sexta-feira, 20 de março de 2020

SANDERS E BINDEN: TÓPICOS DISTINTOS DO MESMO PROGRAMA.
POR UM PARTIDO REVOLUCIONÁRIO MULTIRRACIAL DOS TRABALHADORES!


Reproduzimos no Blog da LBI uma declaração da organização Trotskista norte-americana, Spartacist League, SL (Liga Espartaquista em português), seção da corrente internacional ICL (Liga Comunista Internacional), acerca da disputa interna Democrata pela indicação do partido as eleições presidenciais em novembro próximo. Temos acordo programático integral com a declaração da SL, que pontua de forma principista o mesmo conteúdo de classe burguês das duas postulações, Binden e Sanders, integrantes de um partido imperialista. O regime político ianque, absolutamente antidemocrático, baseia-se somente em duas alas, Republicana e Democrata, que em um processo indireto de escolha de delegados das próprias estruturas internas partidárias, seleciona candidatos e até elege o presidente da república, em um colégio eleitoral. Desgraçadamente a candidatura do senador Democrata Bernie Sanders, um tradicional político que se diz “Social Democrata”, vem atraindo apoio de grupos da esquerda revisionista nos EUA e em todo o mundo. No Brasil tendências como a “Resistência”, que até anos atrás integrava a LIT, declararam apoio ao setor de esquerda da burguesia imperialista ianque, representada pela candidatura do senador de estado de Vermont. É certo que Sanders também vem galvanizando segmentos da juventude norte-americana com seu discurso populista em defesa da saúde pública e de uma melhor “distribuição de renda”. Porém as ilusões dos reformistas em Sanders começaram a desabar com os resultados das primárias Democratas, no início o senador saiu na frente do seu oponente Joe Binden, o nome da cúpula Democrata, porém o ex-vice presidente de Obama conseguiu “virar o jogo”, com o apoio da oligarquia Democrata mas também colhendo vitórias importantes em estados com maioria da população negra e segmentos feministas que rejeitaram Sanders. Com um resultado já praticamente definido a favor de Binden, Sanders reconheceu a derrota e convocou a unidade do partido Democrata para derrotar Trump, repetindo a mesma postura que adotou em 2016, quando foi derrotado pela senhora Clinton. Diante da iminente derrota nas primárias, Sanders conclamou a unidade partidária: “Neste momento de crise é imperativo que permaneçamos juntos, no mesmo partido para derrotar Trump”, enfatizou o senador. Agora resta saber se os grupos revisionistas, como o Resistência no Brasil, irão seguir a orientação de Sanders e apoiar o ex-presidente de Obama, responsável entre outras atrocidades pela destruição da Líbia e o cerco imperialista contra a Venezuela.

-----------------------------------------

Nesta temporada eleitoral, um setor da burocracia sindical e seus apêndices reformistas se alinharam novamente para apoiar a candidatura Democrata de Bernie Sanders. O Partido Democrata é um dos dois principais partidos do regime capitalista dos EUA, isto é, um partido de exploração brutal, opressão racial e guerra imperialista. Sanders está conduzindo uma campanha populista liberal com promessas eleitorais demagógicas como "Medicare for All" para obter a indicação do partido e "vencer Trump". O ex-vice-presidente Joe Biden está divulgando sua "elegibilidade" para o mesmo fim. O jogo de apresentar os políticos do Partido Democrata como "amigos" dos trabalhadores e negros ou como "um mal menor" é um dos principais meios pelos quais trabalhadores e oprimidos estão politicamente vinculados aos partidos no poder dos exploradores. A burocracia sindical pró-capitalista como um todo é parte fundamental para impulsionar essa fraude. Nós, marxistas revolucionários, nos opomos ao voto de princípio em qualquer representante ou partido do inimigo de classe, principalmente Sanders e todos os outros Democratas. O único caminho a seguir é a construção de um Partido Operário Multirracial, independente e em oposição aos Democratas, dedicado a varrer a ordem capitalista através da revolução socialista e instaurar um Estado operário, ou seja, um governo baseado no regime socialista.

Em contrapartida, pseudo-socialistas como o “Partido para o Socialismo e a Libertação (PSL)”, a “Alternativa Socialista” e a “Voz de Esquerda” se enterraram na "resistência" anti-Trump, que visa reinstalar um Democrata como Comandante Chefe do aparato estatal capitalista repressivo.  Desde a candidatura de Sanders a 2016, estes grupos colocam "batom no porco" de Sanders, procurando inebriar os olhos dos trabalhadores, negros e jovens radicais e reforçar as perspectivas eleitorais do Partido Democrata.

