sábado, 3 de maio de 2014


Imperialismo ianque fomenta “novo Afeganistão” na fronteira com a Rússia através da ofensiva militar do governo golpista de Kiev contra as “repúblicas populares” do Leste da Ucrânia

Esta semana foi marcada pelo recrudescimento da guerra civil na Ucrânia. Na sexta-feira, 2 de maio, em um ataque à Casa dos Sindicatos na cidade de Odessa, os nazifascistas do Setor Direito incendiaram o local deixando 38 mortos. No mesmo dia, os habitantes da cidade de Slavyansk, localizada no Leste da Ucrânia e um dos principais palcos das manifestações contra o governo golpista de Kiev, foram despertados pelo som das sirenes que advertiam sobre o início da operação especial militar. A seguir as tropas ucranianas cercaram a cidade, soldados desembarcaram de helicópteros, nas ruas iniciaram-se combates. Tanto o Exército ucraniano como a aviação abriram fogo em zonas urbanas. As milícias populares abateram três helicópteros. Informa-se que três pessoas foram mortas. O tráfego ferroviário e rodoviário nos arredores de Slavyansk está barrado. De acordo com os últimos dados, os habitantes locais bloquearam duas colunas de veículos militares ucranianos e procuram convencer os militares a não disparar e a entregar as armas. O cerco a Slavyansk pode determinar nos próximos dias uma posição mais firme da Rússia diante do conflito. Já a Guarda Nacional da Ucrânia começou o assalto da cidade de Kramatorsk, na região de Donetsk, deixando 10 mortos e dezenas de feridos. Neste momento é preciso cobrir de solidariedade a luta das milícias de autodefesa das “repúblicas populares” e exigir do governo russo e seus aliados o fornecimento de armas, munições e tanques para os revoltosos, já que a Casa Branca e o governo golpista de Kiev rompeu unilateralmente o chamado “Acordo de Genebra”. Todos este elementos apontam que já está em curso a guerra civil na Ucrânia fomentada pelas potências imperialistas para impedir que o Leste do país se separe ou amplie seu status federativo, esvaziando assim o governo pró-imperialista e nazifascista imposto em fevereiro com a ajuda da CIA, na medida em que cerca de 23 cidades e vilas na região do Donbass, que gera 1/3 do PIB da Ucrânia, já estão controladas pelos federalistas.

Não resta dúvida de que a Casa Branca e a OTAN, via seus marionetes neofascistas de Kiev, estão provocando o governo Putin, que até agora apostou em uma solução negociada a fim de ganhar tempo. Aparentemente, o script escrito por Washington é instigar as tropas russas estacionadas na fronteira leste da Ucrânia para que no caso de uma invasão militar russa estas sejam atormentadas por guerrilhas fundadas e apoiadas pelos Estados Unidos e por neonazistas, com a mídia “murdochiana” apresentando ao mundo Putin como um invasor e tirano. Segundo este plano, mercenários ianques e parte das FFAA ucranianas desferiram ataques às cidades sublevadas logo após a visita do vice-presidente ianque Joe Binden, antecedida. A questão a saber é como reagirá a Rússia nos próximos dias, já que os trabalhadores do Leste ucraniano reivindicam apoio político e militar para enfrentar a reação fascista e as tropas enviadas por Kiev. No campo diplomático, o governo russo convocou uma reunião aberta de emergência do Conselho de Segurança da ONU para discutir o assunto. O representante permanente da Federação Russa na ONU, Vitali Churkin, propôs que Kiev deve retirar as forças armadas da região: “Todos devemos fazer um apelo conjunto, dizendo que nós apelamos a por fim imediatamente a toda violência, inclusive ao uso das forças armadas no leste da Ucrânia” (Voz da Rússia, 02/05). Este caminho tem se mostrado absolutamente estéril, tendo em vista que este covil de bandidos é controlado pelo imperialismo ianque e os próprios aliados de Putin, os chamados BRICs, que se abstiveram quando a assembleia geral das nações unidas condenou a Rússia no caso da unificação com a Crimeia. A China inclusive se absteve em pleno CS da ONU, isolando o governo russo no cenário internacional.

