a saudar o protesto. Apesar disso, amplos setores das bases operárias dos sindicatos e centrais sindicais franceses além do grosso dos imigrantes mantêm distância dos “indignados” de classe média urbana e rural que reclamam da elevação do custo de vida mas não exigem aumento salarial para os trabalhadores, a eliminação das regras discriminatórias contra os estrangeiros ou o fim dos lucros da burguesia e suas empresas...Pedem a “transparência das contas do Estado” e a renúncia de Macron. Também pudera, hinos nacionais, pautas racistas e xenófobas campeiam as marchas que já vem recebendo apoio de alguns sindicatos de policiais franceses, tanto que pelotões se negam a seguir as ordens do desgastado Macron de reprimir os protestos. Quem também prestou total apoio as marchas foi Marine Le Pen, líder da extrema-direita, ela deu sua receita para resolver a crise: antecipar as eleições legislativas e aprovar uma reforma constitucional para abreviar o mandato do atual presidente, que é de cinco anos: “Diante da gravidade desta crise política a única forma de ‘sair por cima’ desta situação é voltar às urnas”. Como se observa os “Coletes Amarelos” estão no centro de uma manifestação da direita contra o governo neoliberal da “centro-direita” com a esquerda revisionista embarcando no apoio junto com Marine Le Pen (FN).... Cerca de 136 mil pessoas participaram do terceiro sábado de protestos organizados em toda a França pelos “Coletes Amarelos”, o que representa um aumento em relação ao número de manifestantes nos protestos da semana anterior. O Senado francês anunciou neste domingo que convocou para terça-feira os dois ministros da segurança para darem “explicações sobre os meios estabelecidos pelo Ministério do Interior” no sábado. O debilitado Macron acusou os manifestantes de quererem apenas o “caos”. Seu ministro do Interior, Christophe Castaner, não descartou a possibilidade de decretar estado de emergência. Fica evidente que o governo encontra-se encurralado pela extrema-direita, que usa o movimento para desgastar ao máximo Macron, tendo nessa manobra o apoio do conjunto da esquerda reformista, completamente incapaz de levantar um programa operário e anticapitalista para derrubar o governo a partir da mobilização direta dos trabalhadores e imigrantes. 

domingo, 2 de dezembro de 2018

PCO QUER UMA "BOQUINHA" COM O RATO PALOCCI, AFIRMANDO QUE ELE "FOI TORTURADO". SERÁ QUE NÃO FOI CORROMPIDO POR MORO PARA FICAR COM A GRANA DAS "COMISSÕES" QUE ACUMULOU COM OS GOVERNOS DO PT?


Parece que o nível da degradação moral do PCO não conhece limites, depois de transformar uma organização que por décadas reivindicava ser Trotskista em uma agência de propaganda do lulismo, agora conseguiram superar o próprio PT na defesa do rato delator Antônio Palocci ao afirmar que o ex-ministro dos governos Lula e Dilma "agiu por tortura". Não acreditamos que o Sr.Pimenta (dirigente da seita degenerada do PCO) seja tão ingênuo ao ponto de justificar a conduta de rato de esgoto que Pallocci assumiu com seus antigos companheiros, sob uma suposta "tortura" da Lava Jato. Os carcereiros da  "República de Curitiba" realmente praticaram criminosamente tortura (mesmo que fosse psicológica) em dirigentes do PT, como José Dirceu e João Vaccari, e nem por isso estes denunciaram covardemente seus parceiros políticos da direção do PT. Porém com Palocci o "jogo" da PF foi bem diferente, a "delação premiada" foi obtida às custas de uma negociata financeira, que deixou livre para o ex-ministro petista a o irrisório valor de 70 milhões de Reais, "limpos" e já deduzidos os impostos...É óbvio que tamanha "generosidade" do PCO para qualificar publicamente a conduta venal e pusilânime de Palocci tem por objetivo arrecadar alguma retribuição financeira em troca do "perdão", afinal se ele foi torturado mereceria uma "absolvição política" por parte da esquerda. Não é segredo para ninguém que Palocci continuava contribuindo materialmente com sua antiga tendência petista, a corrente"O Trabalho", como ele próprio declarou pouco antes de ser preso. Na lógica política do oportunista  Sr.Pimenta o PCO também se fez merecedor de uma "boquinha" da farta grana que o ex-ministro da Fazenda amealhou em seus anos de governo da Frente Popular, afinal "todos devem ganhar" na estratégia da colaboração de classes...