O PSL pede explicitamente apoio na votação para Sanders. Típico dos traidores reformistas da causa dos explorados e oprimidos, seu artigo de 4 de fevereiro descreve a campanha de Sanders como "uma ruptura radical da ordem estabelecida" e um "referendo sobre o socialismo". Durante décadas, Sanders votou consistentemente com o Partido Democrata. No Senado, ele elogia acriticamente os Democratas e já pediu duas vezes a indicação do partido para concorrer a presidente.  Ele já prometeu "apoiar fortemente o candidato democrata", como fez Hillary Clinton há quatro anos.  Entre seus partidários mais entusiasmados estão os membros dos Socialistas Democratas da América, que desde o início fazem parte como ala do Partido Democrata.

O "socialismo democrático" de Sanders não passa de liberalismo do Partido Democrata.  Ele defende o protecionismo econômico, colocando os trabalhadores nos EUA contra seus irmãos e irmãs de classe no exterior.  Ele apoiou praticamente todas as guerras e intervenções militares lideradas pelos EUA e é um virulento anticomunista que promove a contra-revolução em todos os países onde o capitalismo foi derrubado - China, Cuba e outros estados operários burocraticamente deformados.

Em 2008, o Democrata Barack Obama, exaltando "esperança e mudança", foi eleito para assumir a Casa Branca contra George W. Bush. O resultado foi mais um “chute nos dentes de negros”, trabalhadores e oprimidos.  Obama socorreu os bancos e os dirigentes de automóveis arrochando trabalhadores e seus sindicatos, incluindo os “United Auto Workers”, enquanto supervisionava execuções em massa em casas, deportações sem precedentes de imigrantes e policiais assassinos racistas que matam negros e outras minorias nas ruas. Obama empregou a força militar dos EUA em todo o mundo para bombardear e ocupar países e derrubar governos.  Apesar de toda a pressão liberal sobre o reacionário Trump, a realidade é que as condições infernais da vida dos trabalhadores não são hoje essencialmente diferentes das que estavam sob Obama&Biden.

Independentemente de qual partido capitalista esteja à frente, o governo age no interesse da classe dominante de exploradores. A diferença real entre Republicanos e Democratas não é o que eles fazem, mas como eles fazem. Os Republicanos se deleitam em atacar sindicatos, negros, imigrantes e pobres, enquanto os Democratas mentem e fazem a mesma coisa. Em 2016, Hillary Clinton nem se deu ao trabalho de fingir que faria uma mudança para a classe trabalhadora. Sanders simplesmente quer restaurar a prática de oferecer promessas vazias antes de “enfiar a faca”.

Hoje, lideranças do movimento negro e parlamentares estão disseminando o medo acerca da reeleição de Trump para levar os oprimidos às urnas para votar nos democratas, em particular Biden.  Na véspera das primárias da Carolina do Sul, o congressista negro do Partido Democrata, Jim Clyburn, endossou o vice-presidente de Obama, declarando: “Conhecemos Joe. Mas o mais importante é que ele nos conhece”. Biden ajudou os Clintons a elaborar a lei criminal de 1994 que condenava toda uma geração de jovens negros ao inferno da prisão. Por sua parte, Sanders votou a favor da mesma lei racista.

Há uma necessidade urgente de quebrar as correntes que ligam o proletariado - preto, branco, latino, asiático, nativo e imigrante - ao inimigo de classe. O poder dos trabalhadores reside em seus números, organização e papel central na produção. Liberar esse poder exige oposição à burocracia sindical colaboracionista. Isso está ligado à criação de um Partido Operário Revolucionário Multirracial que luta pelas necessidades vitais de todos os trabalhadores e luta para pôr um fim ao sistema de escravidão salarial por completo.

Esse Partido Operário defenderia integralmente a causa da liberdade negra. A opressão negra é parte integrante do capitalismo americano.  A divisão e o domínio racistas provaram ser inestimáveis ​​para os senhores capitalistas, servindo para colocar os trabalhadores uns contra os outros e para obscurecer a linha de classe entre a classe trabalhadora e seus exploradores. Há um século e meio, Karl Marx, que havia pedido aos trabalhadores americanos que apoiassem a luta dos escravos pela emancipação, proclamou a seguinte verdade: "O trabalho não pode emancipar-se na pele branca, onde está marcado o preto". Isso é inteiramente verdade também hoje!

O único caminho para a emancipação da classe trabalhadora é o caminho da revolução socialista, dirigida por um Partido Operário que atua como tribuna do povo, defendendo todos os oprimidos.  Nosso modelo é a Revolução de Outubro de 1917 na Rússia, liderada pelo Partido Bolchevique de Lenin e Leon Trotsky.  Para que a classe trabalhadora tomasse o poder estatal na primeira revolução bem-sucedida, Lenin e os bolcheviques tiveram que travar uma luta intransigente contra os partidos oportunistas, como os mencheviques e social-revolucionários, que apoiavam a burguesia liberal. A Liga Espartacista/EUA (Spartacist League, seção da ICL) compromete-se a construir um Partido de Vanguarda Leninista. Romper com os democratas!  Por um Partido Operário que lute por um governo operário!

16 de março de 2020
SPARTACIST LEAGUE -  SL (USA)