quinta-feira, 16 de setembro de 2021

VICTOR JARA PRESENTE! NA LUTA PELO SOCIALISMO, SEMPRE!

Hoje, 16 de Setembro, completam-se 48 anos do assassinato de Victor Jara pela ditadura chilena. Dias antes de sua morte ele foi detido pelos militares, junto com outros alunos e professores e conduzido ao Estádio Chile, convertido em campo de concentração e um dos maiores centros de detenção e tortura. Lá foi mantido durante vários dias após o fatídico 11 de setembro.

O regime fascista torturou o cantor e compositor revolucionário, disparou duas vezes em sua cabeça e braços. Jara tinha os dedos das mãos esmagados por seu “crime” de cantar a revolução, ele foi alvejado 44 vezes como expressão do ódio dos militares pelo homem que fez ode ao Socialismo e a luta dos explorados. Vitor chegou a fazer canções em pleno cárcere, como a música “Estadio Chile”. A imprensa burguesa deu grande destaque ao fato do ex-militar Pedro Pablo Barrientos ter sido considerado em meados de 2016 como culpado da morte do músico, citando uma decisão da Corte federal da cidade de Orlando que determinou que o ex-tenente pague uma indenização de 28 milhões de dólares (95 milhões de reais) à família. A “condenação” do militar chileno nos EUA não passou de puro distracionismo histórico, uma verdadeira piada de mau gosto na medida em que o imperialismo ianque, a CIA e a Casa Branca planejaram e patrocinaram o golpe militar junto com os generais fascistas tendo Pinochet a frente das operações. Esses são os verdadeiros culpados pelo assassinato de Vitor Jara e dos milhares de militantes chilenos assassinados pela ditadura sanguinária.

Nossas diferenças políticas com Vitor (militante do PC) que muitas vezes compôs canções em defesa da “Paz Mundial” e da política stalinista que apregoava o “Socialismo em um só país”, como “O direito de viver em Paz” em referência ao Vietnã, não nos impedem de homenageá-lo com o mais genuíno respeito comunista, ao contrário, ele provou com sua própria morte a dedicação máxima a causa da revolução proletária, mais além da política de colaboração de classes da UP e do governo Allende. A verdadeira punição aos torturadores e seus “patronos” capitalistas não poderá ser efetivada por nenhum governo “democrático” no marco de um Estado capitalista seja no Chile ou nos EUA, pelo simples fato de que a burguesia jamais se “autopunirá” de seus monstruosos crimes históricos, como vemos agora com a ascensão do fascista Bolsonaro no Brasil. Somente a revolução socialista será capaz de “vingar” nossos heróis e combatentes mortos e torturados por um regime militar posto a serviço das grandes multinacionais imperialistas, como foi o genial cantor e compositor Victor Jara.

A única forma de vingar plenamente a morte de Jara e dos milhares de militantes que tombaram na luta contra a ditadura militar no Chile e em todo a América Latina é enterrar definitivamente da história da humanidade todo e qualquer regime que venha “cultuar” a exploração da classe operária por um punhado de parasitas, protegidos pelas armas de seu Estado capitalista. 

O acerto de contas que o proletariado necessita realizar com os facínoras da ditadura militar seja no Chile ou no Brasil de Bolsonaro, deverá inevitavelmente vir na esteira do implacável combate ao regime capitalista e sua forma mais aperfeiçoada de “estabilidade democrática”, a democracia dos ricos. Para a classe operária o verdadeiro julgamento de seus covardes algozes só acontecerá quando for capaz de construir seus próprios organismos de poder, estabelecendo tribunais operários e populares de julgamento e punição, como instrumentos da histórica justiça de classe do proletariado! 

Por isso, declaramos a viva voz quando se completam os 48 anos de seu assassinato pelos chacais fascistas: Victor Jara Presente! Na luta pelo Socialismo sempre!