sábado, 1 de dezembro de 2018

ACABA ENCONTRO DO G-20 NA ARGENTINA: UMA CÚPULA DE CRISE CAPITALISTA QUE REVELOU QUEM DÁ AS ORDENS NO IMPERIALISMO MUNDIAL, OS YANKES! 


O G-20 realizado na Argentina foi o encontro de cúpula entre os representantes das potências capitalistas e as maiores semicolônias do planeta. O imperialismo Yanke demonstrou quem realmente manda na economia capitalista mundial. Apesar das “queixas” de Macron e outros governos imperialistas foi a linha de Trump a vitoriosa na cúpula da rapinagem internacional. Nesse encontro buscou-se uma base de acordo comum em meio as disputas interimperialistas na rapina sobre as semicolônias, o que não foi possível diante da política protecionista dos EUA em meio a disputa com a China, que vem aprofundando uma guerra comercial global. Por sua vez, há o incremento da ofensiva bélica mundial do imperialismo ianque, o que vem reduzindo o peso do imperialismo europeu, particularmente da França, com a China aparecendo como um ator econômico cada vez determinante nesse cenário. A burguesia imperialista ianque está consciente da gravidade da conjuntura mundial, em uma correlação de forças tendencialmente favorável à China, porém foi forçada a se utilizar de Trump como uma “ponte” necessária no sentido de espraiar o clima da “beira do abismo” com este palhaço reacionário que mais uma vez atuou no G-20. O discurso nacionalista de Trump sensibiliza os devastados pela crise econômica capitalista no maior mercado do mundo, porém não aglutina a elite financeira que pensa em contornar o colapso ianque justamente com a expansão da internacionalização do capital volátil nas colônias. Tentar escapar da crise econômica com o incremento do mercado interno nos EUA, é uma ilusão já há muito tempo foi descartada pela burguesia imperialista ianque quando iniciou o chamado processo de "globalização" em meados dos anos 90. A ofensiva neoliberal imperialista contra os povos e nações do planeta passará por cima de Trump como um trator desgovernado, deixando o terreno ianque preparado para um governo fascista que tenha pleno apoio político dos dois braços fundamentais da burguesia: a casta dominante financeira e os industriais da guerra. Juntos, cassino e armas, fundarão um novo partido político quebrando a hegemonia das duas alas (Democratas e Republicanos) do velho establishment ianque, mas para isto terão que forjar uma liderança carismática e de massas e não um velho palhaço reacionário. Por conta da disputa militar entre a Rússia e a Ucrânia que envolve a OTAN, Trump não se encontrou de forma reservada com Putin. Esse quadro senta as bases para o avanço de uma crise militar futura na região. A histeria social anti Putin desatada no interior dos EUA é apenas uma cortina de fumaça para deixar o imperialismo ianque de "mãos livres" (sem competidor bélico global) em sua escalada de ataques a povos e nações oprimidas.  O G-20 também serviu para mostrar a disputa econômica entre a China e o EUA. A China, no curso do processo de restauração capitalista, vem se transformando na verdade no maior entreposto comercial e industrial do mundo, uma grande consumidora de commodities e é nisto que consiste a sua “exuberância” econômica. Caracteriza-se por ser uma economia semicolonial com fortes induções estatais, remanescentes da herança stalinista. Em suma, por maior que seja o crescimento do PIB chinês, a hegemonia militar em todo o planeta ainda se concentra plenamente nas mãos da Casa Branca, sendo apenas um “sonho” da China converter-se em uma superpotência capitalista. Nesse sentido “a via chinesa” de restauração capitalista como vemos reafirmada por Xi Jinping é um processo lento, ordenado e centralizado de medidas que, levadas a frente sob o férreo controle político do PPCh, avançam o ritmo da restauração capitalista para se fortalecer futuramente como contraponto militar e econômico ao imperialismo ianque. Por fim a reunião do G-20 deliberou por redobrar os controles nas fronteiras e nos aeroportos em uma clara repressão aos refugiados das guerras e conflitos provocados pelo imperialismo no Oriente Médio e Norte da África. Esta escada de cunho fascistizante tem o apoio dos EUA e dos membros da OTAN. Essa reunião do G-20 reafirmou que o imperialismo ianque dispõe sem sombra de dúvida do maior e mais avançado aparato bélico do planeta, são capazes de devastar as forças militares de um país sem sequer precisar “sujar” as botas de seus Marines em solo inimigo, como aconteceu recentemente na Líbia. O aprofundamento da política de forte corte orçamentário em gastos sociais, a elevação da taxa de desemprego e aumento do déficit fiscal com a concessão de subsídios tributários a grandes empresas será a tônica da próxima etapa mundial como produto da velha receita neoliberal, claro com a mão de ferro de um regime de exceção planetário, ou seja, através de uma ditadura do capital, ao contrário de um suposto “paraíso democrático”. O impasse demonstrado na cúpula do G-20 reafirma que a única vereda para superar a agonia do capital e a barbárie social que dela decorre é a via da revolução socialista e a demolição violenta da atual sociedade de classes e edificar sobre seus escombros um novo modo de produção, o Socialismo.