Já passa da hora a necessidade de responder à altura as provocações do imperialismo e cabe ao proletariado destas regiões estar à cabeça desta iniciativa. Sabemos que uma guerra na fronteira russa é um verdadeiro barril de pólvora que pode tomar conta de toda a região e fomentar um “novo Afeganistão” em pleno século XXI, provocando possíveis enfrentamentos entre as tropas russas com forças políticas e militares patrocinadas pela OTAN na fronteira entre a Ucrânia e a Rússia. Guardadas as diferenças, a atual realidade da Ucrânia, com a ofensiva contra as “repúblicas populares” do Leste do país tem similitude com a realidade do Afeganistão no final da década de 70. As tropas soviéticas ocuparam o Afeganistão no ano de 1979 em socorro ao governo da frente popular contra a ofensiva dos mujahedins fundamentalistas. Naquele momento os trotskistas apoiaram a intervenção soviética por seu caráter abertamente progressivo frente à ofensiva militar imperialista que desejava derrubar o governo da frente popular do PDPA, presidido por um nacionalista simpático à União Soviética, Hafizullah Amin. No curso deste processo reacionário, os mujahedins assassinaram Amin, obrigando uma intervenção militar da URSS em território afegão, medida que os revolucionários apoiaram incondicionalmente, por se tratar de uma ação para deter a ofensiva militar do imperialismo na fronteira do Estado operário soviético. Ainda que agora estejam neste possível enfrentamento atual duas forças burguesas já que houve a restauração capitalista na URSS, os revolucionários se colocam no campo oposto do imperialismo e de sua aliança militar, ou seja, ao lado da Rússia e do governo burguês de Putin, em apoio as “repúblicas populares” do Leste ucraniano. Somente se colocando neste lado da trincheira os marxistas leninistas poderão, ombro a ombro com o proletariado e o campesinato desta região, apontar uma perspectiva comunista proletária para o conflito, indo portanto além de suas direções burguesas. A palavra de ordem de “Todo apoio as milícias de autodefesa para derrotar a reação fascista e os golpistas impostos em Kiev! Armas para os revoltosos expulsarem os neocolonialistas!” está a serviço de forjar um programa revolucionário que coloque na ordem do dia a construção de verdadeiras “repúblicas soviéticas” com a expropriação dos bandos burgueses restauracionistas, chamando inclusive a solidariedade ativa do proletariado russo em sua defesa.

Alertamos mais uma vez que aqueles setores de “esquerda” que colocam um sinal de igual entre o imperialismo ianque e a Rússia para defender um suposto “derrotismo”, negando-se a formar uma frente única de ação anti-imperialista com o governo Putin fazem neste momento o jogo da reação burguesa. Eles se somam aos canalhas revisionistas que apoiaram o golpe fascista de fevereiro vendendo-o como uma “revolução”, seguindo a mesma política pró-imperialista que tiveram na “Primavera Árabe” em apoio aos “rebeldes” pró-OTAN na Líbia e na Síria. Na Ucrânia os “revolucionários” da praça Maidan em Kiev, amantes de Mussolini e Obama, não tiveram muita dificuldade para afugentar do governo o covarde Yanukovich, apesar das mortes que ocorreram em ambos os lados, mas quando Putin anunciou que não deixaria isolados os compatriotas da Crimeia, logo as milícias fascistas foram pedir ajuda ao Tio Sam que, além de “espernear” e ameaçar a Rússia com sanções econômicas, não se mostrou disposto mais uma vez a enfrentar militarmente os remanescentes do antigo Exército Vermelho. Com a operação militar contra Slavyansk a situação volta a se agravar na Ucrânia, neste cenário somente os ratos decompostos da LIT/PSTU, que ainda se reclamam de esquerda, podem afirmar que apoiarão os neonazistas ucranianos em caso de um enfrentamento concreto com as forças militares de Putin, em nome de uma suposta “revolução” em Kiev. Os Bolcheviques Leninistas em caso de uma guerra deflagrada na região de influência geopolítica da antiga URSS saberão levantar as “bandeiras de outubro”, tão sentidas para o proletariado soviético, e na mesma trincheira militar dos restauracionistas russos contra o imperialismo acertarão suas “contas” históricas com aqueles que ajudaram a destruir as conquistas operárias da revolução socialista de 1917!