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

PRISÃO DE PEZÃO: DESCARTE DE LIXO JÁ UTILIZADO PELA LAVA JATO PARA LEGITIMAR NOVA OFENSIVA CONTRA O PT E DILMA ROUSSEFF


Para o governador Pezão sua prisão efetuada na manhã desta quinta-feira pela "República de Curitiba" não era surpresa alguma, já havia sido negociada desde que a versão carioca da famigerada operação Lava Jato encarcerou seu "padrinho" Sérgio Cabral ainda em 2016. Pezão esperava terminar seu mandato falido de governador e ser preso em seguida, após ter colaborado pacatamente com os golpistas na intervenção militar do seu estado e o bando judiciário de Moro, porém a eleição de um membro orgânico da ofensiva do bonapartismo judiciário para ocupar o Palácio das Laranjeiras precipitou os fatos. Como no plano nacional, a Lava Jato retirou da cena política do Rio de Janeiro "peças" indesejáveis ao seu próprio esquema de apropriação do Estado, obviamente tudo em nome do "combate a corrupção", uma enganação que só pode convencer otários ou oportunistas de esquerda que sonham em surfar eleitoralmente na onda midiática do bolsonarismo. Primeiro os seguidores de Moro "descobriram" que Cabral nadava de braçadas no "mar da corrupção" em plena Copacabana, enquanto os falsos vestais  tucanos da Av. Paulista, como Serra e Alckmin, eram totalmente preservados apesar de cometerem os mesmos crimes em escala muito maior. Depois a Lava Jato passou a perseguir outro ex-governador, Antony Garotinho e sua esposa Rosinha, também ex-governadora, até conseguir tirar fraudulentamente o ex-brizolista da disputa eleitoral ao governo do estado. Com Pezão fora da disputa, anestesiado e chantageado, ficou bem fácil eleger uma paródia fascista do Sergio Moro no Rio de Janeiro, o juiz "valentão" Wilson Witzel. Neste cenário nacional completamente favorável ao bonapartismo togado, não seria necessário esperar o cumprimento do "acordo de cavalheiros" celebrado com Pezão, sua prisão foi antecipada para demonstrar força e principalmente que a Lava Jato já governa em todo país. Não por coincidência a temporada de Pezão na cadeia corresponde a ida do rato Pallocci para casa, uma sincronia política perfeita para avançar em um novo ataque da Lava Jato contra o PT, agora em particular contra a ex-presidente Dilma Roussef que ainda estava "limpa" dos processos da "República de Curitiba". Um novo espetáculo midiático com a prisão de Dilma, se juntando a Lula na masmorra da Polícia Federal, ajudaria o início do governo neofascista, principalmente no seu primeiro ato neoliberal contra os trabalhadores: a malfadada contra-reforma da previdência. Desgraçadamente a esquerda reformista, e pasmem até mesmo o PT, continua legitimando o engodo jurídico da Lava Jato, Haddad o líder da "Frente Ampla Democrática" não cessa de render votos de sucesso ao próximo governo neofascista. O PSOL chegou a comemorar a prisão de Pezão, como se esta ação farsesca (pseudo combate a corrupção) não fosse parte de uma engrenagem maior de recrudescimento do regime político contra as liberdades de organização das entidades de massas. Os Marxistas Leninistas não podem depositar nenhum apoio político a "República de Curitiba" que já está alojada em Brasília, no momento em que a Lava Jato encena seu dantesco show de "moralidade da coisa pública", enviando temporariamente para cadeia notórios bandidos como Pezão.

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

29 DE NOVEMBRO - DIA INTERNACIONAL DE SOLIDARIEDADE AO POVO PALESTINO: NOSSA TAREFA HISTÓRIA CONTINUA NA ORDEM DO DIA... LUTAR PELA DESTRUIÇÃO DO ENCLAVE SIONISTA E EM DEFESA DE UMA PALESTINA SOVIÉTICA BASEADA EM CONSELHOS OPERÁRIOS E CAMPONESES!



A recém-fundada Organizações das Nações Unidas, substituta da antiga Liga das Nações, através da iniciativa dos Estados Unidos, e com o apoio entusiástico da URSS, decreta em 29 de novembro de 1947 a divisão definitiva da Palestina entre um Estado judeu e outro árabe palestino. O stalinismo, após os acordos de Yalta, deixará o Oriente como uma área de influência do imperialismo ianque, além da consideração do sionismo, em sua versão trabalhista como um aliado político, com o qual desenvolverá uma frente popular em Israel. O velho partido comunista palestino logo mudará seu nome para israelense por considerar as massas árabes e palestinas como atrasadas e feudais. Antes mesmo da oficialização do Estado de Israel, as tropas do Irgun retomam os massacres aos palestinos, como a chacina da aldeia de "Deir Yassin". Era o prenúncio do terrorismo sionista que irá assolar o povo palestino até hoje. Exatamente no dia da proclamação oficial do Estado de Israel, 15 de maio de 1948, é declarada a Iª guerra aos países árabes. O novo exército de Israel, agora batizado "Tzahal", é abastecido belicamente pela Thecoslováquia (membro do Pacto de Varsóvia) e Estados Unidos. Conseguindo uma triunfal vitória, alarga, desta forma, em três vezes o seu território traçado inicialmente pela ONU. O Estado árabe palestino estipulado pelo plano de partilha não consegue sair do papel, já estava morto antes de nascer. Restando ao Egito à anexação da faixa de Gaza e à Jordânia a anexação da Cisjordânia. Um milhão e meio de palestinos deixam o agora chamado Estado de Israel, expulsos de suas terras sob o bombardeio da aviação sionista, espalham-se pelo Líbano, Egito, Jordânia, Síria. 600 mil palestinos permanecem no Estado sionista, sem nenhum direito civil, tratados como cidadãos de segunda categoria em seu antigo território nacional, servindo de mão de obra barata que irá mover a engrenagem capitalista do enclave militar de Israel.

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

PC DO B e PPL ANUNCIAM "FUSÃO": APESAR DOS TRAIDORES DA HISTÓRIA DO MR-8 TEREM DEFENDIDO O “FORA DILMA”, FESTEJADO A PRISÃO DE LULA E APOIADO A “OPERAÇÃO LAVA JATO”, PARA OS NEOSTALINISTAS O FUNDAMENTAL É TER ACESSO AS VERBAS MILIONÁRIAS DO FUNDO PARTIDÁRIO. IMPLODIRÁ OU NÃO ESSA NEGOCIATA BASEADA NA DIVISÃO DA GRANA DO TSE?


O PCdoB anunciou “esforços” para incorporar o PPL buscando superar a clausula de desempenho imposta pela draconiana legislação eleitoral que exige 10 deputados federais para que o partido admitido no seleto clube da institucionalidade burguesa tenha acesso ao tempo de TV e as verbas milionárias do Fundo Partidário. Como os corrompidos herdeiros do MR-8 elegeram apenas 1 parlamentar federal e o PCdoB 9 representantes para a Câmara Baixa, a direção neostalinista precisou ir ao mercado na tentativa de comprar literalmente o PPL. O PPL vem cobrando caro para aceitar a unidade (incorporação) e o acesso a farta grana do TSE vai servir como base dessa aliança. Segundo comunicado assinado pelos presidentes de ambas legendas “O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e o Partido Pátria Livre (PPL) iniciaram um elevado diálogo, buscando uma solução política e jurídica para atender às exigências, na forma da lei, de superação da cláusula de desempenho - e assim criar as condições para seguir cumprindo um papel relevante na busca de soluções para o Brasil, particularmente nesse período de resistência democrática em que ingressamos”. Seria mais honesto dizer que o móvel desse negócio é o “papel moeda” do fundo partidário porque o PPL é conhecido publicamente entre a vanguarda por ser um braço da direita reacionária, defendendo a prisão de Lula e saudando entusiasticamente a Operação Lava Jato do juiz Moro, hoje ministro do neofascista Bolsonaro. O partido foi um dos que empunharam ao lado da direita, do MBL e de Bolsonaro o “Fora Dilma” nas marchas de 2015 e 2016. Registre-se que chegou na época a convocar atividades conjuntas com o PSTU e a Conlutas! Os venais herdeiros do MR-8 sempre prestaram seus serviços sujos para a burguesia desde a chamada “redemocratização” renegando o passado revolucionário da antiga organização da luta armada, passaram a ser capangas de Quércia e Newton Cardoso contra a esquerda classista, nos últimos anos foram apêndices do PSDB contra o PT. O Hora do Povo (11 a 15.09.2015), porta-voz do PPL e da CGTB no artigo “Manifesto conjunto da CGTB e Conlutas convoca manifestação” afirmou naqueles dias “Com as bandeiras de Fora Dilma, Cunha, Renan, Temer e Aécio, os sindicalistas defendem que é preciso construir uma alternativa ao país”. Na época diziam que desejavam “o Brasil livre da corrupção do PT, do PSDB, do PMDB, de políticos ladrões e dos partidos que se locupletam na Lava Jato”, ou seja, uma política completamente oposta defendida pelo PCdoB e o conjunto da Frente Popular. O comunicado escrito pelas direções do PCdoB e PPL diz ainda que “para concretizar esse processo, acontecerá, no próximo dia 2 de dezembro, uma reunião conjunta de instâncias máximas das duas legendas, na qual será comunicada a decisão tomada”. Não sabemos se ao final do encontro a “incorporação” ocorrerá... mas temos certeza que a direção do PPL vai cobrar muito caro para concretizar essa operação de estelionato político,  estando o PCdoB disposto a pagar (literalmente) o preço da completa desmoralização política em nome do acesso a grana milionária do TSE... Vamos aguardar se implodirá ou não esse negócio podre que está sendo costurado entre as direções corrompidas do PCdoB e PPL!